Avançar para o conteúdo principal

O Pontapé

Imagem retirada da Internet
No parque de estacionamento de um centro comercial, quando nos dirigíamos para o carro, olho para o J. e ele está com aquela cara de aflito...
Entramos no carro e pergunto-lhe:
-Que se passa?
-Não viste? Aquela senhora deu um pontapé à filha!
-A sério? Não?!
-Deu, eu vi! Não se dá pontapés aos filhos!
-Se calhar foi só um toquezinho com o pé no rabo dela...
-Não, foi um pontapé! Ela ficou a chorar!
-Não, ela já estava a chorar quando passámos por elas, eu reparei nisso!
-Mas ela deu-lhe um pontapé e não se dá pontapés aos filhos!
-Pois não, mas não deve ter sido com muita força... A menina caiu?
-Não! 
-E não a estamos a ouvir chorar muito, pois não?
-Não, mas tu não fazes nada?
-Não me posso ir lá meter... Só se a mãe a tivesse magoado muito...
-Ias? Se ela a tivesse magoado muito?
-Claro que ia, mas não me parece que seja esse o caso... É muito complicado metermo-nos assim nas relações entre pais e filhos...
-Se a menina tivesse ficado muito magoada, ias lá, não ias?
-Sim, já te disse que sim! Claro que ia!

Pareceu-me que ficou mais descansado, apesar de um pouco decepcionado de a mãe dele não ser a corajosa defensora dos oprimidos que ele desejaria. 
Confesso que fiquei um bocadinho envergonhada por o ter decepcionado e senti-me um tanto ou quanto cobardolas, mas como poderia eu ir meter-me naquela desavença entre mãe e filha sem ter visto o que se passou?

Noto que há uma grande agressividade em certas relações pais/filhos, mesmo sem lhes tocarem há pais que reagem com demasiada agressividade às birras dos filhos. Esta chega a afectar até quem apenas a presencia. Afecta-me a mim, e pelos visto, também afecta o J.

Às vezes, tenho um medo secreto que a minha falta de paciência, em determinados momentos, me torne assim...

Comentários

  1. As crianças têm uma certa tendência a exagerar... :) duvido que a mãe tenho enfiado assim um biqueiro na filha. Mas entendo essa tua, hum... mágoa.

    ResponderEliminar
  2. Essas situações são mesmo muito complexas... eu sinceramente não sei se me daria para a coragem... ou para a cobardia. Se tivesse presenciado, se calhar esperava para ver o desenlace da questão, e só depois tomaria a decisão de intervir ou não...

    ResponderEliminar
  3. Não vou comentar o pontapé porque como dizes não se sabe ao certo o que aconteceu, mas quero dizer que acho que jamais farias isso ao teu filho!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Pelo que me quer parecer és uma pessoa com grande discernimento, nunca irias chegar a um extremo desses..

    ResponderEliminar
  5. Oxygen e Gypsy,

    Claro que nunca daria um pontapé ao meu filho.
    O meu medo não é esse, o medo é transportar alguma agressividade nas minhas palavras quando me zango com ele.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…