Avançar para o conteúdo principal

A Tua Ausência

A tua ausência está sempre presente. Foste há uma semana que sinto como um mês. Ainda faltam tantos meses para nos voltarmos a ver... 
O lugar vazio que deixaste na cama, na mesa, ao meu lado a beber os nossos cocktailzinhos e a ouvir música, nas nossas idas ao teatro, ao cinema, às exposições, nas nossas conversas, nas inconfidências que trocamos, nos corpos nus que não se podem tocar agora...
Arrependo-me, arrependo-me tanto de não te ter tentado demover da ida, de não te ter tentado convencer a ficares... 
A convicção de que teria que partir de ti, e só de ti, não ires, impediu-me de o fazer. É em momentos como este, que gostava de ser como as mulheres comuns que manipulam os maridos, que os convencem, a bem da família e do casamento, a tomarem as atitudes que elas querem. Mas não sou! Se nunca tentei controlar a tua vida, não seria agora, passados tantos anos que iria fazê-lo. Porque não sou assim, porque acredito que se não continuarmos a ser dois que formam um, deixamos de fazer sentido, porque amo a tua individualidade e por isso, não ta posso roubar...
Mas queria-te aqui, comigo. E não queria ter que passar por isto outra vez, porque a tua ausência corrói-me os dias, leva bocados de mim que afinal são os que estão aí contigo, no outro lado do mundo.
Confesso que não sei viver sem ti, não sei mesmo. Tudo me parece artificial quando não estás, movo-me como um autómato, porque preciso de continuar a viver e as fazer as coisas do dia-a-dia, porque preciso de dar apoio ao J. e tentar colmatar a lacuna, que é a tua ausência, também na vida dele. Sei que não o faço bem, sei que a tua ausência nunca pode ser colmatada na vida dele, tal como na minha, talvez por causa da individualidade que te faz único, talvez porque a nossa relação é tão profunda e inteira que nos desmembramos quando nos separamos.
Mas queria-te aqui, comigo, connosco...

Comentários

  1. detesto pessoas sque manipulam o outro a seu bel-prazer
    kis :=)

    ResponderEliminar
  2. Mammy, força! Sei perfeitamente o que isso custa. Desejo que vos corra tudo bem.

    Bj grande!

    ResponderEliminar
  3. O que dói mais é quando nos desmembramos e passamos a ser dois em vez de um...
    Amamos tudo, até aquilo que nos magoa. Força :)

    ResponderEliminar
  4. Sei que está a ser difícil, mas daqui a uns anos quando forem os dois velhinhos vai ser mais uma história para contar aos netos. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. As ausências custam imenso... força!

    ResponderEliminar
  6. Tenho vivido de há uns anos a esta parte isso muito de perto, tenho um cunhado GNR que tem feito uma missões em Timor e a minha irmã tb tem sofrido imenso. Coragem e força, tudo vai passar, e o melhor ainda e sempre estará para vir!!! Beijokinhas!!!

    ResponderEliminar
  7. Até me arrepiei ao ler este teu post... O Amor é exactamente isso... Um beijinho e um abraço de conforto

    ResponderEliminar
  8. Obrigada também a vocês!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…