Avançar para o conteúdo principal

Heguita

A Heguita foi-se embora. Depois de um dia inteiro a tentar levantá-la, depois de termos que chamar uma máquina para a levantar, depois de ela se ter levantado, comido palha, ração, bebido água e ter levado 10 litros de soro, cai no chão e dá-nos a certeza que a hora dela chegou.

Autorizei que lhe dessem a malfadada e piedosa injecção. Perdi a minha melhor amiga. Mas, apesar de não acreditar em Deus ou no Diabo, em reencarnações ou espíritos, em Paraísos ou Infernos, sei que os animais quando morrem vão para um lugar mais belo do que a Terra e que, os cavalos em especial, vão para um lugar onde não há humanos, onde há prados sem fim, onde podem pastar e galopar à vontade, onde ninguém os prende ou os obriga a fazer seja o que for, onde podem dar cangochas e pinotes ao vento, acompanhados dos seus "uiiiiiis" de felicidade.

A minha Heguita foi para esse lugar.

Adeus minha grande, grande amiga!


Heguita Maria (a minha velhota)

Comentários

  1. Que descanse em paz, e que tu fiques também em paz, fizes-te o que te foi possivel.
    Beijinhos <3

    ResponderEliminar
  2. Também eu, Tanita, também eu...
    :(
    Obrigada
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Mammy, a Heguita vai estar sempre contigo no coração!
    Aposto que fizeste toda a diferença no mundo dela, assim como ela fez no teu!
    É sempre triste separar-nos dos nossos amigos de coração, mas tem que ser...

    ResponderEliminar
  4. Naná,
    Pois tem.... infelizmente...
    :((((((

    ResponderEliminar
  5. Lamento muito :( E estou contigo tenho a certeza que foi para um lugar muito melhor.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …