Avançar para o conteúdo principal

Singularidades de uma Esquisitinha ou Esquisitices de uma Singularzinha

Já disse aqui que não gosto de abraços ou que me dêem cotoveladinhas enquanto falam comigo, mas o que eu ainda não disse, é que também detesto que se encostem a mim nas bichas do supermercado. 
Assim, vou dizer agora:

DETESTO QUE SE ENCOSTEM A MIM NAS BICHAS DO SUPERMERCADO!

Geralmente, quem se encosta a mim são aquelas senhoras que estão "cheias de pressa" para irem fazer o almoço ou o jantar, ou qualquer coisa tão importante quanto isso, e que acham que colando-se a mim vão chegar mais rápido a casa.

Pois não vão!

Desenganem-se senhoras, porque o melhor que vos posso oferecer ao colarem-se-me é, no dia em que a minha paciência pedir a demissão, levarem um olhinho negro para mostrarem ao marido quando chegarem a casa e, com isso, conseguirem um mês repleto de lamentações e histórias gratuitas para contarem às vossas amiguinhas igualmente autocolantes!

Se eu fosse um rapaz jeitoso, um trintão charmoso ou alguém cheio de dinheiro nos bolsos ainda compreendia os vossos avanços...
Mas não sou, sou uma gaja sem grandes atractivos que vos possam interessar (ou interessam? É que a minha experiência com homossexuais, diz-me que as lésbicas normalmente não se sentem muito atraídas por mim, porque sou grande como um homem, e os gays também não, porque apreciam anormalmente os meus namorados e, para eles, eu estou ali só a estorvar), que também não tem cheta ou jóias suficientemente caras que valham o esforço de as tentarem roubar...
Sinceramente, não entendo qual é a vossa intenção quando se colam, tão convictamente, a mim...

Devo avisar-vos, senhoras autocolantes, para depois não me espetarem com um processo em cima por publicidade enganosa, que podem empurrar-me à vontade, que eu não me vou despachar mais rápido, antes pelo contrário, se me empurrarem, eu começo a pôr as compras na passadeira em câmara-lenta, só para vos enervar; que podem chegar-se muito perto, que eu não vos vou saltar para o colo aos beijos e aos abraços; que podem até cheirar-me, mas informo já, que há dias em que não tomo banho e, at last but not least, que podem pôr-me a mão no bolso, que a única coisa que talvez encontrem por lá é lista das compras.

Cromas amigas, não sei se depois de tanta informação, continuarão a escolher-me para ser a caderneta à qual se desejam colar, mas caso eu não tenha conseguido dissuadir-vos de se me aderirem, relembro o olho negro e que a minha paciência está a um milímetro de se tornar subsidiodependente.

Por isso, "DESLARGUEM-ME"!



(Com tanta esquisitice a que me tenho dedicado a relatar, começo a achar que o nome deste blogue devia ser mudado...
Que vos parece "Singularidades de uma Esquisitinha" ou "Esquisitices de uma Singularzinha"?)

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…

Voo da Paixão

Voámos alto, em noites gélidas que tornámos escaldantes. Voámos tão alto, que pude ver as estrelas e a Lua.
Mas o voo não é interminável e temos que pousar. Pousar para reabastecer, pousar para descansar e para voltar a voar... de novo... uma vez mais...
Quantas vezes o fizemos? Quantas vezes precisaremos de o voltar a fazer?

Se a paixão nos faz voar, o amor faz-nos pousar.