Avançar para o conteúdo principal

Mais Um Grande Pingo da Minha Doce Ilusão Se Desvanece

José Saramago, no seu Ensaio sobre a Cegueira, foi um autentico visionário. Ele viu o que aconteceria se um Pingo Doce da vida real fizesse uma promoção diabólica no 1º de Maio, onde todos os compradores, de quantias superiores a 100€, teriam 50% de desconto.
Na história dele (do Saramago) as pessoas tinham cegado. Na nossa história, as pessoas não são cegas, mas aspiram por ser em troca de 50% de desconto.
Os valores, os princípios e, tudo o resto a que chamam conversa fiada, são deitados pelo cano abaixo, se puderem lucrar (ou poupar, como preferirem) 50% do capital investido.
Se preciso for, matam, esfolam, roubam produtos dos carrinhos de supermercado dos outros ou vendem os seus carrinhos vazios depois de já terem a sua cota parte da promoção assegurada.
A empresa Pingo Doce conseguiu, com este gesto de bondade extrema, atirar por terra qualquer esperança, que ainda me restava, neste país e nesta gente.

Ao ver as reportagens na televisão sobre o que passou ontem, imaginei-nos a todos dentro de um Titanic conduzido por loucos gananciosos, de onde se vê ao fundo o icebergue, mas ainda se tem hipótese de girar o leme para nos desviarmos dele. 
Os homens do leme não o querem girar, pois possuem um helicóptero à espera que o barco se aproxime do alvo para os vir salvar. Alguns passageiros esgatanham-se para chegarem primeiro aos botes de salvação, outros atiram-se à água num acto de desespero, mas ninguém toma a iniciativa de unir todas as pessoas com o objectivo de destronar os homens do leme e desviar o Titanic do icebergue.
É do senso comum a existência do icebergue, e o possível, não certo, mas possível, choque com ele, mas empenhar-se para o evitar... Ninguém!

As greves que Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio e Serviços convocou para o Dia do Trabalhador foram por água abaixo, o direito que estes trabalhadores deveriam ter ao feriado de ontem, foi junto. Porque, dizem os grandes defensores do capitalismo, "os trabalhadores do Pingo Doce receberam este dia de trabalho a triplicar, tiveram direito a um dia de férias extra e acesso a esta mesma promoção noutro dia à sua escolha!". 
Bravo! Óptimo! Mas perderam o direito ao feriado do Dia do Trabalhador! E de direito em direito se vão perdendo batalhas, anteriormente ganhas. E de direito em direito se vai perdendo mais um pouco da democracia almejada. E de direito em direito se vão perdendo anos de vida...

"Que se lixe! Nós temos é que trabalhar para ajudar o país a sair da crise!", dirão alguns. "Nós temos é que fazer de tudo para levarmos mais uns eurozitos para casa!", dirão outros. "Nós temos é que aproveitar estas promoções, porque a vida está cara, porque a austeridade está a acabar com a nossa qualidade de vida!" dirão outros, ou os mesmos, ou todos...

Não amigos! Vocês estão é a ajudar os homens do leme a pagarem o helicóptero que os irá salvar, quando este barco for ao fundo e, vocês, amigos (nós, amigos) vão estar dentro do barco, não do helicóptero! E os eurozitos, que amealharam à custa da venda dos vossos (nossos) princípios, valores e conversa fiada, não vão dar para comprar nem um botezinho insuflável!

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

O Desprezo É A Melhor Arma

Não sou pessoa de dar desprezo a ninguém. Gosto de discutir, trocar ideias e pontos de vista e, por fim, de chegar a um consenso. Resolver a questão, arrumá-la ou atirá-la para trás das costas, porque a conversa nos iluminou os pensamentos difusos. Mas há pessoas, com as quais isso não é possível. Facto este, que me chateia particularmente... Gostava de conseguir esclarecer assuntos que acabam por ficar no ar e que geram mal-entendidos. Mas nem sempre consigo. Muitas vezes, não consigo. Ou porque a outra parte não está para aí virada, ou, pura e simplesmente, porque a única coisa que está disposta a ouvir é a sua própria voz. Tenho que admitir que, nestes casos, a melhor arma é o desprezo. Se o principal objectivo do nosso interlocutor é magoar-nos, enxovalhar-nos ou obrigar-nos a admitir que a razão nunca o abandona, não há matéria para discussão, nem vontade... Resta, apenas, o desperdício do nosso latim, atirado, com força, contra uma parede maciça, que acaba por o fazer evaporar …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!