Avançar para o conteúdo principal

Mais Um Grande Pingo da Minha Doce Ilusão Se Desvanece

José Saramago, no seu Ensaio sobre a Cegueira, foi um autentico visionário. Ele viu o que aconteceria se um Pingo Doce da vida real fizesse uma promoção diabólica no 1º de Maio, onde todos os compradores, de quantias superiores a 100€, teriam 50% de desconto.
Na história dele (do Saramago) as pessoas tinham cegado. Na nossa história, as pessoas não são cegas, mas aspiram por ser em troca de 50% de desconto.
Os valores, os princípios e, tudo o resto a que chamam conversa fiada, são deitados pelo cano abaixo, se puderem lucrar (ou poupar, como preferirem) 50% do capital investido.
Se preciso for, matam, esfolam, roubam produtos dos carrinhos de supermercado dos outros ou vendem os seus carrinhos vazios depois de já terem a sua cota parte da promoção assegurada.
A empresa Pingo Doce conseguiu, com este gesto de bondade extrema, atirar por terra qualquer esperança, que ainda me restava, neste país e nesta gente.

Ao ver as reportagens na televisão sobre o que passou ontem, imaginei-nos a todos dentro de um Titanic conduzido por loucos gananciosos, de onde se vê ao fundo o icebergue, mas ainda se tem hipótese de girar o leme para nos desviarmos dele. 
Os homens do leme não o querem girar, pois possuem um helicóptero à espera que o barco se aproxime do alvo para os vir salvar. Alguns passageiros esgatanham-se para chegarem primeiro aos botes de salvação, outros atiram-se à água num acto de desespero, mas ninguém toma a iniciativa de unir todas as pessoas com o objectivo de destronar os homens do leme e desviar o Titanic do icebergue.
É do senso comum a existência do icebergue, e o possível, não certo, mas possível, choque com ele, mas empenhar-se para o evitar... Ninguém!

As greves que Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio e Serviços convocou para o Dia do Trabalhador foram por água abaixo, o direito que estes trabalhadores deveriam ter ao feriado de ontem, foi junto. Porque, dizem os grandes defensores do capitalismo, "os trabalhadores do Pingo Doce receberam este dia de trabalho a triplicar, tiveram direito a um dia de férias extra e acesso a esta mesma promoção noutro dia à sua escolha!". 
Bravo! Óptimo! Mas perderam o direito ao feriado do Dia do Trabalhador! E de direito em direito se vão perdendo batalhas, anteriormente ganhas. E de direito em direito se vai perdendo mais um pouco da democracia almejada. E de direito em direito se vão perdendo anos de vida...

"Que se lixe! Nós temos é que trabalhar para ajudar o país a sair da crise!", dirão alguns. "Nós temos é que fazer de tudo para levarmos mais uns eurozitos para casa!", dirão outros. "Nós temos é que aproveitar estas promoções, porque a vida está cara, porque a austeridade está a acabar com a nossa qualidade de vida!" dirão outros, ou os mesmos, ou todos...

Não amigos! Vocês estão é a ajudar os homens do leme a pagarem o helicóptero que os irá salvar, quando este barco for ao fundo e, vocês, amigos (nós, amigos) vão estar dentro do barco, não do helicóptero! E os eurozitos, que amealharam à custa da venda dos vossos (nossos) princípios, valores e conversa fiada, não vão dar para comprar nem um botezinho insuflável!

Comentários

  1. Não estou totalmente de acordo contigo mas também não estou totalmente de desacordo.
    Acho interessante o teu ponto de vista mas também acho interessante este ponto de vista:
    http://oarrumadinho.clix.pt/2012/05/confusao.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o Arrumadinho vê o lado economicista da questão. E eu concordo que haja gente (muita gente) a quem esta promoção fez muito jeito, porque não têm dinheiro para as compras de primeira necessidade e porque andam aflitas, mas também há quem não tem dinheiro para os bens de primeira necessidade, mas tem para para o telemóvel xpto, para o carro y, para a casa grande demais para a família, que até não é assim tão grande, e para a televisão plasma com 50 m2, e esses também estavam lá a guerrear pelo pacote de açúcar.
      Não critico os verdadeiros aflitos! Quem está aflito, age em desespero e no desespero que se lixe o mundo!

