Avançar para o conteúdo principal

Mães E Filhas- Melhores Amigas?

Na rubrica Ser ou não ser da revista Pais & Filhos, li um artigo de opinião escrito pela jornalista e mãe de dois adolescentes, Sofia Barrocas, sobre Mães & Filhas, que expressa a ideia que as mães e as filhas não podem ser "melhores amigas".
Confesso que fiquei chocada com a imensidão de disparates escritos por esta senhora. Além de discordar com cada palavra por ela teclada, eu, e mais umas quantas pessoas que conheço, somos a prova viva de que as mães e as filhas podem ser "melhores amigas".


Senhora jornalista e mãe de dois adolescentes:
A minha mãe já foi, e ainda vai, comigo para os copos; sabe mais sobre mim do que qualquer outra pessoa (e não apenas por sapiência maternal, mas essencialmente pelas nossas conversas); conheceu todos os namorados que tive (por acaso nem foram muitos, o que a poupou a um desfilar de rapazolas burbulhentos e de voz esganiçada); falamos sobre tudo, inclusivamente de sexo, tanto de uma como da outra; tem plena consciência de todos os disparates de adolescente que fiz (e não foi por isso, que alguma vez deixou de me aconselhar e/ou reprovar alguns deles); para sermos "melhores amigas" nunca precisámos de nos imitarmos mutuamente (ela nunca precisou de vestir os meus vestidinhos de adolescente, nem eu precisei de calçar os sapatos de salto alto dela para sairmos juntas); sempre reprovou os copianços e as cábulas (e não foi por isso que eu deixei de os fazer quando andava para aí virada, ou que não aprendi que era uma estupidez fazê-los, especialmente por ser um insulto à minha inteligência dar a avaliar conhecimentos que não eram meus).

A minha mãe é, e sempre foi, a minha melhor amiga e isso nunca a impediu de ser acima de tudo a minha mãe!

"Misturar fronteiras"? Tenha dó, minha senhora! 
Não se pode ser mãe e amiga em simultâneo? 
"As mães têm a obrigação de não deixar que estes papéis se confundam?" E vão confundir-se porquê? Só se vão confundir se alguma das pessoas (mãe ou filha) pretender ser aquilo que não é! 
Nem eu, nem a minha mãe alguma vez quisemos ser a outra, ou da idade da outra. A minha mãe sempre foi mais velha do que eu 19 anos (ou melhor, nas quase 3 semanas que separam os nossos aniversários, é mais velha apenas 18); nunca me quis roubar namorados, nem eu a ela; nunca entrou em esquemas parvos de adolescentes, nem eu entrei em esquemas parvos de adultos; nunca "alinhou com a filha e as amigas nas suas aventuras para ludibriarem seguranças de bares e discotecas" ou participou "em planos que lhes permitam entrar sem pagar" ou desatou "aos gritinhos histéricos de cada vez que se dá de caras com alguma cara conhecida da televisão ou da música" para parecer cool. (Mas... eu também não!) 

Será este um problema das mães melhores amigas das filhas, e das filhas melhores amigas das mães? Ou será um problema de gente com cabecinhas cheias de ar? É que talvez seja melhor não se "misturarem as fronteiras"...

Resumindo, a senhora jornalista e mãe de dois adolescentes não percebe nada do assunto de que tentou falar, talvez porque não teve a oportunidade de ter uma mãe que fosse também sua amiga, talvez por não ter a oportunidade de ter uns filhos que sejam seus amigos, ou talvez por ambas as razões... 
Infelizmente para si, é o que tenho a dizer!

Comentários

  1. As mães não podem ser as melhores amigas das filhas. São papeis totalmente diferentes que inibem que as filhas cresçam com verdadeiras melhores amigas, impedindo-as de socializarem da forma mais saudável, gerindo verdadeiras relações de amizade isentas de laços de veinculação inerentes às relações parentais. Mães educam. Amigas têm um papel muito diferente.

    ResponderEliminar
  2. Catarina,
    Se não podem, então eu serei um caso perdido?!
    Não terei eu crescido? Serei uma anti-social?
    "Mães educam?" E nada mais?
    Não será esse um papel demasiado redutor, o das mães?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …