Avançar para o conteúdo principal

Alimentar o Monstro

Estou chocada! 
Acreditam que ontem ouvi a história de um miúdo de 8 anos (leram bem, 8 anos) que ainda usa chucha para dormir e que deixou de dormir na cama dos pais há 6 meses?
Pois eu nem queria acreditar! 
Ainda perguntei à mãe, a medo, se não havia maneira da chucha desaparecer. Ao que ela me respondeu " Ah, nem fazes ideia como ele fica, não dorme a noite toda, nem nos deixa a nós dormir, e ainda por cima, tem duas chuchas!".
"Oh!", saiu-me. 
Ainda tentei dar o exemplo do meu filho que nunca dormiu na nossa cama, deixou de dormir no nosso quarto com 6 meses e largou a chucha de um dia para o outro, tudo isto pacificamente, mas ela estava tão decidida que aquele era um problema completamente insolúvel que nem me ouviu.
"Mas... e se lhe explicassem?", tentei eu mais uma vez.
"Não dá, é impossível, ele não consegue dormir sem a chucha!"

Desisti! Aquele era o grande problema dela e ela não abriria mão dele de jeito nenhum. Qualquer solução que lhe apresentasse seria imediatamente rejeitada em prol do seu drama. Deixei-a dramatizar, largando uns "sim...", "pois...", "realmente é terrível!".

Que há a fazer quando as pessoas gostam de alimentar os seus problemas para que eles se tornem, cada vez mais gordinhos, anafadinhos, e de preferência, insolúveis?
Ajudá-las a alimentar o monstro!
E eu lá fui dando umas bolachinhas ao seu monstro com todo o carinho e dedicação possíveis, assentindo com a cabeça às queixas sobre as suas dificuldades e atirando uns "hum, hum", "claro", "certamente" para que se sentisse apoiada.

Mas depois fiquei a pensar ("lá está ela a pensar outra vez, mas que raio de mania!") que o que me parece mais dramático nisto tudo, é que o problema dela, não é só dela, é principalmente do filho, que aos 8 anos, não consegue dormir sem chucha; que aos 8 anos, tem uma dependência da chucha e dos pais, que já não devia ter; que aos 8 anos, não o ajudam a crescer, porque não lhe sabem dizer "não" ou porque querem fazer parecer que lhe consentem tudo.

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…