Avançar para o conteúdo principal

Estou Toda Selada!



A Benedita do blogue Aqui não pousam corvos... não se cansa de me oferecer selos e lá me ofereceu mais um...
Este selo é oferecido a blogues com menos de 200 seguidores e, como o meu, apesar de ser um espanto de blogue (ah ah ah ah, sou tão modesta!), só tem 79 seguidores (poucos, mas de alto gabarito!) foi contemplado com este liebster selo. 
E como "não há bela, sem senão", vêm 11 perguntas a reboque e o desafio de passar o selo, e as perguntas, a outros 11 blogues.

  1. O que achas do meu blogue? Benedita, o teu blogue é um dos meus preferidos. Não digo isto por me ofereceres selos, que até nem são a minha especialidade, mas porque gosto do que dizes, da maneira como escreves e da profundidade das tuas palavras. Já gostava do teu blogue anterior, mas sinceramente prefiro este, pois aqui sinto-te mais feliz e positiva.
  2. O que achas da blogosfera? Acho que a blogosfera é um retrato fiel desta sociedade que nos rodeia. Por aqui, encontramos de tudo um pouco: gente boa e gente merdosa; verdades e mentiras; futilidades e recantos profundos da alma; textos impecavelmente escritos e lixo em forma de texto. Enfim, a blogosfera é um universo a explorar.
  3. Coisa mais bonita? O meu filho, claro!
  4. Principal objectivo? Ser feliz.
  5. Maior vício? Ainda... outra vez, fumar.
  6. Música preferida? Já disse aqui, não me vou repetir. Porque não me lembro qual foi a que disse anteriormente e não me apetece ir procurar. Porque não é só essa (a que disse anteriormente), porque há mais, porque sou chata, do contra e porque tenho preguiça de pensar nisso agora.
  7. O que mais odeias? A falta de respeito pelos outros, a maledicência cheia de veneno, a mentira. Odeio muitas coisas, sou um bocado radical no que diz respeito a sentimentos, odeio algumas coisas com a mesma intensidade com que amo outras. 
  8. Qualidade? Vão lendo o blogue e descubram. Ora, ora, querem a papinha toda feita, não?
  9. Defeito? A mesma resposta da pergunta anterior.
  10. Qual o teu ídolo? Ídolo, ídolo acho que não tenho. Admiro várias pessoas pelas mais variadas razões.
  11. És feliz? Às vezes.
Passo o selo, e as perguntas, a todos os liebevollsten Blogs que por aqui passarem.
(Eu sei, eu sei, estrago sempre estes desafios com a minha indisciplina.)

Comentários

  1. Obrigada minha querida pelas tuas palavras!
    Sabes que adoro este teu recanto!
    Beijos grandes

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…