Avançar para o conteúdo principal

Da Mentalidade Deveras Trabalhadora

Coisa engraçada, já trabalhei em inúmeros sítios e, em todos eles, havia sempre aqueles trabalhadores exemplares que ficavam no local de trabalho para lá do seu horário de serviço...
Mais engraçado ainda, é que a maior parte deles, ficava lá a ler o jornal, a jogar computador ou na conversa, e a trabalhar muito pouco.

Cheguei a ter um colega que entrava ao serviço uma hora antes só para ler o jornal. Durante aquela horinha não fazia nada, a não ser ler o seu jornalzinho... Mas claro que picava o ponto logo que chegava e, ao fim do dia, também ficava mais um bocadinho para ler as notícias na Net. No fim do ano, estes bocadinhos de leitura de jornal e surf na Net renderam-lhe nada mais, nada menos, do que mais 4 dias de férias!
E o que me parece mais grave é os chefes apreciarem este tipo de trabalhadores, dos que ficam sempre mais um bocadinho, a fazer o quê não importa!
Tanto estes trabalhadores dedicados, como os seus chefes vangloriam-se de não terem vida própria e de se dedicarem unicamente ao trabalho. Não ter vida própria é um motivo de orgulho no meio laboral, como se alguém realmente acreditasse que a única coisa que lhes interessa é trabalhar! (E se isso fosse verdade, seria muito, mas mesmo muito triste. E nunca um motivo de orgulho).

Mas este fingimento consentido, e de parte a parte, funciona... Muita gente é promovida à custa dos jornais que lê no local de trabalho!
Os desgraçados, que têm mais que fazer do que ler o jornal, ou que o preferem ler noutro sítio, são sempre encarados como se não gostassem de trabalhar, mesmo que tenham produzido o dobro dos leitores de jornal durante as suas horas de expediente. Só porque não ficam aquele bocadinho a "deitar conversa fora", porque não amam os colegas do fundo do coração, não vão tomar o cafezinho de meia hora, ou porque preferem não fazer nada noutro sítio qualquer, que não no local trabalho, são logo conotados como maus trabalhadores e desinteressados!

Mentalidadezinha pequenina, é o que é!

Comentários

  1. Em tempos que já lá vão, eu trabalhava em média 10h, mas sempre a bulir. Não entrava mais cedo, mas saía sempre tardíssimo... quando tive o meu filho e deixei de fazer isso, porque não podia e porque simplesmente não queria fazê-lo, comecei a ser mal vista pelos meus superiores... e chegaram mesmo a dizer-me que eu não podia ter tudo - leia-se "carreira" e "filhos"!
    Nesse dia aprendi uma grande lição... nem que o trabalho chegue ao tecto, nunca mais saio depois da hora!
    E depois não me venham cá dizer que há que ter amor à camisola!

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente, é o que mais há no mundo do trabalho.

    ResponderEliminar
  3. Isso realmente é muito triste e olha que esses são sempre o que menos fazem. Bjinhos

    ResponderEliminar
  4. Viver não custa custa é saber viver

    Esse mal é geral em todas a empresas


    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Este pais é mesmo comico..eu conheço umas quantas pessoas assim!Trabalhadores exemplares que chegam antes da hora...mas na verdade durante o dia não fazem nada de util... mas aos olhos dos patrões são os maiores! Depois ha os que realmente cumprem horarios mas o seu dia de trabalho é mais produtivo que 1 semana do supostamente Bons funcionarios exemplares! É o pais que temos deixa la! E viva os espertos! :)

    ResponderEliminar
  6. É assim em todos os países. Infelizmente...

    ResponderEliminar
  7. Oxygen,
    Não é assim em todos os países, porque há países que tentam respeitar os seus trabalhadores. Felizmente!
    Este país gosta especialmente de explorar os seus trabalhadores e os trabalhadores gostam de dar a ideia de que são explorados. Isso é que é triste!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…