Avançar para o conteúdo principal

Polícias

Ontem, li um texto no Facebook, supostamente (por não estar devidamente identificado) escrito por um polícia. Esse texto fez-me pensar na maneira como as pessoas olham para as nossas forças policiais...

Conheço polícias de várias espécies. Tal como em todas as profissões, existem polícias bons e polícias maus, pois existem pessoas boas e pessoas más.
Os polícias são, antes de serem polícias, pessoas e, como tal, não formam uma classe homogénea. 
Estas pessoas têm como principal função proteger-nos e penso que devem ser, especialmente, respeitadas por isso.

Vejo, e oiço, muita gente dizer "esses brutos", "são umas bestas", "pensam que mandam em nós", "estão sempre a ver se apanham uma pessoa em falta", "são uns corruptos", "armam-se em cowboys", "não fazem nada e depois só apanham os criminosos pequenos", "estão sempre à espera de uma desculpa para exercerem a força e mostrarem que são homens " e mais uma quantidade imensa de ofensas gratuitas...

Se, em certos casos, isto é verdade, na maioria dos casos, isto é uma tremenda injustiça!

Os polícias arriscam a vida para nos defenderem, para fazerem cumprir a lei que o Estado (todos nós), através dos sucessivos governos que elegemos, instituiu; prendem criminosos que são postos logo em liberdade, devido a um qualquer vazio legal; trabalham horas a fio em horários malucos; recebem mal; não têm condições de trabalho para o risco que correm; não têm material que funcione em condições; pagam as fardas e as amolgadelas que as viaturas policiais possam sofrer durante o exercício das suas funções; muitos, só dispararam uma arma no curso, pois não têm possibilidades de voltar a treinar o tiro e não conhecem as armas que possuem, pois nunca dispararam com elas; se falham ou cometem um erro estão automaticamente metidos em graves sarilhos...

Penso que há quem ainda olhe para os polícias como se fossem agentes da PIDE e tenha tendência a opor-se-lhes, logo à partida e, também penso que há quem ache que, por já não existirem agentes da PIDE, pode desrespeitar, enxovalhar, ofender e desafiar a polícia.

Os polícias são agentes da autoridade, por isso têm que ter autoridade, certo? Ou preferiam que eles não tivessem armas e que não fizessem nada quando nos vissem a sermos assaltados, violados, ameaçados e em perigo?

Acho piada a alguns pseudo-intelectuais, da nossa praça, que dizem mal dos policias "à boca cheia", que usam, com perverso agrado, uma das frases que referi, ali em cima, para os caracterizar e que, ao lhes ser roubada a mais pequenina coisa, ligam logo à polícia a exigirem que apanhem a todo o custo e, de preferência, à força, o safado do pobre que lhes roubou 1€ para comprar comida. Acho piada à transmutação de convicções e ideais que sofrem repentinamente e, ainda acho mais piada, quando vejo que a sua orgulhosa pseudo-intelectualidade permite que sejam tão burros ao ponto de perderem a coerência!

E sim, às vezes, sou má e não tolero cretinices!

Comentários

  1. Mammy, subescrevo cada palavrinha que escreveste e sabes porquê?! Porque tudo isso é verdade!
    E sim, se o polícia actua é porque abusou da autoridade, se não actua é porque são uns calões que não fazem nada...
    Eu tenho um em casa (costumo dizer que «durmo com a autoridade») e sei ainda melhor como as coisas se passam na realidade. E há coisas que ninguém sequer sonha... se lhes dissessem não acreditariam!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…