Avançar para o conteúdo principal

Revolta Enjaulada

Aviso: Aviso já que este post tem muitos palavrões. Talvez seja melhor os mais sensíveis ficarem por aqui, e não lerem o resto!

A minha égua está a morrer! É velha, eu sei, mas a culpa de ela estar como está é minha! 

Sou uma covarde! Sou uma tremenda de uma covarde e, como tal, decidi enjaular-me para não ter que enfrentar a vida!
Tenho andado todos estes anos (muitos anos) a saltitar de jaula em jaula, de trabalho em trabalho, para fugir ao meu verdadeiro amor: os cavalos! 
Trabalhei muito tempo com cavalos, a minha mais pura e verdadeira paixão em termos profissionais, mas desisti porque detesto as pessoas que lidam com eles neste país. Detesto o estilo delas, as técnicas empregadas, os objectivos, as filosofias, tudo! Decidi afastar-me, em vez de tentar mudar alguma coisa na equitação. Fechei-me em escritórios, lojas, museus, o caralho...
Porque sou uma covarde de merda, retirei-me da cena para não ter que assistir aos constantes maus-tratos aos animais que abundam por aí! Mas não foi só por isso, foi também porque sou uma comodista e acomodei-me ao trabalhinho das 9 às 5, com fins-de-semana completos, e à abstracção concedida pelos "olhos que não vêem, coração que não sente".
Na realidade, tenho estado enjaulada para me alhear da minha revolta e para não ter que enfrentar todos os cabrões que andam por aí e que se auto-intitulam equitadores e amantes de cavalos. Na jaula, vivo em constante birra de urso (para quem não sabe o que é, pode ver AQUI) e, garanto-vos, é uma merda!

Hoje, fui ver a minha égua. Está magríssima, tem tido ameaças de cólicas consecutivas nestes últimos tempos, deita-se porque não se aguenta nas pernas, é perseguida pelos outros cavalos mais fortes que lhe tentam roubar a comida... Enfim, está a ter um fim doloroso, porque eu tenho fechado os olhos ao sofrimento dela e não tenho mexido uma palha para lho aliviar! Protejo-me da dor que me provoca vê-la sofrer, espaçando as visitas que lhe faço e afastando-me.... E quando, "por obra e graça do espírito santo" decido enfrentar os meus medos e retirar a capa protectora que me envolve, decidindo ir vê-la, deparo-me com a minha filha putice. E a revolta já não é contra os cabrões dos equitadores deste país, é contra mim própria, que, por preferir enjaular-me a agir como a mulher que finjo ser, tenho andado a brincar às pessoas em vez de tentar ser uma...  
E hoje, caí na real! Vislumbrei que a única saída que, talvez, me reste para tentar consertar o monte de trampa que tenho andado a fazer, é mandar abatê-la, tal acto de misericórdia, por aquela que sempre foi a minha melhor amiga...

Foda-se, mas as melhores amigas não se mandam matar!

Comentários

  1. Não te sintas assim, nem amargurada, tenta sim ao maximo proporcionar os seus melhores momentos e se alguem culpado são os Equitadores que deveriam sim ter feito mais por ela.
    Desejo te muita força e decide o melhor que for para a tua amiga.
    Bjstos

    ResponderEliminar
  2. Não abspinola, os equitadores não têm nada a ver com a minha égua, nem culpa nenhuma...
    A "culpa" deles, se é que têm alguma culpa nesta história, é eu ter abandonado o trabalho com cavalos.
    No sítio onde ela está, está bem, mas eu é que devia ter feito mais por ela, em vez de me ter afastado!
    Obrigada e beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Estava a ler o teu post e a lembrar-me de determinadas situações que passei... E só pensava também sou como a tua égua, de quem muita gente se afastou para não ter que assistir ao (meu) sofrimento. Não é uma atitude louvável, claro que não. Mas em certos casos é compreensível. Desculpa-te a ti própria, pede desculpa à égua, e tenta estar la com ela, mesmo que seja o fim. Agora que tomaste consciência da tua atitude não podes voltar atrás! :)
    Um beijinho* e coragem

    ResponderEliminar
  4. Se te disser que estou contigo, acreditas?

    É que dói, mas dói a valer, tomar essa decisão!

    ResponderEliminar
  5. Dura esta vida, bolas...
    É mesmo a única saída? Todos nós só queremos o melhor para os que amamos, se assim for melhor e com menos sofrimento para ambas.
    Beijinhos no <3 muita força

    ResponderEliminar
  6. Nunca sei que dizer quando toca a este tipo de decisões...

    No entanto, acho que a tua égua merece que lhe dediques um pouco tempo de atenção!
    Ela precisa da sua amiga de volta!
    Esquece o que já fizeste, esse não podes apagar, preocupa-te em não repetir o mesmo erro :)

    ResponderEliminar
  7. Mar,
    Não sei se é a única saída...
    Estou a tratar para ir lá uma veterinária ver se se pode fazer alguma coisa para ela ficar melhor...

    Silvina,
    Inicialmente, eu não me afastei dela por ela estar a sofrer, afastei-me de todos os cavalos, dela inclusive, numa tentativa de negar o meu gosto por cavalos, numa tentativa de me retirar do meio deles.
    Nessa altura, ela ainda não estava a sofrer, apesar de já ter alguns problemas nos membros, que eu podia ter tentado resolver ou melhorar. Ultimamente, tenho estado mais longe dela, e aí sim para me proteger, por ter consciência que o fim dela está perto.
    Sempre que sei que ela está mal, vou lá vê-la e estar um pouco com ela, mas não como devia ser, de uma forma continuada e com o envolvimento que ela merece.
    O meu grande erro começou há uns bons anos atrás, quando dei ouvidos ao que me diziam, talvez um pouco por conveniência minha, que não valia a pena fazer nada relativamente à doença que ela tem nas mãos (doença dos naviculares), que a operação de nada adiantava a não ser que eu quisesse que ela saltasse obstáculos durante uns tempos (como não queria, não optei pela operação) que os analgésicos fazem bem à dor e mal a umas tantas outras coisas.
    Eu devia ter pesquisado, procurado outras soluções, mas como tudo era caríssimo, como eu já não a montava, fui deixando andar... Ela não se queixava muito, fazia a sua vidinha de campo e eu fui-me convencendo que ela estava bem assim.
    Erro meu! O problema foi-se agravando. Entretanto, uma vez, ela cortou um pé numa vedação, outra caiu numa vala, de onde tiveram que ser os bombeiros a tirá-la com uma grua, e o problema dela passou a não ser um, mas vários, e juntando-lhes a idade que já não é pouca, chegou ao estado em que está agora.
    O que não deixa de culpa minha, ou melhor, culpas, muitas culpas ao longo de vários anos.
    :(
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Faz lembrar um pouco a eutanásia é preciso amar muito para a praticar...

    sobre o artigo que referes, nós os seres humanos somos uns infelizes e tornamos infelizes tudo o que tocamos,privamos da liberdade os outros seres vivos por egoismo, enjaulamos feras, engaiolamos passáros, rotulamos pessoas e nem por isso somos mais felizes pelo contrario, há um insatisfação geral...


    Beijinho e força faz o que tu achas que deves fazer mas faz com muita força

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…