Avançar para o conteúdo principal

O(s) Resto(s) do Mundo

Muito se tem falado, na comunicação social, dos idosos que morrem sozinhos em casa. 
Hoje, apetece-me falar sobre este assunto.


Os velhos deixaram de ter interesse para a sociedade. Economicamente, os velhos não produzem, não criam riqueza para o país, levam dinheiro do Estado em reformas (muitas delas miseráveis), em comparticipações nos medicamentos, em assistência médica. 
Como aqui não há uma tradição como a dos países orientais, em que se valoriza o conhecimento dos mais velhos, não há políticas que os protejam.
As famílias não têm dinheiro, tempo, nem disposição (leia-se vontade) para aturar os seus velhos. Já não precisam deles para comandar uma economia familiar, para tomar conta das crianças ou para que lhes ensinem coisas da vida. 
Os velhos são deixados de lado, postos de parte, atirados para um canto. Deixam-nos sozinhos em casa com a desculpa de que são eles que querem, enfiam-nos em lares, porque "ficam mais acompanhados com pessoas da mesma idade", permitem que se tornem mendigos.
Cuida-se das crianças porque simbolizam o futuro, mas não se cuida dos velhos porque já passaram à história.
Os velhos passaram a ser os restos do mundo!
Não têm qualquer interesse económico ou social? 
Então: LIXO!


Mas que raio de sociedade é esta, afinal? Valoriza-se a economia, valoriza-se uma estrutura social funcional e as pessoas, hã? E as pessoas?
Onde é que se encaixam as pessoas nesta história? São somente números que produzem números em euros, é? 
E o resto? E a humanidade, e a valorização do ser humano, e o respeito, e o amor? Não servem para nada? São meros adereços para embelezar o carro magnífico, a casa luxuosa, o plasma de 3mX3m, a carteira Louis Vuitton
Pode prescindir-se dos valores, das emoções, do respeito, dos sentimentos, mas não se pode prescindir de uma economia estável?
Podem-se abandonar os velhos para que não desestabilizem a sociedade? 
E que mais se pode fazer em nome do dinheiro? Hã?


Comentários

  1. É assustador a verdade que escreves e o filme que aqui colocaste. Acho que não nos podemos esquecer, que iremos chegar a velhos. Bj**

    ResponderEliminar
  2. Pois não, Tanita, o pior é que, às vezes, esquecemos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Por estes dias que correm cada vez tenho mais receio desta falta de valores, ou de valores invertidos da geração que se segue à minha e que em princípio será aquela que "tomará conta" de mim quando fôr velhota e reformada...

    ResponderEliminar
  4. Não acho que a falta de tempo e esquecimento não acontece apenas com os idosos, penso que acontece também com as crianças e com as pessoas mais frágeis/solitárias. Segundo a lei trabalhamos 8 horas diárias, mas na realidade são mais, mais o tempo que passamos de viagem casa-trabalho, trabalho-casa, mais o almoço que é feito na empresa ou num canto qualquer, acabamos por ocupar-nos apenas de algumas coisas deixando outras para trás. Infelizmente os que mais para trás ficam são os mais fracos, e se há famílias que se esforçam para tal não acontecer há outras que simplesmente não querem saber. Concordo com a Naná é uma questão de valores e educação, a única forma de tal não acontecer é na mudança de mentalidades.

    ResponderEliminar
  5. Art and Life,
    E a mudança de mentalidades é a mudança mais difícil de se conseguir!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…