Avançar para o conteúdo principal

O Pontapé

Imagem retirada da Internet
No parque de estacionamento de um centro comercial, quando nos dirigíamos para o carro, olho para o J. e ele está com aquela cara de aflito...
Entramos no carro e pergunto-lhe:
-Que se passa?
-Não viste? Aquela senhora deu um pontapé à filha!
-A sério? Não?!
-Deu, eu vi! Não se dá pontapés aos filhos!
-Se calhar foi só um toquezinho com o pé no rabo dela...
-Não, foi um pontapé! Ela ficou a chorar!
-Não, ela já estava a chorar quando passámos por elas, eu reparei nisso!
-Mas ela deu-lhe um pontapé e não se dá pontapés aos filhos!
-Pois não, mas não deve ter sido com muita força... A menina caiu?
-Não! 
-E não a estamos a ouvir chorar muito, pois não?
-Não, mas tu não fazes nada?
-Não me posso ir lá meter... Só se a mãe a tivesse magoado muito...
-Ias? Se ela a tivesse magoado muito?
-Claro que ia, mas não me parece que seja esse o caso... É muito complicado metermo-nos assim nas relações entre pais e filhos...
-Se a menina tivesse ficado muito magoada, ias lá, não ias?
-Sim, já te disse que sim! Claro que ia!

Pareceu-me que ficou mais descansado, apesar de um pouco decepcionado de a mãe dele não ser a corajosa defensora dos oprimidos que ele desejaria. 
Confesso que fiquei um bocadinho envergonhada por o ter decepcionado e senti-me um tanto ou quanto cobardolas, mas como poderia eu ir meter-me naquela desavença entre mãe e filha sem ter visto o que se passou?

Noto que há uma grande agressividade em certas relações pais/filhos, mesmo sem lhes tocarem há pais que reagem com demasiada agressividade às birras dos filhos. Esta chega a afectar até quem apenas a presencia. Afecta-me a mim, e pelos visto, também afecta o J.

Às vezes, tenho um medo secreto que a minha falta de paciência, em determinados momentos, me torne assim...

Comentários

  1. As crianças têm uma certa tendência a exagerar... :) duvido que a mãe tenho enfiado assim um biqueiro na filha. Mas entendo essa tua, hum... mágoa.

    ResponderEliminar
  2. Essas situações são mesmo muito complexas... eu sinceramente não sei se me daria para a coragem... ou para a cobardia. Se tivesse presenciado, se calhar esperava para ver o desenlace da questão, e só depois tomaria a decisão de intervir ou não...

    ResponderEliminar
  3. Não vou comentar o pontapé porque como dizes não se sabe ao certo o que aconteceu, mas quero dizer que acho que jamais farias isso ao teu filho!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Pelo que me quer parecer és uma pessoa com grande discernimento, nunca irias chegar a um extremo desses..

    ResponderEliminar
  5. Oxygen e Gypsy,

    Claro que nunca daria um pontapé ao meu filho.
    O meu medo não é esse, o medo é transportar alguma agressividade nas minhas palavras quando me zango com ele.
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…