Avançar para o conteúdo principal

"Post" Interdito a Menores de 18 Anos

Desculpai-me senhores, mas terei que dizer-vos, a vós leitores inveterados, que a leitura não passa de um acto de masturbação. Masturbação da mente, mas ainda assim masturbação. Se pensais que sois pueris, tirai daí o cavalinho da chuva, porque sois é uns depravados despudorados!


Por vezes, sinto a leitura como um orgasmo interminável. Interminável até já não haver mais páginas por ler. 
Quando a mão direita fica vazia de livro, quero mais, torno-me insaciável de letras, de sons a ecoarem nas paredes do meu cérebro. Verto litros de saliva, tal cão de Pavlov ao som da campainha. Estremeço. Preciso de continuar a ler, mas a rejeição à monotonia não me deixa recomeçar o mesmo livro. Sou obrigada a soltá-lo. Solto-o... e escrevo.




Desculpai-me senhores, mas terei que dizer-vos, a vós escritores inveterados, que a escrita não passa de uma pole dance. Pole dance da mente, mas ainda assim pole dance. Se pensais que sois pueris, tirai daí o cavalinho da chuva, porque sois é uns depravados despudorados!


Quem me lê, neste momento, está, na realidade, a ver-me dançar agarrada a um varão. Tento seduzir-vos com contorcionismos eróticos. Exteriorizo o fogo que há em mim para vos queimar de desejo. E quero-os a arfar. 
Podia mentir, na tentativa de vos parecer uma Lolita da escrita, e dizer que escrevo só para mim. Mas vocês iriam, depressa, descobrir-me a careca. 

Quem escreve num blogue, nunca escreve só para si. Quem escreve, nunca escreve só para si. Escreve sempre para os outros, sejam eles quem forem. Escreve em voz alta. Escreve aos gritos. E espera ser lido. 
Se não o é, pára. 

E lê. E não lê em voz alta. Lê em surdina, com medo que alguém lhe roube as palavras. Lê ao som dos pensamentos, afim de se saciar numa torrente de espasmos egoístas.

E se não consegue atingir o clímax, lê de novo ou...

...muda de livro.

Imagem retirada DAQUI

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…

Marcadores #1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…