Avançar para o conteúdo principal

Justiças e Injustiças

Imagem retirada da Internet

Detesto injustiças! Detesto mesmo! Talvez seja por isso que sofro de uma honestidade parva e doentia.
É verdade, que tenho melhorado um pouco, já não sou tão parva nem tão honesta. A vida tem-me ensinado que honestidade desta só me prejudica e que, além de me prejudicar, também não beneficia ninguém. Apenas me prejudica...
Não passei a dizer mentiras, não! Continuo honesta, especialmente comigo mesma. Passei apenas a omitir algumas verdades, para não me lixar.
Também não passei a cometer injustiças a torto e a direito, passei tão só a deixar que acontecimentos (que são justos para mim, são sempre injustos para alguém) me beneficiem. Passou a ser uma questão de sobrevivência. Não podia continuar a prejudicar-me em prol de uma justiça utópica, não podia continuar a deixar que o justo para os outros, fosse injusto para mim...
Pode não ser a atitude mais certa, mais honesta, ou mais justa, mas bater em mim, para não bater nos outros é uma completa estupidez. E eu optei por deixar de ser estúpida (pelo menos no que diz respeito a este assunto).

Pergunto-me, vezes sem conta, como poderei preparar o meu filho para as injustiças da vida, pergunto-me, porque eu ainda não sei se eu estarei preparada para elas, porque ainda não sei se eu saberei realmente lidar com elas...
Ele, com esta idade, já tem sido alvo de algumas... Porém, ainda não se apercebe da dimensão de todas elas, felizmente...

Deverei ensiná-lo a lutar pela mesma justiça utópica que eu tenho vindo a abandonar? Ou deverei ensiná-lo a ser imune aos efeitos nefastos das injustiças?
Qual destas hipóteses o fará mais feliz? 
Talvez um pouco das duas, não sei...
Quais são os critérios que lhe poderei transmitir para que distinga uma da outra, para que opte sempre (ou quase sempre) pela mais correcta? E onde está o limite que separa a luta pela justiça e a indignação perante as injustiças, de uma batalha inglória e penosa que nos desfere golpes, atrás de golpes e nos magoa de morte?

Quem me dera saber...

Comentários

  1. Não suporto a injustiça! Mas acho que tens razão no que dizes, para sobreviver neste mundo é melhor omitir, fechar os olhos em algumas coisas...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…