Avançar para o conteúdo principal

O(s) Resto(s) do Mundo

Muito se tem falado, na comunicação social, dos idosos que morrem sozinhos em casa. 
Hoje, apetece-me falar sobre este assunto.


Os velhos deixaram de ter interesse para a sociedade. Economicamente, os velhos não produzem, não criam riqueza para o país, levam dinheiro do Estado em reformas (muitas delas miseráveis), em comparticipações nos medicamentos, em assistência médica. 
Como aqui não há uma tradição como a dos países orientais, em que se valoriza o conhecimento dos mais velhos, não há políticas que os protejam.
As famílias não têm dinheiro, tempo, nem disposição (leia-se vontade) para aturar os seus velhos. Já não precisam deles para comandar uma economia familiar, para tomar conta das crianças ou para que lhes ensinem coisas da vida. 
Os velhos são deixados de lado, postos de parte, atirados para um canto. Deixam-nos sozinhos em casa com a desculpa de que são eles que querem, enfiam-nos em lares, porque "ficam mais acompanhados com pessoas da mesma idade", permitem que se tornem mendigos.
Cuida-se das crianças porque simbolizam o futuro, mas não se cuida dos velhos porque já passaram à história.
Os velhos passaram a ser os restos do mundo!
Não têm qualquer interesse económico ou social? 
Então: LIXO!


Mas que raio de sociedade é esta, afinal? Valoriza-se a economia, valoriza-se uma estrutura social funcional e as pessoas, hã? E as pessoas?
Onde é que se encaixam as pessoas nesta história? São somente números que produzem números em euros, é? 
E o resto? E a humanidade, e a valorização do ser humano, e o respeito, e o amor? Não servem para nada? São meros adereços para embelezar o carro magnífico, a casa luxuosa, o plasma de 3mX3m, a carteira Louis Vuitton
Pode prescindir-se dos valores, das emoções, do respeito, dos sentimentos, mas não se pode prescindir de uma economia estável?
Podem-se abandonar os velhos para que não desestabilizem a sociedade? 
E que mais se pode fazer em nome do dinheiro? Hã?


Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

O Desprezo É A Melhor Arma

Não sou pessoa de dar desprezo a ninguém. Gosto de discutir, trocar ideias e pontos de vista e, por fim, de chegar a um consenso. Resolver a questão, arrumá-la ou atirá-la para trás das costas, porque a conversa nos iluminou os pensamentos difusos. Mas há pessoas, com as quais isso não é possível. Facto este, que me chateia particularmente... Gostava de conseguir esclarecer assuntos que acabam por ficar no ar e que geram mal-entendidos. Mas nem sempre consigo. Muitas vezes, não consigo. Ou porque a outra parte não está para aí virada, ou, pura e simplesmente, porque a única coisa que está disposta a ouvir é a sua própria voz. Tenho que admitir que, nestes casos, a melhor arma é o desprezo. Se o principal objectivo do nosso interlocutor é magoar-nos, enxovalhar-nos ou obrigar-nos a admitir que a razão nunca o abandona, não há matéria para discussão, nem vontade... Resta, apenas, o desperdício do nosso latim, atirado, com força, contra uma parede maciça, que acaba por o fazer evaporar …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!