Avançar para o conteúdo principal

Em Véspera de Manisfestação

Já disse aqui que não acredito em manifestações. Não por as achar estúpidas ou coisa no género, mas por crer que não são suficientes. Hoje, as manifestações não acordam os governos. A petulância política é tanta que quem está no poder, pura e simplesmente, ignora a voz do povo. E o pior é que também há povo que ignora o povo. 

Mas amanhã, vou à manifestação...
Porquê? Porque sim! Porque estou descontente e preciso de manifestar o meu descontentamento. Enquanto posso...

Acredito sim na greve de zelo, no voto em consciência e na união das pessoas.

A greve de zelo poria o país em câmara lenta, tão lenta que nada funcionaria (como na realidade não funciona, mas presentemente devido aos cortes nos gastos do Estado, nos ordenados dos contribuintes e ao excesso de burocracias). 

Acredito no voto em consciência porque, para se ir votar, não se pode ir a pensar que a cruzinha se põe à frente da fotografia da cara mais laroca, da do candidato que mais canetas e bandeirinhas oferece ou da do que apresenta mais sinais exteriores de riqueza. A cruzinha põe-se em frente da fotografia de quem acreditamos que pode fazer alguma coisa por isto, mesmo que a cara seja feia, mesmo que dono da cara não tenha oferecido bandeirinhas durante a campanha eleitoral, mesmo que ele não tenha qualquer noção de moda e estilo, ou seja daqueles que ainda tem a coragem de andar de transportes públicos (apesar dos atrasos e das greves) e pense deslocar-se assim para o Parlamento. 

O absentismo não é resposta a nada. Talvez o seja o voto em branco, quando não acreditamos em nenhum dos candidatos, mas o absentismo é um voto na maioria, seja ela qual for. É concordar com o que nos impuserem. É dizer "ok, por mim tudo bem, tomem-me e façam-me o que quiserem!". 

E acredito na união das pessoas. Penso que esta será a arma mais poderosa, se bem utilizada. Acho que se não nos juntarmos e lutarmos por todos nós (todos nós, não só por alguns) nunca conseguiremos que isto se endireite. 
Foi a roubar, cada um para seu lado, que este país chegou até aqui; foi a desunião e a luta desenfreada por poder e riqueza, que nos atirou por terra; foi o umbiguismo; foi a mania das grandezas; foi o chico-espertismo; foi tudo isto junto e foi a (ainda) crença de alguns na humanidade que nos levou a este abismo. 
A crença na humanidade desses, poucos, alguns agarrou-nos pelos cabelos, levou-nos à beira do abismo e mostrou-nos a altura a que estávamos. A queda iria ser grande! 
A culpa deles é, tão só, terem-se deixado ludibriar e roubar pelos espertalhões, que de humanos nada tinham (têm), e permitirem que a sua ingenuidade crédula nas pessoas os traísse.

Eu sinto-me traída, apesar de não ter votado em quem está no poder! Sinto-me traída pelo povo que partilha este país comigo, sinto-me traída por mim própria por não me ter esforçado o suficiente para pôr um travão a estes impostores, por não ter sido austera com a austeridade, por ter acreditado que a humanidade, mesmo que desprezasse a Natureza, amaria sempre a humanidade.

E amanhã, vou expressar esta minha raiva de mulher traída!
Olá se vou!















Fotografias encontradas por AQUIAQUI e AQUI.

Mensagens populares deste blogue

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…