Avançar para o conteúdo principal

O Bode-Come-Relvas

Num destes dias de Verão, o português abriu uma pestana, devagarinho, a medo, mas abriu. Uma pestana apenas, mas aberta. 
Com a pestana aberta, uma apenas, só viu Relvas em seu redor. O estado da educação era Relvas; a contra-informação era Relvas; a corrupção era Relvas; a Troika era Relvas; o desemprego era Relvas...  E assim por diante... Relvas, Relvas, Relvas por tudo o que era lado!
O português, que não é parvo nenhum, toca de pôr o bode, o expiatório, a pastar...

A imagem podia ter sido
retirada de uma qualquer rede social,
mas foi mesmo do Google

Se virem algum bode por aí a engordar desmesuradamente, não se enganem, porque é o expiatório, com certeza! É que, com tantas Relvas, não há dieta de bode que se aguente! 


Entretanto, eu vou ficar aqui quietinha, e a rezar silenciosamente, para que a outra pestana também se abra... ou que, contrariamente às minhas preces, se fechem as duas para sempre...

-Avoooó, como é que se reza????? 

Comentários

  1. pois tb concordo é como se costuma dizer, todo o pássaro como e só o melro é que paga!!! Beijinhos!!!

    ResponderEliminar
  2. Nem sei se hei-de rir se chorar... a vida neste pais parece uma dramatica comédia...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Ainda há "bodes expiatórios"...quando ficarem em vias de extinção o que fazer às Relvas???
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  4. Dreams,
    O que me faz confusão é a obsessão colectiva.
    Sim, o Relvas é um pulha, mas os outros também não se ficam atrás.

    Felina,
    Este país é mesmo "uma dramática comédia"!

    S*
    Lá está a "dramática comédia" da Felina!

    Maria Teresa,
    Fazem-se delas palha para os burros comerem!
    ;)

    Beijinhos a todas

    ResponderEliminar
  5. Bem, ri-me com vontade de chorar!
    Muito bom.
    (Miminho lá no tasco para ti)
    Bom fim-de-semana!
    Beijoquinhas

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …