Avançar para o conteúdo principal

A Lâmpada

Hoje, na minha hora de almoço, fui passear-me pela livraria do Centro Comercial. Não sei se já disse aqui que adoro livrarias... Especialmente a secção infantil (sim, sou meia criançolas!) e especialmente nas minhas horas de almoço. Sou capaz de sorver o almoço em 15 minutos, para passar o tempo que me resta de liberdade na companhia dos livros. Gosto de me ver rodeada de letras, histórias, informação, arte. 
Corro as livrarias de uma ponta à outra e, tanto me perco na secção infantil, quanto nas de arquitectura, fotografia, autores estrangeiros, autores portugueses, roteiros turísticos, filosofia, psicologia ou gastronomia.  Gosto do cheiro a cultura!

Durante este meu passeio livresco, descobri uns livros de Alice Vieira que desconhecia. O J. gosta muito desta autora, por isso costumo dar uma espreitadela à prateleira onde ela se encontra. (Ela, salvo seja, os livros dela). Pensei em comprar-lhe um, mas como o tempo era escasso, se fosse para a caixa, não teria tempo para ver mais nada.  Deixei esta ideia de lado e continuei o meu passeio higiénico.

Qual espanto é o meu, quando me deparo com um Top Ten da Fnac e encontro o livro da Pipoca em quarto lugar, logo a seguir ao d' As Cinquenta Sombras de Grey
A minha boca aberta de espanto não se deveu a mais nada senão ao facto do livro da Pipoca, cujo título é Estilo, Disse Ela, ser sobre futilidades (roupas, acessórios, maquilhagem, etc., etc.) e As Cinquenta Sombras de Grey ser sobre uma Gata Borralheira dos tempos modernos, enfeitiçada por um príncipe encantado lunático montado num carro de luxo, e nela. (Ups, desculpem a descida de nível, mas foi incontornável).

Ainda com a boca aberta, começam a passa-me várias ideias, ilustradas, pela cabeça. O sucesso da Casa dos Segredos, as capas das revistas deste verão, cheias de fotografias dos carros e das casas de luxo dos Mourinhos e dos Cristianos Ronaldos, as primeiras páginas dos jornais repletas de títulos austeros, a história que o nosso Ministro da Administração Interna nos contou sobre haver muitas cigarras e poucas formigas em Portugal... 

De repente, faz-se luz! Uma lampadazinha (fosca, que eu sou loira) acende-se mesmo por cima da minha radiante melena amarela. 
As cigarras do ministro existem! As formigas do Miguel são autómatos alheios a tudo o que faça mexer os neurónios! Este país está perdido! Vamos todos morrer à fome, enquanto vemos uns porcos a engordarem a uma velocidade avassaladora! É o fim, é o fim!

Os meus neurónios começam a vibrar e depressa entram em colisão...

Nããããããooooo!!!! Nããããããooooo!!!!!


Olho para o relógio. Tenho dez minutos para chegar ao trabalho.

Ufa, ufa, ufa!! Já passou, ufa, foi só um pesadelo! 

Na realidade, no sábado, vai estar imensa gente na manifestação! Tanta, ou mais gente do que na de dia 15! Gente unida e a lutar por um país melhor. Que não se vai vender ao desbarato, que não vai aceitar um fatinho bonito, um I-Pad, um carro de luxo ou um contrato chorudo a apresentar a meteorologia numa qualquer estação de televisão, em troca das suas convicções, em troca de um país mais justo, mais honesto, onde o bem comum representa o bem individual.
Esta gente não se vai deixar levar. Não! Eu sei que não!

Ok, o pessoal lê livros e revistas e vê televisão sobre assuntos fúteis, mas é só para se distrair. No fundo, está concentrada na mudança e na luta por um país melhor. Sim, é isso! 

És muito dramática, miúda! Já, quando eras pequena, a tua mãe dizia que fazias sempre um drama por tudo e por nada. Até o teu baby diz que és muito dada a fazer filmes! Foi só um delírio, um pesadelo de rapariga alucinada e dramática.


Mais descansada, dirigi-me ao meu carreiro, tal formiga trabalhadeira. Pus os phones, dei descanso aos neurónios, desliguei a lampadazinha fosca e hibernei por mais 4 horas.

Amanhã talvez haja mais... 
...ou então, começarei a passar os serões a ver a TVI, substituirei as livrarias pelas tabacarias, onde comprarei a Caras, sonharei com a casa do Cris, passarei a vestir chique até para lavar a casa-de-banho e apagarei de vez a lampadazinha fosca, que apesar de fosca, só me faz sofrer.

Comentários

  1. Grande lâmpada!
    Delicioso este texto!
    Pena que a esperança no último cenário seja bastante ténue... mas vamos continuar a acreditar que ainda há salvação para este país de muitas cigarras e poucas formigas!

    ResponderEliminar
  2. Eu também vou para a zona infantil :)
    Estou de volta à rotina.
    Bj**

    ResponderEliminar
  3. Ahahahah doida, va tem calma vamos sair desta crise... um dia... há quem se refugie na futilidade para fugir a realidade... ok outros são futeis mesmo... nunca entendi o fenomemo pipoca mas também nunca fui uma maria vai com as outras...

    Continuemos formiguinhas alguém tem de segurar o barco

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Eu adoro ler e muitas das coisas que leio acabo por assimilá-las na minha escrita. Sei que não sou escritora, longe disso, mas sei que aquilo que escrevo tem uma certa qualidade e sei ainda que, se algum dia escrevesse um livro, não teria publico para ele :s
    Gosto de ler romances desde aqueles da Sabrina até à magia do Harry Potter :) Porque acredito que existem livros para todas as ocasiões.
    E depois, vejo certos "livros" nos tops e sinto-me revoltada! Simplesmente existem coisas que não são literatura e chamá-las de livros é uma ofensa aos restantes.
    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…

Marcadores #3

O sol baixou para mais perto da linha do horizonte, ficando a um palmo do mar. Tinha-se passado tempo que não senti. Chet Baker tocava, agora, trompete só para nós. “I talk to the trees” pairava pela esplanada em busca do melhor lugar para se aninhar. Aninhou-se ali, entre mim e aquela mulher-menina. Não havia mais ninguém na esplanada, o casal da única mesa ocupada além das nossas tinha desaparecido, por isso o empregado aumentou o som. Faziam-no sempre que não havia gente que se pudesse queixar do barulho. Nunca me queixei. Antes pelo contrário, era essa a razão que me levava a percorrer quilómetros até ali: o jazz, por vezes alto, quanto mais alto melhor, e o sol a pôr-se no horizonte, quanto mais baixo melhor. - É a primeira vez que aqui venho – interrompeu-me, Ana, os pensamentos como se os lesse e precisasse de lhes responder – Costuma cá vir? - Sempre. Quase todos os dias no verão. - Porque não gosta de Direito? – saltava de tema em tema como se todos estivessem interligados. - Não…