Avançar para o conteúdo principal

Desafio da Naná

A Naná do blogue Arrifanasea lançou-me este desafio que tem como propósito contar 11 factos aleatórios sobre mim e responder a mais 11 perguntas da Naná.
Obrigada por me escolheres e desculpa o atraso, Naná!

Aviso já que não vou responder a todas as perguntas com a mesma seriedade para vocês não ficarem a saber tanto quanto eu e para este blogue continuar a ter algum interesse (por mais minúsculo que ele seja, o interesse, claro). 
11 factos aleatórios sobre mim:
  1. O peixe de que menos gosto é o bacalhau. Verdade, verdadinha! (Portuguesa má!)
  2. Tenho nojo dos cabelos que tiro da escova depois de me pentear. (Traumas da quimio!)
  3. Detesto que me toquem enquanto falam comigo. Quando me dão aquelas cotoveladinhas irritantes, só me apetece esmurrar o meu interlocutor.
  4. Os meus pés cresceram durante a gravidez, passei de sapatos 39/40 para 41. Este facto, impede-me de arranjar sapatos "à senhora". (E aqui que ninguém nos ouve, ainda bem! Thank you, big feet!)
  5. Adoro chá, de todos os tipos e feitios. Bebo litradas dele, se me deixarem!
  6. Não sei desenhar, faço desenhos miseráveis!
  7. Prefiro pessoas assumidamente antipáticas a pessoas cínicas.
  8. Em adolescente, havia uma pessoa que me chamava peixe-espada por eu ser chata e comprida.
  9. A minha vida sexual é um mundo! (Será esta afirmação verdade ou estará aqui só para eu parecer uma pessoa mais interessante e chegar o mais depressa possível ao 11º facto?)
  10. Detesto música pimba!
  11. Sou impossível de aturar quando tenho fome, frio ou sono. Acho que já tinha dito isto, mas não vou tirar, pois agora já só me falta responder às perguntas! (Com esta última afirmação, não se ficaram a perguntar se o facto nº 9, não será na realidade uma tremenda mentira?) 
As perguntas da Naná:
1. se pudesses beijar alguém inacessível, quem seria? O meu avô.
2. passaste no exame de condução à primeira? Of course! Mas no de código...
3. se pudesses alterar alguma coisa na tua vida, o que seria? Gostava de ter saúde para dar e vender. Venderia alguma, cara, bem cara, ao sr. Ministro da Saúde, só para ele sentir na pele a boa porcaria que anda a fazer.
4. mel ou açúcar? Definitivamente, mel.
5. com quem nunca casarias? Não gosto de casamentos, acho que não são importantes e que qualquer ligação com amor é mera coincidência. Casei-me para legalizar uma situação que seria igualmente boa se continuasse ilegal. 
6. se ficasses sem um sentido (visão, olfacto, audição, tacto, paladar), qual deles preferias perder? Não preferia perder nenhum sentido, se pudesse escolher...
7. já traíste alguém? Trair é uma palavra muito forte, não é?
8. se pudesses ser uma estrela de cinema por um dia, quem quererias ser? Ninguém, ser estrela de cinema não faz parte das minhas aspirações.
9. qual o desporto que mais detestas? Boxe. Acho estúpido ver dois estúpidos a esmurrarem-se estupidamente.
10. carro de sonho? Não gosto de carros, prefiro motas e cavalos.
11. história infantil preferida? A minha.

E, só não vou formular perguntas para vocês responderem, porque, sinceramente, prefiro conhecer-vos devagarinho e através dos posts que vão publicando nos vossos blogues.

Comentários

  1. Eu gostei muito de te conhecer um pouco melhor :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Aahahahahah... valeu bem a pena desafiar-te!

    ResponderEliminar
  3. Concordo contigo, conhecer devagarinho... nas entrelinhas ... é mais interessante


    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…