Avançar para o conteúdo principal

A Adolescente Rebelde Que Ainda Há em Mim

Não sou de desrespeitar gratuitamente as pessoas. Considero-me uma pessoa educada o suficiente para não cair em parvoíces de ofender os outros por "dá cá aquela palha".
No entanto, em adolescente, era frequentemente alvo de piropos nojentos e ofensivos, especialmente vindos das bocas dos trabalhadores das obras. Talvez, por sempre ter sido alta, talvez por ser loira, talvez pelas duas razões ou talvez por nenhuma delas... 
Não sei, mas lá que gostavam de me chatear, gostavam!

Eu tinha a mania que era rebelde e, como eles me ofendiam, eu ofendia-os a eles (ou tentava). Respondia-lhes "vai p'ró caral...!", "Vou ali vomitar-te num instantinho, seu monte de mer...!" e coisas do género, cheias de palavrões...

Hoje, os homens das obras são, maioritariamente, ucranianos (muito mais educados do que os portugueses e fartos de ver gajas altas e loiras). 
Hoje, os homens das obras de antigamente estão vestidos de fato e gravata, à porta de um qualquer escritório; sentados num café, a ver um jogo de futebol e em amena cavaqueira "à macho"; dentro de um carro desportivo, cheio de luzinhas azuis ou noutro sítio qualquer do seu agrado, mas já não estão nas obras.
Hoje, eu sou mais velha e imponho mais respeito (digo eu!) ou então tenho menos atributos que lhes agradem (felizmente!).

Mas hoje, a adolescente rebelde adormecida que ainda há em mim, despertou. E quando eu estava dentro do carro, com uma bolacha na boca, a fazer manobras, um rapaz, que me fez lembrar os homens das obras de antigamente, olhou para mim insistentemente, com aquele olharzinho nojento que eu tão bem conheço, e saiu-me instantaneamente um "O que é que foi, ó palhaço?".

Confesso que já tinha saudades de despejar a minha fúria num cretino qualquer! 
Obrigada, soube-me tão bem, ó palhaço!

Comentários

  1. Tunfas! e é dia da mulher! Podias acrescentar "Olha que eu tenho tio ó palhaço" eh eh eh eh!

    ResponderEliminar
  2. Ahahahahah... mas olha que eu trabalhei 8 anos nas obras e não tive piropos nenhuns desses... havia respeitinho!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…