Avançar para o conteúdo principal

Singularidades de uma Esquisitinha ou Esquisitices de uma Singularzinha

Já disse aqui que não gosto de abraços ou que me dêem cotoveladinhas enquanto falam comigo, mas o que eu ainda não disse, é que também detesto que se encostem a mim nas bichas do supermercado. 
Assim, vou dizer agora:

DETESTO QUE SE ENCOSTEM A MIM NAS BICHAS DO SUPERMERCADO!

Geralmente, quem se encosta a mim são aquelas senhoras que estão "cheias de pressa" para irem fazer o almoço ou o jantar, ou qualquer coisa tão importante quanto isso, e que acham que colando-se a mim vão chegar mais rápido a casa.

Pois não vão!

Desenganem-se senhoras, porque o melhor que vos posso oferecer ao colarem-se-me é, no dia em que a minha paciência pedir a demissão, levarem um olhinho negro para mostrarem ao marido quando chegarem a casa e, com isso, conseguirem um mês repleto de lamentações e histórias gratuitas para contarem às vossas amiguinhas igualmente autocolantes!

Se eu fosse um rapaz jeitoso, um trintão charmoso ou alguém cheio de dinheiro nos bolsos ainda compreendia os vossos avanços...
Mas não sou, sou uma gaja sem grandes atractivos que vos possam interessar (ou interessam? É que a minha experiência com homossexuais, diz-me que as lésbicas normalmente não se sentem muito atraídas por mim, porque sou grande como um homem, e os gays também não, porque apreciam anormalmente os meus namorados e, para eles, eu estou ali só a estorvar), que também não tem cheta ou jóias suficientemente caras que valham o esforço de as tentarem roubar...
Sinceramente, não entendo qual é a vossa intenção quando se colam, tão convictamente, a mim...

Devo avisar-vos, senhoras autocolantes, para depois não me espetarem com um processo em cima por publicidade enganosa, que podem empurrar-me à vontade, que eu não me vou despachar mais rápido, antes pelo contrário, se me empurrarem, eu começo a pôr as compras na passadeira em câmara-lenta, só para vos enervar; que podem chegar-se muito perto, que eu não vos vou saltar para o colo aos beijos e aos abraços; que podem até cheirar-me, mas informo já, que há dias em que não tomo banho e, at last but not least, que podem pôr-me a mão no bolso, que a única coisa que talvez encontrem por lá é lista das compras.

Cromas amigas, não sei se depois de tanta informação, continuarão a escolher-me para ser a caderneta à qual se desejam colar, mas caso eu não tenha conseguido dissuadir-vos de se me aderirem, relembro o olho negro e que a minha paciência está a um milímetro de se tornar subsidiodependente.

Por isso, "DESLARGUEM-ME"!



(Com tanta esquisitice a que me tenho dedicado a relatar, começo a achar que o nome deste blogue devia ser mudado...
Que vos parece "Singularidades de uma Esquisitinha" ou "Esquisitices de uma Singularzinha"?)

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…