Avançar para o conteúdo principal

Desafio da Naná

A Naná do blogue Arrifanasea lançou-me este desafio que tem como propósito contar 11 factos aleatórios sobre mim e responder a mais 11 perguntas da Naná.
Obrigada por me escolheres e desculpa o atraso, Naná!

Aviso já que não vou responder a todas as perguntas com a mesma seriedade para vocês não ficarem a saber tanto quanto eu e para este blogue continuar a ter algum interesse (por mais minúsculo que ele seja, o interesse, claro). 
11 factos aleatórios sobre mim:
  1. O peixe de que menos gosto é o bacalhau. Verdade, verdadinha! (Portuguesa má!)
  2. Tenho nojo dos cabelos que tiro da escova depois de me pentear. (Traumas da quimio!)
  3. Detesto que me toquem enquanto falam comigo. Quando me dão aquelas cotoveladinhas irritantes, só me apetece esmurrar o meu interlocutor.
  4. Os meus pés cresceram durante a gravidez, passei de sapatos 39/40 para 41. Este facto, impede-me de arranjar sapatos "à senhora". (E aqui que ninguém nos ouve, ainda bem! Thank you, big feet!)
  5. Adoro chá, de todos os tipos e feitios. Bebo litradas dele, se me deixarem!
  6. Não sei desenhar, faço desenhos miseráveis!
  7. Prefiro pessoas assumidamente antipáticas a pessoas cínicas.
  8. Em adolescente, havia uma pessoa que me chamava peixe-espada por eu ser chata e comprida.
  9. A minha vida sexual é um mundo! (Será esta afirmação verdade ou estará aqui só para eu parecer uma pessoa mais interessante e chegar o mais depressa possível ao 11º facto?)
  10. Detesto música pimba!
  11. Sou impossível de aturar quando tenho fome, frio ou sono. Acho que já tinha dito isto, mas não vou tirar, pois agora já só me falta responder às perguntas! (Com esta última afirmação, não se ficaram a perguntar se o facto nº 9, não será na realidade uma tremenda mentira?) 
As perguntas da Naná:
1. se pudesses beijar alguém inacessível, quem seria? O meu avô.
2. passaste no exame de condução à primeira? Of course! Mas no de código...
3. se pudesses alterar alguma coisa na tua vida, o que seria? Gostava de ter saúde para dar e vender. Venderia alguma, cara, bem cara, ao sr. Ministro da Saúde, só para ele sentir na pele a boa porcaria que anda a fazer.
4. mel ou açúcar? Definitivamente, mel.
5. com quem nunca casarias? Não gosto de casamentos, acho que não são importantes e que qualquer ligação com amor é mera coincidência. Casei-me para legalizar uma situação que seria igualmente boa se continuasse ilegal. 
6. se ficasses sem um sentido (visão, olfacto, audição, tacto, paladar), qual deles preferias perder? Não preferia perder nenhum sentido, se pudesse escolher...
7. já traíste alguém? Trair é uma palavra muito forte, não é?
8. se pudesses ser uma estrela de cinema por um dia, quem quererias ser? Ninguém, ser estrela de cinema não faz parte das minhas aspirações.
9. qual o desporto que mais detestas? Boxe. Acho estúpido ver dois estúpidos a esmurrarem-se estupidamente.
10. carro de sonho? Não gosto de carros, prefiro motas e cavalos.
11. história infantil preferida? A minha.

E, só não vou formular perguntas para vocês responderem, porque, sinceramente, prefiro conhecer-vos devagarinho e através dos posts que vão publicando nos vossos blogues.

Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…