Avançar para o conteúdo principal

Espírito Graxista

Imagem retirada da Internet

Há por aí muita coisa de que não gosto, que me irrita, que me indigna, que me põe fora de mim e o espírito de graxista de certas pessoas é definitivamente uma delas, que ainda por cima, conjuga todas estas minhas três neuroses.

Detesto o espírito graxista dos portugueses em relação aos estrangeiros, detesto o espírito graxista das pessoas que, ao serem contrariadas nas suas afirmações, começam num disparate de elogios ao seu interlocutor para o "amansar" e ganharem vantagem num qualquer debate. Acho que é uma característica baixa, vil, lambe-botas, de falsa subserviência (não que eu aprove a verdadeira subserviência), de carácter duvidoso e de personalidade medíocre.

Na minha humilde opinião, as pessoas devem responsabilizar-se pelo que dizem, devem defender os seus pontos de vista com coerência e determinação e não utilizar estratégias de marketing pessoal de baixo gabarito. 
O espírito graxista não abona, em nada, a impressão que os outros têm de nós, antes pelo contrário, ridiculariza-nos e diminui-nos aos seus olhos. Lamber o ego dos outros é triste, reduz-nos, e dá espaço a alimentarem-se relações fictícias baseadas em algo artificial, plástico e frágil, muito frágil.

Não sou contra elogiarem-se os outros, até sou muito a favor, mas acho que só faz sentido se for genuíno, puro, despretensioso. Caso contrário, soa-me a palhaçada. Também não tenho nada contra os palhaços, mas não gosto muito de me relacionar com eles (desde pequena que caras pintadas que escondem emoções me afligem). Gosto de ler nas expressões faciais e no tom de voz o que é proferido por palavras, para mim, é um conjunto que não deve ser separado, pois perde autenticidade e verdade. E o espírito graxista é isso, a ocultação da verdade através de manobras de diversão, ou melhor, de distracção. É distrair-se o outro com ele próprio para que não repare muito em nós e não nos julgue. Mas sermos julgados é bom, pois leva a que sejamos interpretados e sermos interpretados leva a que sejamos entendidos e respeitados.

"Penso eu de que..."

Comentários

  1. Não será hipocrisia da parte das pessoas? Eu sinto alguma tristeza por encontrar cada vez mais gente como as que define.
    Aracinho meu!

    ResponderEliminar
  2. Acho que talvez seja hipocrisia de algumas pessoas, doutras acho que não passa de uma estratégia para "amansar feras". :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Acho que hoje em dia vê-se muito o que aqui falas. Especialmente com a crise, hoje em dia para conseguir um trabalho um cliente, seja o que for, vale tudo.

    ResponderEliminar
  4. Art and Life,
    Oh, mas eu não estou a falar só nas relações profissionais, essas são as que menos me preocupam, pois já são na sua grande maioria "relações fictícias, baseadas em algo artificial, plástico e frágil".

    São as relações pessoais cheias de espírito graxista, as que mais me atormentam! Estas não se justificam de maneira nenhuma, estas são as que mais nos reduzem...
    :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Mammy eu tento evitar nas relações pessoais, sinceramente cada vez a paciência é menos. Infelizmente nem sempre é possivel:/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…