Avançar para o conteúdo principal

"Lesbianismo" Maternal

Imagem retirada da Internet
Ao cruzar-me com uma mãe e uma filha já adulta, de mãos dadas, lembrei-me de um episódio em que eu e a minha mãe fomos protagonistas...

No tempo em que ainda havia funcionários nas bombas de gasolina, não os funcionários-caixas, mas os que nos vinham pôr a gasolina nos carros, eu e a minha mãe íamos quase sempre à mesma bomba, não por os ditos funcionários serem giros, mas porque era a que ficava a caminho de casa.

Eu era uma miúda ainda nos teen, mas já grande p'ra caraças, e a minha mãe, uma quarentona com ar de "trintinha". Eu ainda não tinha carta de condução e ela conduzia um jipe Land Rover, daqueles grandalhões, tipo tropa. 
O funcionário da bomba era um "cota" com ar de sabichão, pouco habituado a lidar com gajas, mas convicto que dominava o assunto.

Naquele dia, antes de irmos para casa, como em tantos outros (mas não tantos como hoje em dia, porque, nesse tempo, além de haver funcionários nas bombas, a gasolina/gasóleo era bem mais barata/o e não precisávamos de estar sempre a dar de beber aos carros) fomos pôr gasóleo no carro. 
Parámos o jipe. O "cota" com ar de sabichão veio atender-nos, e gerou-se uma discórdia qualquer entre ele e a minha mãe. Já não me lembro bem porquê, mas sei que, às tantas, saio do carro na opulência ingénua dos meus, se não 1,80 cm, uns centímetros lá muito perto. O sabichão olha-me de alto a baixo e, friccionando os indicadores um no outro, numa tentativa de terminar a sua argumentação com chave-de-ouro, tira da cartola esta observação genial, vinda debaixo do seu olhar crítico e extremamente erudito:

- Ah pois... e vocês vêm sempre as duas!

Ainda estivemos para lhe responder que era mais do que lógico irmos lá sempre as duas, visto que morávamos na mesma casa, mas achámos que era melhor não lhe dar mais matéria ficcional que lhe preenchesse os sonhos eróticos, pois para um homem com tanta sapiência podia ser dose a mais para uma só noite.

Escusado será dizer, que fomos para casa a rir-nos às gargalhadas e que ainda hoje nos sai um "ah pois... e vocês vêm sempre as duas!".

Comentários

  1. as aparencias aparudem ou as iludencias iludem
    kis .=)

    ResponderEliminar
  2. Há pessoas com umas mentes muito provincianas e tacanhas... que fazer?!

    ResponderEliminar
  3. Avogi,
    :)
    Bjs

    Naná,
    Rir é o melhor remédio!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …