Avançar para o conteúdo principal

Esta Coisa Que É Ser Mãe

O meu filhote está a crescer a uma velocidade inacreditável! Ele cresce tão rápido que eu já não o consigo acompanhar!

Isto de se ser mãe tem muito que se lhe diga e, quando somos mães de um só filho, parece-me que ainda é mais complicado. Cada etapa é uma incógnita, uma descoberta, não temos tempo para prever ou para nos preparamos para o que vem a seguir.

As mães (e pais) de mais do que um filho vão acumulando experiências que lhes vão dando algum know-how para os filhos seguintes, além de terem preocupações a dobrar, triplicar ou xxxar das que nós, mães de um único filho, temos. Elas (a partir do segundo filho) têm um conhecimento de causa, que nós nunca teremos. E, como a maior parte delas tem o segundo quando o primeiro ainda é pequeno, não passam por estas crises, porque o stress de ter mais do que uma criança para criar não as deixa.

Eu, que não programei o nascimento do meu filho e que o contacto que tinha com outras crianças não estava nada desperto para as suas características e necessidades, fui apanhada de surpresa. Como só tenho uma criança com que me preocupar (e o gato, e a égua), vou pensando, pesquisando e tentando perceber as várias etapas da vida do meu filho em particular e das crianças em geral.
Toda a beleza da descoberta do meu papel de mãe foi acompanhada pela insegurança de não saber o que fazer com aquela coisinha pequenina que me tinha caído nos braços. 
À medida que o meu filho foi crescendo, eu fui crescendo com ele, como mãe, mas essencialmente como pessoa. (Se ele soubesse o que tem contribuído para o meu crescimento, sentir-se-ia meu pai!)

Neste momento, tem-me sido particularmente difícil acompanhar o seu crescimento. 
Num abrir e fechar de olhos, ele já está a pôr perfume, todos os dias, debaixo dos braços como o pai põe o desodorizante. 
Da noite para o dia, ele vem falar-me de política como se fosse um entendido. 
Sem que eu me apercebesse, ele passou a considerar-se um rapaz e a sentir uma certa distância das crianças mais pequenas. 
Hoje de manhã, disse-me:
-O pai, às vezes, é um bocadinho tontinho, não é?
-Tontinho? Porquê?
-Ele, ontem à noite, disse-me "vá, faz lá ó-ó!"! Ó-ó é para os bebés. Eu já não sou bebé! Sou um rapaz!

Pois é, ele já é mesmo um rapaz. 
E, qualquer dia, eu vou entrar na casa de banho e ele vai estar lá... a fazer a barba!

Medo!!! 
Confesso que tenho um medo de morte da adolescência dele! 
O rapaz tem sido tão fácil de aturar, que acho que, quando ele chegar à adolescência, vai fazer todas as asneirolas a que nos tem poupado!


Comentários

  1. É melhor que ele faça as asneirolas próprias na adolescencia, sei por experiência própria que os mais rebeldes na infância e adolescência ficam mais calmos como adultos. Sou mãe a duplicar e digo te não há dois filhos iguais, as tacticas que utilizas num já não serve para o outro, com os filhos estás sempre aprender seja um, sejam dois, sejam dez, a desvantagem de se ter só um filho é que ficamos demasiado focados num só e o medo da perda é muito maior...

    Beijinho e fica tranquila faz o melhor que souberes, a intuição costuma resultar, ler demasiados artigos só confunde porque cada criança é um mundo diferente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, cada criança é mesmo um mundo diferente!
      A história de ficarmos mais focadas, faz-nos também sentir mais o peso da responsabilidade.
      Vocês, mães de vários, não têm o mesmo tempo que nós para ficarem a pensar nestas coisas, pois têm que agir mais rápido e dar atenção a vários.
      Sinceramente, acho que até pode ser melhor assim, pois age-se mais instintivamente e o instinto das mães raramente comete erros.
      Eu penso demais, sei que é um dos meus grandes defeitos. Às vezes, espero encontrar respostas e explicações, onde elas simplesmente não existem.
      Bjs e obrigada

      Eliminar
  2. A adolescência é uma altura complicada... passamos todos pela mania que somos adultos, somos refilões, respondões... medo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, se é!
      Lembro-me tão bem como eu era... só espero que ele saia ao pai!
      :)
      Bjs

      Eliminar
  3. adolescencia etapa muito complicada sem dúvida , mas passa nao tao depressa como desejamos mas passa e volta tudo ao normal
    kis :=)

    ResponderEliminar
  4. Mas olha que cada criança é diferente, tem o seu feitio, e mesmo os pais com mais filhos têm de se adaptar a cada um deles porque cada um cresce e reage à sua maneira :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Pretty in Pink. Mas pelos menos já conhecem as fases pelas quais as crianças passam, a partir do segundo filho.
      :)
      Bjs

      Eliminar
  5. Sabes o que eu acho???
    Que as coisas na adolescência dele vão acontecer ao mesmo ritmo alucinante a que estão a acontecer agora e nem vais ter tempo para digerir, tal como já te acontece - a ti e a mim!!...
    E vais continuar a aprender coisas novas com ele, da mesma forma.
    Mas acertaste na mouche daquilo que sinto actualmente com o meu pequenote!
    Estamos tramadas, é o que é!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…