Avançar para o conteúdo principal

A Lâmpada

Hoje, na minha hora de almoço, fui passear-me pela livraria do Centro Comercial. Não sei se já disse aqui que adoro livrarias... Especialmente a secção infantil (sim, sou meia criançolas!) e especialmente nas minhas horas de almoço. Sou capaz de sorver o almoço em 15 minutos, para passar o tempo que me resta de liberdade na companhia dos livros. Gosto de me ver rodeada de letras, histórias, informação, arte. 
Corro as livrarias de uma ponta à outra e, tanto me perco na secção infantil, quanto nas de arquitectura, fotografia, autores estrangeiros, autores portugueses, roteiros turísticos, filosofia, psicologia ou gastronomia.  Gosto do cheiro a cultura!

Durante este meu passeio livresco, descobri uns livros de Alice Vieira que desconhecia. O J. gosta muito desta autora, por isso costumo dar uma espreitadela à prateleira onde ela se encontra. (Ela, salvo seja, os livros dela). Pensei em comprar-lhe um, mas como o tempo era escasso, se fosse para a caixa, não teria tempo para ver mais nada.  Deixei esta ideia de lado e continuei o meu passeio higiénico.

Qual espanto é o meu, quando me deparo com um Top Ten da Fnac e encontro o livro da Pipoca em quarto lugar, logo a seguir ao d' As Cinquenta Sombras de Grey
A minha boca aberta de espanto não se deveu a mais nada senão ao facto do livro da Pipoca, cujo título é Estilo, Disse Ela, ser sobre futilidades (roupas, acessórios, maquilhagem, etc., etc.) e As Cinquenta Sombras de Grey ser sobre uma Gata Borralheira dos tempos modernos, enfeitiçada por um príncipe encantado lunático montado num carro de luxo, e nela. (Ups, desculpem a descida de nível, mas foi incontornável).

Ainda com a boca aberta, começam a passa-me várias ideias, ilustradas, pela cabeça. O sucesso da Casa dos Segredos, as capas das revistas deste verão, cheias de fotografias dos carros e das casas de luxo dos Mourinhos e dos Cristianos Ronaldos, as primeiras páginas dos jornais repletas de títulos austeros, a história que o nosso Ministro da Administração Interna nos contou sobre haver muitas cigarras e poucas formigas em Portugal... 

De repente, faz-se luz! Uma lampadazinha (fosca, que eu sou loira) acende-se mesmo por cima da minha radiante melena amarela. 
As cigarras do ministro existem! As formigas do Miguel são autómatos alheios a tudo o que faça mexer os neurónios! Este país está perdido! Vamos todos morrer à fome, enquanto vemos uns porcos a engordarem a uma velocidade avassaladora! É o fim, é o fim!

Os meus neurónios começam a vibrar e depressa entram em colisão...

Nããããããooooo!!!! Nããããããooooo!!!!!


Olho para o relógio. Tenho dez minutos para chegar ao trabalho.

Ufa, ufa, ufa!! Já passou, ufa, foi só um pesadelo! 

Na realidade, no sábado, vai estar imensa gente na manifestação! Tanta, ou mais gente do que na de dia 15! Gente unida e a lutar por um país melhor. Que não se vai vender ao desbarato, que não vai aceitar um fatinho bonito, um I-Pad, um carro de luxo ou um contrato chorudo a apresentar a meteorologia numa qualquer estação de televisão, em troca das suas convicções, em troca de um país mais justo, mais honesto, onde o bem comum representa o bem individual.
Esta gente não se vai deixar levar. Não! Eu sei que não!

Ok, o pessoal lê livros e revistas e vê televisão sobre assuntos fúteis, mas é só para se distrair. No fundo, está concentrada na mudança e na luta por um país melhor. Sim, é isso! 

És muito dramática, miúda! Já, quando eras pequena, a tua mãe dizia que fazias sempre um drama por tudo e por nada. Até o teu baby diz que és muito dada a fazer filmes! Foi só um delírio, um pesadelo de rapariga alucinada e dramática.


Mais descansada, dirigi-me ao meu carreiro, tal formiga trabalhadeira. Pus os phones, dei descanso aos neurónios, desliguei a lampadazinha fosca e hibernei por mais 4 horas.

Amanhã talvez haja mais... 
...ou então, começarei a passar os serões a ver a TVI, substituirei as livrarias pelas tabacarias, onde comprarei a Caras, sonharei com a casa do Cris, passarei a vestir chique até para lavar a casa-de-banho e apagarei de vez a lampadazinha fosca, que apesar de fosca, só me faz sofrer.

Mensagens populares deste blogue

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!