      Critico sim quem se vende, quem vê no seu umbigo o centro do universo e quem por ignorância ou por só pensar a curto prazo não se apercebe que a atitude tomada para ganhar uns trocos a mais, lhe vai custar muito mais caro no futuro, a ele e a quem se lhe seguir. E penso que estes eram a maioria dos que lá estavam!

      E os empregados do Pingo Doce (ou de outra empresa qualquer) que em vez de lutarem por melhores condições de trabalho na sua generalidade, ficaram todos contentinhos com a esmola que lhes deram para calarem o bico e desistirem de lutar por postos de trabalho decentemente remunerados e dignos, fazem-me desacreditar que isto melhore, porque vejo neles a resignação às actuais conjunturas, a bênção aos céus por ter um trabalho, mesmo que seja do mais mísero possível, a permissão e a participação em injustiças sociais assustadoras.
      A sério, isto assustou-me mesmo muito!
      Com todos contra todos e só a pensarem em si próprios, isto nunca vai melhorar, acredita!
      Bjs

      Eliminar
  2. Não estou totalmente de acordo contigo mas também não estou totalmente desacordo. Agora, o que eu gosto mesmo é da tua prosa. Adoro a forma como escreves. Tens que potenciar isso.

    ResponderEliminar
  3. Mammy, esta situação é muito complicada. Se eu tivesse uma família de 4 ou 5 pessoas no agregado, na mesma casa, de idades variadas, a quem dar de comer diariamente, de vestir, e apenas 2, vá 3, trabalhassem...não sei se não teria passado pelo mesmo degredo e "vale tudo". Não pensaria nos direitos dos trabalhadores, pensaria em encher a barriga à família. Não pensaria nos verdadeiros motivos da "caridade" falseada da grande superfície, pensaria em como gastar menos a longo prazo, apesar de num dia só gastar mais do dobro do que habitualmente se gasta num mês. Não pensaria nos valores cívicos literalmente atropelados, mas sim em quantos pacotes de arroz conseguiria açambarcar. E nas fraldas, as fraldas...A campanha é criticável, mas quando a fome aperta e o medo se aproxima, nós somos capazes das maiores selvajarias para conseguir sobreviver. Não foi isto apenas um exemplo do que se passa noutros países, ditos de 3ºmundo? Apenas aconteceu mais tarde do que noutros lados. Não é isto que acontece nos saldos, mas prolongado num intervalo de tempo maior? Não é isto que acontece quando grandes marcas anunciam a saída duma merdice qualquer que vai-se a ver só serve para a diversão e gastar mais dinheiro? A minha avó dizia - e ainda diz - que o dinheiro é o mal de todos os males. Tem toda a razão.
    Desculpa ter sido mais longa do que é meu hábito.

    ResponderEliminar
  4. Jaime,
    E não é para isso que cá estamos? Para discutir e trocar opiniões?
    Obrigada pela força!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Pseudo,
    Alonga-te sempre que o desejares!
    Cabe aqui tudo! ;)
    Tal como disse ali em cima à Art and Life, o que critico aqui é a desunião das pessoas e é elas deixarem-se levar por manipulações maquiavélicas, atirando por terra princípios e valores.
    Não estou a criticar os aflitos, até porque não acho que sejam a maioria dos que fizeram excursões ao Pingo Doce.
    Acredito sim, que a maioria dos guerrilheiros empenhados na batalha ao saco de arroz, tenham sido os mesmos que fazem bichas e dormem à porta do Corte Inglês "quando anunciam a saída duma merdice qualquer que vai-se a ver só serve para a diversão e gastar mais dinheiro" e os só vêem o efeito imediato das suas acções e se esquecem que esta atitude, agora, pode ser-lhes/nos muito penosa no futuro.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. MAmmy
    se calahr os trabalhadores do PD têm necessidades e objectivos para a sua familia e o dinheiro recebido pelo dia de trabalho vai acomodara familia
    kis .=)

    ResponderEliminar
  7. Sim Avogi, vai acomodar este mês, mas nos restantes terão que trair-se a si próprios se quiserem um salário melhorzinho e o feriado do 1º de Maio, já era!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. 100% de acordo.
    Onde esta a margem de Lucro para esta campanha, quem esta por detras disto? quem ira pagar esta promoção? há muitas questões que faço e muitos deveriam o fazer, ninguem dá nada a ninguem e de certeza que esta promoção vai sair caro dos nossos bolsos nos proximos tempo.

    Eu fiquei chocada com as imagens transmitidas na televisão por momentos questionei me se era em Portugal, estamos cada vez mais no fundo, pela falta de civismo, educação é triste.

