Avançar para o conteúdo principal

Contar ao J. que a Heguita Morreu...

Foi hoje.
Felizmente, ele não estava cá quando tudo aconteceu... Tive tempo para chorar, gritar, culpar-me, bater-me, digerir o assunto, serenar, pensar... Não precisei de esconder as emoções, porque tenho estado sozinha, e por isso, acho que as fui conseguindo resolver melhor...
Quando ele chegou, matámos saudades, conversámos um pouco e depois contei-lhe. 
Primeiro, não lhe contei da injecção, disse-lhe que ela caiu e morreu. Depois, fui invadida por um sentimento de culpa por lhe estar a ocultar uma parte importante da história, que mais cedo ou mais tarde, ele ia acabar por saber, e ia saber juntamente com a sensação que eu lhe tinha mentido. Contei-lhe da injecção. Chorou. E eu fui invadida por um sentimento de culpa por lhe estar a contar uma parte da história tão dolorosa. Abraçou-me, deu-me beijinhos, perguntou-me se fiquei muito triste, se chorei, porque tivemos que lhe dar a injecção e porque é que ela não podia ter ficado deitada mas viva. Expliquei-lhe que os cavalos não podem ficar tanto tempo deitados e que se ela ficasse mais aquela noite assim, ia acabar por morrer na mesma e ia sofrer muito mais. Acho que compreendeu... 
Perguntou-me:
- Não vais ter outro cavalo, pois não?
- Não.
- A Heguita era especial, não era? Ela era a tua amiga e o teu único cavalo, não era?
- Era.
- Pois, eu sei!

Comentários

  1. Parabéns pela coragem de teres contado a verdade!

    ResponderEliminar
  2. Mas que coisa mais triste =/ perder um animal que é o nosso melhor amigo deve ser algo extremamente doloroso =/ Boa sorte!!!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Custa tanto perder um ser tão querido. Eu cheguei a ficar doente uma vez...três dias de febre... beijinhos apertados*

    ResponderEliminar
  4. Mum's the Boss,

    Eu sou sempre pela verdade, mas neste caso, tive medo de o impressionar com a imagem da égua ter tido uma morte provocada por nós, por termos acelerado o processo. Por isso, primeiro "apalpei terreno" para ver se ele estava preparado para a verdade. Pareceu-me que sim e "fui em frente" para a verdade.

    Sabes, ele ainda me perguntou porque não lhe disse mais cedo? Fiquei com a certeza que, como está habituado que eu lhe diga sempre a verdade, está sempre à espera dela e não aceita meias-verdades e, por isso, prepara-se para ela tão bem, que acaba por sofrer menos, mesmo quando a verdade é muito dolorosa.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Pretty in Pink,

    Sim, é muito doloroso, ainda mais quando a amizade tem quase 20 anos...
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Magda E,

    Obrigada.
    Beijinhos para ti também

    ResponderEliminar
  7. Não deve ter sido nada fácil, mas o J. é um menino muito inteligente.E a verdade é sempre a melhor opção, por muito que nos (te) custe.

    Querida quanto ao teatro não está nada esgotado, é só aparecer e comprar o bilhete, têm imenso espaço e é ao ar livre, por isso cabe sempre mais um.

    Quanto à Art&life costumo falar com ela pelo gmail, se quiseres pergunto se te posso dar o contacto.
    Quanto à oxygen não sei, também fiquei preocupada porque o blogue fechou mesmo.

    Bom fim-de-semana. Bj**

    ResponderEliminar
  8. Tanita,

    Acabei por não tentar sequer ir ao teatro. Fiquei por casa.

    Podes então pergunta à Art And Life se me podes dar o e-mail? Eu também cheguei a falar com ela por mensagem, mas agora não consigo...
    Obrigada
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. No dia em que postaste isto escrevi um comentário enorme, mas depois deu erro... enfim, o blogger sempre a tentar contrariar...

    Basicamente acho que tomaste a atitude mais correcta! É melhor ser honesta!

    ResponderEliminar
  10. Naná,
    Assim espero, assim espero!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…