Avançar para o conteúdo principal

Toda a Regra Tem Excepção

(Este post vem a propósito DESTE).

Se há coisas de que não prescindimos, nesta casa, é de regras, mas também não prescindimos das excepções à regra. Se as regras são de uma importância incontestável na educação das crianças, as excepções também o são.
É claro, que as excepções nunca se podem tornar na regra, pois aí tudo se inverte, mas se não houver excepções, a regra nunca será encarada como regra. Está um pouco confuso, não?

O quero dizer com esta conversa toda de regras e excepções, é que se não dermos a devida importância às excepções, as regras deixam de ter qualquer valor.

Não podemos entupir as crianças de regras sem as contemplarmos com as excepções.
Por exemplo: Se têm que lavar os dentes todos os dias, pode haver uma vez ou outra que não precisam de o fazer. Porque é tarde, porque estão cansadas, porque não lhes apetece, ou por outra razão qualquer.
A excepção vai confirmar e dar força à regra, e vai mostrar às crianças que tudo é volátil, negociável, maleável.
Crianças entupidas de regras são reprimidas, são nervosas, são medrosas. Ficam com receio de falhar, de desiludir, perdem espontaneidade e até, responsabilidade.
Claro que temos que ser nós, os pais, a ditar as excepções, porque também somos nós que ditamos as regras. Se não for assim, gera-se a anarquia total, e crianças anárquicas é coisa que não resulta, porque ainda não têm capacidade para decidir, porque ainda não têm conhecimento de si próprias e do mundo que as rodeia para que possam decidir.

Sempre que oiço dizer "elas precisam é de regras", "têm que saber que as regras são para cumprir", concordo. Digo "sim, é verdade, mas também precisam de outras coisas que as regras não contemplam, precisam saber que têm que ser responsáveis na medida certa, precisam aprender a diferenciar as situações, que o certo numa determinada altura, pode ser errado noutra, precisam de crescer".

E crescer é aprender a viver, não é ser sufocado por obrigações, é ser livre e aprender a gerir a liberdade, e a liberdade gere-se quando há regras, mas especialmente quando há excepções!

Comentários

  1. Concordo contigo em tudo, o dificil é definir as regras e qdo podemos fazer as excepções ás regras?!
    Tenho mtos receios de não estar a fazer as coisas mais acertadamente, mas isso temos todas, acredito que qualquer Mãe preocupada tem medos e receios de não estar a fazer o certo, mas tbém já aprendi que nem tudo o que aparece no futuro depende de nós!

    Bjo
    Maggie

    ResponderEliminar
  2. É verdade, Maggie, não depende mesmo!
    A educação é um livro aberto, onde vamos escrevendo (nós, os filhos e a vida)uma história e onde vamos aprendendo com os nossos erros, com as nossas dúvidas e com as contrariedades que vão surgindo.
    A história está sempre em construção e nunca é uma narrativa fechada, a não ser quando a vida acaba.
    ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Concordo completamente...O problema de alguns pais é mesmo de se regirem por excepções e não por regras, dando liberdade em excesso aos seus filhos...Mas um bom equilíbrio entre as duas coisas é meio caminho andado para o sucesso na educação das crianças ;)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Concoedo a 100%
    As crianças não podem viver sobre regime militar, regras sim, fazem falta e educam para a vida, mas também é bom quebrar uma ou ourtra de vez em quando, desde que não sejam as da boa educação, na minha opinião a dos dentes é muito importante sim, mas é aquela que se for quebrada uma vez por outra não é grave, lá está como dizes, um dia que estejam cansados ou que simplesmente peçam sem fita

    ResponderEliminar
  5. bahh deixa-me ser criança..
    mas tens razao, tens razao..
    belo blog ja agora..

    ResponderEliminar
  6. Pretty in Pink,
    Acredito que seja no equilíbrio que está o sucesso da educação.
    Mas às vezes é tão difícil de o conseguir...
    Bjs

    Sara,
    Sem fita, claro! Ceder a uma fita é que não!É meio caminho andado para passarmos a ter fitas todos os dias!
    :)
    Bjs

    Otário,
    Deixo pois!
    Obrigada e benvindo!
    :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Mammy,
    concordo plenamente contigo e adoro a maneira fácil mas assertiva que educas o teu J. Por aqui tenho aprendido muito, já levas uns aninhos a mais de experiencia :)

    ResponderEliminar
  8. Mammy, concordo plenamente contigo! O difícil mesmo é por vezes sabermos encontrar um equilíbrio. Há coisas que comigo não têm excepção nunca e que se prendem com o respeito aos demais e à boa educação. Noutras coisas, por vezes há que ter uma certa flexibilidade, mas isso já depende de pais para pais.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…