    Bjstos
    E como sempre boas as tua palavras de bom senso

    ResponderEliminar
  9. mesmo no filme,qundo o barco afundou e já nada havia a fazer,as pessoas reagiram todas de forma diferente,uns tentando salvar as riquezas,outros tentaram escapar sozinhos deixando até os mais queridos para trás etc...outros preferiram aceitar o que estava a acontecer e decidiram ficar abraçados.são opções e actos,uns mais bonitos e dignos e outros feios (quase irracionais) è por isso que existem pessoas que gostamos e que admiramos,pelas suas qualidades e outras que não.É por isso que os ficaram na história da humanidade são os trabalhadores de 1886, e é deles e foram eles que nos deram este dia,pagando não com dinheiro mas com a razão,não é agora um parolo ao ataque, com uma estratégia de Marketing e aproveitando das mazelas sociais do qual ele também dá para ajuda ,que vai ficar para a parte bela da Historia,que ela também está cheia de Gandhi(s) e Hitler(s), Zeca(as) e Salazares,Cavacos e Saramagos...Cristos e vendidos...um abraço sem qualquer tipo de poupança no afecto."É mãe, não se compra nem se vende."

    ResponderEliminar
  10. mesmo no filme,qundo o barco afundou e já nada havia a fazer,as pessoas reagiram todas de forma diferente,uns tentando salvar as riquezas,outros tentaram escapar sozinhos deixando até os mais queridos para trás etc...outros preferiram aceitar o que estava a acontecer e decidiram ficar abraçados.são opções e actos,uns mais bonitos e dignos e outros feios (quase irracionais) è por isso que existem pessoas que gostamos e que admiramos,pelas suas qualidades e outras que não.É por isso que os ficaram na história da humanidade são os trabalhadores de 1886, e é deles e foram eles que nos deram este dia,pagando não com dinheiro mas com a razão,não é agora um parolo ao ataque, com uma estratégia de Marketing e aproveitando das mazelas sociais do qual ele também dá para ajuda ,que vai ficar para a parte bela da Historia,que ela também está cheia de Gandhi(s) e Hitler(s), Zeca(as) e Salazares,Cavacos e Saramagos...Cristos e vendidos...um abraço sem qualquer tipo de poupança no afecto."É mãe, não se compra nem se vende."

    ResponderEliminar
  11. Abspinola,
    Esta promoção já está a sair cara aos trabalhadores do Pingo Doce, pois a partir de agora já não têm direito ao feriado e vão continuar a receber ordenados miseráveis que os fará andar à luta uns com os outros para ver quem é que vai trabalhar aos feriados. :(((
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Anónimo,
    É verdade, mas a diferença entre o filme e este nosso Titanic é que nós ainda temos a hipótese de nos desviarmos do icebergue e só não o fazemos, porque não nos unimos.
    Bjs (sem poupanças, também!)
    :))

    ResponderEliminar
  13. Não sei porque é este alarido todo! No fundo todos aproveitaram, Pingo Doce, clientes e empregados do Pingo Doce.
    É verdade que é uma acção que vai contra as políticas sociais e é aqui que fico na duvida desta acção, mas também entendo que estamos em crise e há muita gente desesperada.
    Em relação aos empregados do Pingo Doce, não são os únicos que têm de trabalhar feriados e fins-de-semana, ou dia do trabalhador, neste caso. O pai da minha afilhada raramente passa um natal ou uma passagem de ano em família, sempre trabalha nessa altura, afinal de conta nós precisamos de electricidade... Nós precisamos de agua, de transporte, de médicos, de policias e esses trabalham quando a maioria da população não trabalha, há sempre alguém a trabalhar.
    As pessoas dizem que cada vez estamos piores, mas a realidade é que nunca tivemos bem, e nunca vamos estar bem, porque sempre haverá uns mais ricos e outros mais pobres. Durante uns tempos alguns pensavam que estavam bem mas foi preciso vir uma crise mundial para as pessoas entenderem que não é assim. Não acho que as coisas estão a piorar, porque hoje em dia as pessoas têm mais educação e informação, acho que pouco a pouco vai melhorando alguns aspectos, por vezes haverá algumas recaídas, mas nunca vai ser perfeito e o caminho será difícil.
    Tens de manter uma atitude positiva :)

    ResponderEliminar
  14. http://cadpp.org/node/284
    No dia 1 de Maio a cadeia de supermercados Pingo Doce fez uma súbita campanha de venda de todos os seus produtos com desconto de 50%.

