Avançar para o conteúdo principal

Onde Acaba o Instinto de Protecção Altruísta e Começa o Egoísta Espírito Protector?

Gostava de saber:

Onde mora essa linha ténue que separa o famigerado instinto protector das mães, da necessidade egoísta de se preservarem ao sofrimento;

Se quando impedimos um filho de fazer alguma coisa que nos atormenta, estamos a impedi-lo apenas por medo do que lhe possa acontecer ou se é também, e principalmente, para nos pouparmos à preocupação que nos invadirá ao deixá-lo;

Se a beleza de ser mãe é assim tão bela como a pintam;

A verdade do sentimento de protecção. Sinto-o tão difuso e tão misturado com outros sentimentos...

O limite da protecção. Até onde nos é permitido ir e a partir de onde se passa a chamar superprotecção.


Eh pá, gostava de saber tanta coisa, que acho que, por muito tempo que viva, nunca vou ter vida que chegue para acumular tanto conhecimento...

Garçon, sai outra vida aqui para a mesa do canto, se faz favor!

Comentários

  1. Eu penso e faço assim, sigo o coração, imponho algumas regras(nem sempre respeitadas, lol)mas ajo sempre de acordo com o que sinto. E até me tenho sentido bem com isso;) Beijokinhas!!!

    ResponderEliminar
  2. Como em tudo na vida, deve imperar o bom senso... se bem que isto de ser mãe é um exercício constante de bom senso numa luta com os sentimentos mais puros de protecção de mãe...

    ResponderEliminar
  3. É a profissão mais difícil de sempre e de todas, pois as nossas decisões governam a vida de um ser humano. E nunca temos a certeza se fazemos bem quando "os deixamos ir" ou quando "os retemos". As consequências são sempre a longo prazo.
    Como vês, partilhamos as mesmas dúvidas e não vamos encontrar resposta fácil e directa.

    ResponderEliminar
  4. É o dilema de muitas mães, essa preocupação terás sempre, para ele ganhar asas vais ter de sofrer de preocupação até te habituares que faz parte do crescimento dele arriscar, vão ser as saidas à noite, tirar a carta de condução, e se for de mota que foi o caso da minha filha o coração fica tão apertadinho... vais ter de ceder gradualmente, a primeira noite não dormes a segunda também, mas se te mentalizares que faz parte aos poucos vais relaxando e aceitando sem sofrer tanto... ser mãe é mesmo tramado

    ResponderEliminar
  5. Ser mãe é complicado, não é uma ciência exacta... e nem sempre o coração está certo.

    ResponderEliminar
  6. É mesmo "a profissão mais difícil de sempre e de todas", "tramado", "complicado", necessita de "bom senso" e "seguir o coração" talvez seja o caminho...
    Vocês disseram tudo!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue