Avançar para o conteúdo principal

"As Manequins Não Passam de Cabides!"

Esta frase foi dita por um conceituado designer, cá da praça, numa aula do meu curso de manequim.
(Não vou dizer o nome dele, porque, como é famoso, podia gerar polémicas desnecessárias e a minha intenção não é essa.)

Esta frase provocou a indignação, se não o choque, de muitas das minhas colegas de curso. Como podem imaginar, a maior parte delas eram teenagers à procura de realizar o sonho de ser manequim que idealizavam um mar de rosas, colorido e deslumbrante.

Eu, um pouco menos teenager, porque mais velhita (tinha quase o dobro da idade da maioria delas) e porque menos crente nos encantos da profissão, concordei com ele. 
Se nos debruçarmos sobre o assunto, chegamos à conclusão que ele tinha razão. Talvez a maneira como o disse não tenha sido a mais correcta. Foi um pouco abrupto, atirou por terra os sonhos daquelas meninas que, ainda por cima, tiveram uma trabalheira enorme a convencer os pais a pagarem uma pipa de massa por aquele curso, fazendo-os acreditar que se tornariam na próxima Marisa Cruz. 

Mas ele estava coberto de razão! As manequins não passam de cabides e as manequins querem-se cabides! O desejo de qualquer designer é ter manequins que vistam as suas criações sem as ofuscarem. Quanto mais assexuadas, magras (para que a roupa que vestem, vistam também os manequins de montra), com boa pele (para ser facilmente trabalhada pelos maquilhadores) e bom cabelo (que aguente as tintas e os secadores dos cabeleireiros), melhor.
O principal interesse da moda é vender roupa, não é vender meninas! Por isso é a roupa que tem que brilhar, não são as meninas. 
E explicar isto a raparigas que fazem 3 horas de ginásio por dia, que comem uma maçã durante todo o dia e que vivem empoleiradas nuns saltos de meio metro, sem as magoar ou ofender? Difícil, não?

Sei que devem estar a pensar porque raio de carga de água, fui eu tirar um curso de manequim, se acho que não passam de cabides... Porque estes cabides ganham bastante bem! 
Eu também corria (quase) todos os dias, almoçava uma sopa e um café, jantava pouco mais e a única coisa doce que comia eram bolachas de aveia de tempos a tempos.
Com isto, consegui enfiar-me em roupa de tamanho 36 e nada mais. 
Se valeu a pena o esforço?
Não!
Engravidei antes da passagem de modelos de final de curso e nunca cheguei a ser manequim, nem a recuperar o meu rico dinheirinho.
Mas nem tudo foram espinhos e aprendi algumas coisas interessantes que hoje ainda me dão bastante jeito.

Se as minhas colegas me impressionavam, as meninas/mulheres que não têm no horizonte ser manequins, e que vivem amarradas a um estereótipo de beleza, que de beleza nada tem, ainda me impressionam mais... 
O culto do corpo esquelético e sem formas, que exige uma vida anoréctica, a privação constante de pequenos prazeres e litradas de suor despendidas sem paixão, para o manter, aflige-me, e muito!

Será que não percebem que, tal como um monte de banha, um monte de ossos não é bonito?

Atenção, não tenho nada contra quem é magra ou gorda por natureza, ou contra quem engorda ou emagrece por culpa de um sistema nervoso alterado, mas condicionar-se uma vida para se atingir um nível de beleza, que nem sequer é bonito... Sofrer-se a rodos em prol de algo tão ilusório, e palerma, como igualar-se a um esqueleto andante, definitivamente, ultrapassa-me!

Imagem retirada da Internet

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…