Avançar para o conteúdo principal

Extremismos

Já o disse aqui e volto a repetir: Detesto extremismos!
As pessoas extremistas são cegas de um olho.
O outro olho, o que ainda vê alguma coisa, enxerga mal, muito mal e a má visão é agravada pelo estrabismo do olho vidente, que só as deixa ver em determinada direcção.

Os extremistas, estejam de que lado estiverem, só têm a percepção do outro extremo para o tentarem aniquilar ou converter, converter aos seus ideais, que são, geralmente, qualquer coisa tendencialmente fundamentalista. A intenção dos extremistas não é mudar nada e, se alguma vez vos disseram isso, enganaram-vos.
Os extremistas fazem-me lembrar aquelas pessoas que não viram a medalha por não quererem ver o seu reverso e, que quando o fazem, fazem-no muito discretamente para ninguém notar e cheias de medo de passarem a gostar mais da face inversa.

Ontem, assisti a imensas discussões, no Facebook e no Twitter, sobre a carga policial infligida a jornalistas e manifestantes e fiquei com aquela sensação estranha que estas discussões não servem para outra coisa senão para as pessoas se agredirem mutuamente (neste caso, apenas de uma forma verbal e virtual, mas aposto que se estivessem cara-a-cara, de certeza que continuariam os confrontos que a polícia e os manifestantes deixaram a meio!).
(Pensando bem, talvez assim até seja melhor, pois todos podem expiar as suas frustrações sem falarem alto, nem derramarem sangue, o que nos poupa a alguma poluição sonora e torna tudo muito mais higiénico.)

Nas ditas discussões, os apoiantes dos manifestantes desataram num disparate de ofensas aos polícias. Por sua vez, os apoiantes da polícia (alguns deles declaradamente polícias), desataram num disparate de argumentos para justificar o injustificável.

A violência desmesurada não tem justificação possível em nenhum dos extremos da barricada. Nem do lado dos manifestantes, que atiram pedras e ofendem as forças policiais, nem do lado da polícia, que lhes responde com pontapés e bastonadas a torto e a direito.

Não consigo defender ninguém, sem os defender a todos, tal como não consigo apontar o dedo a uns, sem apontar o dedo aos outros.

Lembro que a polícia, apesar de dar a cara pelo governo que a comanda, é constituída por homens e mulheres igualmente descontentes com a situação que o país atravessa e relembro as várias lutas que a PSP tem travado pelos seus direitos, sem ser atendida. E, como homens e mulheres limitados, das mais variadas formas, ao poder de contestação, também sentem revolta e indignação, que muitas vezes se reflectem em atitudes grosseiras e abusivas.

Os manifestantes, portadores de todo o legítimo direito a manifestarem-se, não devem, em caso algum, ser agredidos, física ou psicologicamente, pelas forças policiais, muito menos da forma grotesca como foram.

Os jornalistas, para fazerem o seu trabalho, estão bem no centro da batalha, e é ali que devem estar, pois só ali podem testemunhar os acontecimentos e as movimentações de ambos os lados. Eles arriscam-se (tal como os seus colegas especializados em guerras se arriscam a levar um tiro, com uma granada ou a pisarem uma mina) a levar uma bastonada, com uma pedra da calçada ou uma chávena de café na cabeça.
Eu acho que a grande nobreza desta profissão situa-se precisamente no risco que correm para nos informarem e para denunciarem as atrocidades cometidas por este mundo fora.

Se os polícias agiram mal, que agiram, os manifestantes também não se portaram muito bem, pois atirar pedras, chávenas de café, ou ovos não me parece que contribua positivamente para se fazerem ouvir.
E os jornalistas? Esses arriscam-se.

É por assistir a este tipo de debates que acho que o extremismo é contra-evolução e que quem só vê um lado da questão, não vê a questão toda e nunca lhe conseguirá dar uma resposta à altura.

Por fim, não quero abandonar este texto, sem antes lembrar o seguinte:
Enquanto andam todos distraídos à sapatada uns aos outros - manifestantes e seus defensores contra polícias e seus defensores - o governo continua a olhar-nos, lá bem de cima, com ar altivo, a fazer das nossas vidas o que bem entende, a tirar-nos A TODOS direitos e, sem dúvida, a pensar "que estúpido é este povo!".
E eu não lhe posso tirar a razão, porque enquanto o povo não se unir pelo bem COMUM, não deixará de ser, um tanto ou quanto, estúpido!

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…