    Os resultados foram notáveis:


    em relacão, ao lado economicista da questão: "Gerou-se uma corrida de consumidores sem precedentes, com milhares de pessoas estacionadas todo o santo dia dentro e fora dos supermercados – até foi preciso chamar a polícia para pôr ordem na confusão.
    Essas dezenas de milhar de pessoas que tiveram de alinhar 3 a 6 horas em filas de espera, como é evidente, deixaram de poder participar na comemoração do 1.º de Maio, e na reflexão do seu significado. E provavelmente foram levadas a não racionar a sua economia doméstica.
    Os comentadores políticos de serviço nas televisões deram graças por um novo tema de debate sobre o qual, como de costume, nada de jeito souberam dizer, para além de vagas moralidades.

    Mas então o que está realmente em causa em jogadas comerciais deste tipo? Isso mesmo explica Augusto Flor, num comentário enviado à Revista Rubra:
    O Pingo Doce deve ter arrecadado à volta de 90 milhões de euros em poucas horas em capitalização de produtos armazenados

    De onde saiu o dinheiro: algum do bolso dos consumidores, mas grande parte saiu das contas bancárias por intermédio de cartões. Logo, os bancos vão acusar a saída de tanto dinheiro num curto espaço de tempo – no princípio do mês, em que os bancos contam com esse dinheiro nas contas, para se organizarem com ele. Mas ainda ganham algum, porque há quem compre a crédito.

    Ora, se o Pingo Doce pedisse esse dinheiro à Banca, iria pagar, digamos a 5%, em 5 anos, 25% da quantia. Assim não paga nada. O povo deu-lhe boa parte do seu ordenado a troco de géneros. Alguns vão ver-se à rasca porque com arroz não se paga a electricidade.

    O resto, 75% da quantia aparentemente «oferecida», distribuiu-se assim:

    Uma parte dos produtos (talvez 20 a 25%) devem estar a chegar ao fim do prazo de validade. Teriam de ser amortizados como perdas e lançados ao lixo. Enquanto não fosse lixo seria material que entraria como existência, logo considerado como ganho e sujeito a impostos. Assim poupam-se impostos, despesas de armazenamento (logística, energia, pessoal) e o povinho acartou o lixo futuro.
    Outra parte (10 -15%) seria vendida com os habituais descontos de ocasião e as promoções diárias. Uma parte foi ainda vendida com lucro, apesar do «desconto».
    O Pingo Doce prescinde ainda de 30 a 40% do que seria lucro por motivos de estratégia empresarial a saber:
    Descartar-se da concorrência das pequenas empresas. Quem comprou para dois meses não vai às compras nesse mesmo tempo.
    Aumentar a clientela, que agora simpatiza com a cadeia «benfeitora».
    Criar uma situação de monopólio ao fazer pressão sobre os preços dos produtores (que estão à rasca e muitos são espanhóis) para repor os novos stocks em grande quantidade.
    Transpor já para euros parte do capital parado em armazém e levá-lo para fora do país, uma vez que a sede da empresa está na Holanda. Não vá o diabo tecê-las e isto voltar ao escudo nos próximos tempos, o que levou já J. Martins a passar a empresa para a Holanda.
    Diminuir com isto o investimento em Portugal, encurtar a oferta de produtos, desfazer-se de algum armazém central e com isso despedir alguns funcionários. O consumo vai diminuir no futuro e o Estado quer «imposto de higiene» pago ao metro quadrado.
    Poupança em todo o sistema administrativo e em publicidade – a comunicação social trabalhou à borla para eles.

    Mesmo que tudo fosse ilegal, a multa máxima para dumping é de 15.000 a 30.000 euros; para o resto não há medidas jurídicas. Verdadeiramente isto são «feijões» em sacos de Pingo Doce, empresa do homem mais rico de Portugal.

    A ASAE irá só apresentar serviço."

    ResponderEliminar
  15. http://cadpp.org/node/284

    ResponderEliminar
  16. outro lado o lado economicista da questão.
    http://cadpp.org/node/284

    ResponderEliminar
  17. o outro lado economicista da questão ;) http://cadpp.org/node/284

    ResponderEliminar
  18. Anónimo,
    Boa perspectiva de análise desta questão!
    ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue