Avançar para o conteúdo principal

Em Véspera de Manisfestação

Já disse aqui que não acredito em manifestações. Não por as achar estúpidas ou coisa no género, mas por crer que não são suficientes. Hoje, as manifestações não acordam os governos. A petulância política é tanta que quem está no poder, pura e simplesmente, ignora a voz do povo. E o pior é que também há povo que ignora o povo. 

Mas amanhã, vou à manifestação...
Porquê? Porque sim! Porque estou descontente e preciso de manifestar o meu descontentamento. Enquanto posso...

Acredito sim na greve de zelo, no voto em consciência e na união das pessoas.

A greve de zelo poria o país em câmara lenta, tão lenta que nada funcionaria (como na realidade não funciona, mas presentemente devido aos cortes nos gastos do Estado, nos ordenados dos contribuintes e ao excesso de burocracias). 

Acredito no voto em consciência porque, para se ir votar, não se pode ir a pensar que a cruzinha se põe à frente da fotografia da cara mais laroca, da do candidato que mais canetas e bandeirinhas oferece ou da do que apresenta mais sinais exteriores de riqueza. A cruzinha põe-se em frente da fotografia de quem acreditamos que pode fazer alguma coisa por isto, mesmo que a cara seja feia, mesmo que dono da cara não tenha oferecido bandeirinhas durante a campanha eleitoral, mesmo que ele não tenha qualquer noção de moda e estilo, ou seja daqueles que ainda tem a coragem de andar de transportes públicos (apesar dos atrasos e das greves) e pense deslocar-se assim para o Parlamento. 

O absentismo não é resposta a nada. Talvez o seja o voto em branco, quando não acreditamos em nenhum dos candidatos, mas o absentismo é um voto na maioria, seja ela qual for. É concordar com o que nos impuserem. É dizer "ok, por mim tudo bem, tomem-me e façam-me o que quiserem!". 

E acredito na união das pessoas. Penso que esta será a arma mais poderosa, se bem utilizada. Acho que se não nos juntarmos e lutarmos por todos nós (todos nós, não só por alguns) nunca conseguiremos que isto se endireite. 
Foi a roubar, cada um para seu lado, que este país chegou até aqui; foi a desunião e a luta desenfreada por poder e riqueza, que nos atirou por terra; foi o umbiguismo; foi a mania das grandezas; foi o chico-espertismo; foi tudo isto junto e foi a (ainda) crença de alguns na humanidade que nos levou a este abismo. 
A crença na humanidade desses, poucos, alguns agarrou-nos pelos cabelos, levou-nos à beira do abismo e mostrou-nos a altura a que estávamos. A queda iria ser grande! 
A culpa deles é, tão só, terem-se deixado ludibriar e roubar pelos espertalhões, que de humanos nada tinham (têm), e permitirem que a sua ingenuidade crédula nas pessoas os traísse.

Eu sinto-me traída, apesar de não ter votado em quem está no poder! Sinto-me traída pelo povo que partilha este país comigo, sinto-me traída por mim própria por não me ter esforçado o suficiente para pôr um travão a estes impostores, por não ter sido austera com a austeridade, por ter acreditado que a humanidade, mesmo que desprezasse a Natureza, amaria sempre a humanidade.

E amanhã, vou expressar esta minha raiva de mulher traída!
Olá se vou!















Fotografias encontradas por AQUIAQUI e AQUI.

Comentários

  1. E que achaste do ambiente? como te sentiste no meio daquela gente toda?

    ResponderEliminar
  2. Felina,
    Quando cheguei já estava toda a gente a ir-se embora! :(
    Pensei que começava às 15h, mas afinal era às 14h e, como cheguei às 16,30h, já não "senti" a manifestação como esperava.
    Ainda havia lá gente, mas nada como apareceu na televisão. Já estava tudo murcho.
    :(((

    Fica para a próxima!
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Tenho a mesma opinião, uma manifestação não muda muito, mas acho que a situação piora se não as fazemos. Os políticos iriam chegar a um ponto de pensar que agora sim podiam fazer o que quisessem.
    Acho para uma manifestação funcionar deve estar mais que o povo de sempre, deve juntar todos, parece que os policias, os militares os médicos, engenheiros, .. não vivem no mesmo país, que não são afetados como os outros. Podes achar que é conversa de sonhadora, mas se realmente tivéssemos todos juntos certamente que seria diferente.
    Outra coisa que ajudaria era aqueles que vão para manifestações para andar à chapada ficarem em casa.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Helena,
    Eu também acredito que a união faz a força.
    Mas as pessoas são desunidas por natureza e isso é muito difícil de conseguir.
    Porém, sinto que está a mudar e a prova foi a manifestação de dia 15 de Setembro que juntou imensa gente que não é habitual frequentadora de manifestações.
    Quero acreditar que essa união ocorrerá.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…