Avançar para o conteúdo principal

Arte

Num destes fins-de-semana, fomos ao Museu Berardo tirar a barriga de misérias culturais. Queríamos ver a exposição do BES Photo.
Gostamos de fotografia, por isso, tudo o que são exposições da dita cuja, lá estamos nós, mas o J. anda a perder a paciência para tanta fotografia. Então, quando o informámos que íamos ver mais uma, disse:
-Não!!!! Não quero ir, já estou farto de ver fotografias!
Ao que nós respondemos:
-Mas nós não e como não podes ficar em casa sozinho, vens connosco!

E lá fomos nós, com ele todo chateado...
Quando chegámos, ficou mais animadito. Apesar de estar farto de fotografias, diverte-se sempre que vamos ao Museu Berardo.
Vimos a exposição de fotografia num instante, eu e ele, porque o pai demora mais um bocadinho, devido a ser o apreciador-mor da coisa.

De seguida, fomos ver a exposição permanente. Mal entrámos, o J. diz:
-Isto sim, já gosto de ver. Eu gosto é de arte!
Ainda tentei explicar-lhe que a fotografia também é uma forma de arte, mas não adiantou grande coisa, para ele, ver fotografias só vale a pena se o fotografado for (adivinhem) ...
... ele próprio.

Na exposição permanente, cada quadro colorido que observámos, ele dizia "olha, este ficava bem na nossa sala", "este punha-o no corredor", "quero este para o meu quarto".

Quando chegámos a uma escultura, instalação, ou lá o que é aquilo, que consiste num frigorífico todo amachucado por calhaus que lhe foram atirados (pode-se ver um vídeo que demonstra como chegaram àquela peça divinal), o J. pára e fica a ver.
-Gosto desta! - diz.
-Eu não, não acho piada nenhuma...
-Vamos ficar a ver.
Ficámos, um bocadinho, porque eu não tenho paciência para ficar dez minutos a ver dois gajos a atirarem pedras a um frigorífico e, ainda por cima, já tinha sido enganada uma vez em que aturei o vídeo até ao fim.
Seguimos para a próxima, e para a próxima, e para a próxima... Cada peça que víamos, o J. inventava uma utilidade para ela...
-Esta podia ser uma pista de carros... Aqui, podíamos pôr as pessoas a assistir à corrida, os carros andavam às voltas... Não era giro, mãe?
-E estas luzes? São giras não são, mãe?
-Gosto desta, é tão grande!

Seguimos para a próxima exposição, Propaganda de Guerra.
Explicámos ao J. o que tratavam os cartazes de propaganda de guerra, contámos-lhe o que foi a 2ª Guerra Mundial e apresentámos-lhe o Hitler. Ele, todo interessado, fazia perguntas atrás de perguntas...
-Se eu visse o Hitler, sabem o que lhe fazia? Dava-lhe um murro assim, outro assim e outro assim! Só me apetece rasgar estas fotografias todas dele!
O rapaz saiu da exposição transformado num verdadeiro membro da Resistência, pronto a combater contra o primeiro Nazi que lhe aparecesse à frente.

Realmente, a arte faz mesmo mal às criancinhas, dá-lhes informação, conhecimento, espírito crítico e transforma-as em pequenos demónios que até usam a cabeça para pensar sobre as coisas...
Acho muito bem que, neste país, não se aposte nada nas diversas formas de arte, nem na cultura de um modo geral. Caso contrário, correríamos o risco de torná-lo num país de gente que pensa e, quando as pessoas pensam são um perigo, porque até podem vir com aquelas ideias de revoltas ou outras assim do género...
E um governo consciencioso, deve temê-las, e muito!!!!

Comentários

  1. Gostei. As crianças devem lidar com a cultura, deve-se até forçar um pouquinho, até porque elas são impacientes e acabam por achar chato. o teu filhote vai ficar um esperto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu filho até pode não ficar um esperto, mas eu vou ficar com a consciência tranquila por lhe ter fornecido todas as "armas" ao meu alcance para que ele ficasse...
      ;)
      Bjs

      Eliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…