Avançar para o conteúdo principal

O Chato Profissional

Imagem retirada DAQUI
O chato profissional especializou-se em chatear os outros, de tal forma que merecia um diploma de douramento, tirado com mérito, a um domingo e em cinco minutos, como se de uma versão melhorada Sócrates-Relvas se tratasse. 
O chato profissional não gosta de nada, nem de ninguém (duvido até se gostará de si próprio), é um excelente contorcionista a dificultar a vida dos outros (e a sua) e consegue vislumbrar sempre o lado mais negativo de tudo (mesmo que para isso necessite de uma lupa).

Nos jantares em casa de amigos
Diz que não pode comer isto ou aquilo, que lhe faz mal à vesícula que tirou no ano passado ou que lhe vai encravar o apêndice que já não tem há anos;

Nos restaurantes
Faz sempre pedidos especiais do tipo "a salada não pode ter mais do que uma colher de café de azeite", "o bife não pode ser nem muito bem passado, nem em sangue", "o vinho tem que ter sido conservado na horizontal e a garrafa rodada todos os dias, meio centímetro para a direita";

Nos centros comerciais e supermercados
Especialmente quando está de férias, o chato passeia-se a passo de caracol, ocupando todo o corredor, ou finca pés nas escadas rolantes bloqueando a passagem, para que ninguém lhe passe à frente, porque se o chato não tem pressa, mais ninguém pode ter;

Na praia
Ocupa a maior área que conseguir, nem que para isso as outras pessoas precisem estar encavalitadas umas nas outras. Faz-lhe especial confusão os risos das crianças e a energia com que se movimentam, por isso implica com todas as que o rodeiem; 

No trânsito
O chato é aquele que estaciona mal e de forma a incomodar alguém, bloqueando a saída dos outros carros, apesar de haver inúmeros lugares onde poderia estacionar bem e sem incomodar ninguém. É também aquele que acelera a fundo, quando o tentam ultrapassar, que ultrapassa a alta velocidade o desgraçado que faz um esforço por andar a 50 km/h ao passar o controlo de velocidade dos semáforos, não vá ele (o desgraçado) ter um sinal verde pela frente. Também tem especial predilecção por impedir que os peões atravessem a estrada nas passadeiras e, põe logo "prego a fundo" mal os avista ao longe;

No trabalho (ah pois, o chato profissional também trabalha, e muito, sendo perito em não deixar os outros trabalhar)
Impossibilita que todo o expediente, que lhe passe pelas mãos, prossiga - demorando uma eternidade a concluir uma tarefa - sabotando, deste modo, o trabalho de quem depende da conclusão da tarefa que lhe está destinada para trabalhar;

Em casa
O chato embirra com a arrumação, a limpeza e a organização de todos os que com ele vivem.


Enfim, o chato profissional é tão multifacetado que seria capaz de chatear o mais "inchateável" de todos os seres!
E ai de quem o chame chato!

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…