Avançar para o conteúdo principal

Revolta

Ando imersa numa enorme revolta. Sempre fui um bocadinho revoltada, mas com a idade e com o "andar da carruagem" estou pior. Tenho plena consciência disso. Custa-me aceitar o que para mim e inaceitável, custa-me demais.

Tudo o que me cheira a sacrifício inútil, põe-me fula! 
Odeio fazer o que não gosto: ir contrariada a alguns sítios; lidar, ou simplesmente estar, com pessoas que não me interessam minimamente; vestir o que não me apetece, só porque é politicamente correcto; falar sobre assuntos chatos; ocupar o cérebro com merdices (ou porque são assuntos que tenho que resolver ou porque fazem parte do trabalho).

Ando revoltada com o meu cabelo, que mo cortaram mais do que eu queria; com a estúpida malinha que comprei que só dá para levar ao ombro e não dá para levar a tiracolo; com os atrasos ou greves dos comboios; com a hora tardia que chego a casa; com a falta de tempo para aquilo que me dá prazer; com o tempo que desperdiço a fazer coisas que odeio, como as compras, que tenho que fazer quase todos os dias; com o meu corpo que teima em acumular gorduras, como se fosse iminente eu passar fome; com os cigarros, que me estão sempre a fazer olhinhos; com esta porcaria de país que vive para uma economia inexistente; com a passividade das pessoas; com a arrogância dos governantes; com a pelintragem e o "chico-espertismo"; com a ignorância por opção; com a maldade; com as doenças que são incuráveis, porque existem empresas farmacêuticas que lucram mais com elas assim; com a ganância; com a minha não-concretização da revolta...

Apetece-me atirar tudo às urtigas e ser feliz de uma vez por todas! E, de preferência, bem longe daqui!

Comentários

  1. Posso assinar literalmente tudo?
    Tambem me cortaram o cabelo muito mais do que queria, estou tristissima e ando a passar-me com o trabalho, com a balança, com a fome que não passa e mais parece gula, com a falta de vontade de levantar da cama, com o chefe, com o tempo desperdiçado a fazer o que não gosto... ai, um suspiro só não chega.

    ResponderEliminar
  2. Ui, tu estás numa fase um bocadinho negativa... há alturas em que uma pessoa fica saturada. :/

    ResponderEliminar
  3. Assina à vontade, Tanita!
    Duas revoltadas são bem melhores do que uma! ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. S*,

    Não estou negativa, estou farta de muitas coisas que me irritam e, talvez, também esteja a ficar um bocadinho velha... e rezingona.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. com a idade amadurecemos e percebemos que a vida não é eterna e o tempo passa a correr e se não fazemos o que realmente gostamos e não dizemos o que sentimos, e nos pomos na pele do que deveriamos ser, e não do que somos na verdade, constatamos que a vida passou e nós não a vivemos na 1.ª pessoa! por isso, concordo com tudo o que disseste. não gostaste do corte de cabelo, reclama. a malinha doa a alguém e adquire outra logo que possas, etc, etc. aquilo que poderes solucionar, fá-lo, se não poder ser... ora desabafa aqui... eu cá compreendo-te perfeitamente!;)

    ResponderEliminar
  6. Houve tempos em que me sentia revoltada com muita coisa...
    Depois fui mãe e serenei um pouco.

    Actualmente sinto-me incomodada e principalmente sinto-me pouco esperançosa de que tanta coisa mude, e fica a incerteza: por este caminho onde iremos parar?
    No entanto, uma coisa é certa: todas as revoltas a que dei chama, deram poucos frutos...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…