Avançar para o conteúdo principal

Espírito Graxista

Imagem retirada da Internet

Há por aí muita coisa de que não gosto, que me irrita, que me indigna, que me põe fora de mim e o espírito de graxista de certas pessoas é definitivamente uma delas, que ainda por cima, conjuga todas estas minhas três neuroses.

Detesto o espírito graxista dos portugueses em relação aos estrangeiros, detesto o espírito graxista das pessoas que, ao serem contrariadas nas suas afirmações, começam num disparate de elogios ao seu interlocutor para o "amansar" e ganharem vantagem num qualquer debate. Acho que é uma característica baixa, vil, lambe-botas, de falsa subserviência (não que eu aprove a verdadeira subserviência), de carácter duvidoso e de personalidade medíocre.

Na minha humilde opinião, as pessoas devem responsabilizar-se pelo que dizem, devem defender os seus pontos de vista com coerência e determinação e não utilizar estratégias de marketing pessoal de baixo gabarito. 
O espírito graxista não abona, em nada, a impressão que os outros têm de nós, antes pelo contrário, ridiculariza-nos e diminui-nos aos seus olhos. Lamber o ego dos outros é triste, reduz-nos, e dá espaço a alimentarem-se relações fictícias baseadas em algo artificial, plástico e frágil, muito frágil.

Não sou contra elogiarem-se os outros, até sou muito a favor, mas acho que só faz sentido se for genuíno, puro, despretensioso. Caso contrário, soa-me a palhaçada. Também não tenho nada contra os palhaços, mas não gosto muito de me relacionar com eles (desde pequena que caras pintadas que escondem emoções me afligem). Gosto de ler nas expressões faciais e no tom de voz o que é proferido por palavras, para mim, é um conjunto que não deve ser separado, pois perde autenticidade e verdade. E o espírito graxista é isso, a ocultação da verdade através de manobras de diversão, ou melhor, de distracção. É distrair-se o outro com ele próprio para que não repare muito em nós e não nos julgue. Mas sermos julgados é bom, pois leva a que sejamos interpretados e sermos interpretados leva a que sejamos entendidos e respeitados.

"Penso eu de que..."

Comentários

  1. Não será hipocrisia da parte das pessoas? Eu sinto alguma tristeza por encontrar cada vez mais gente como as que define.
    Aracinho meu!

    ResponderEliminar
  2. Acho que talvez seja hipocrisia de algumas pessoas, doutras acho que não passa de uma estratégia para "amansar feras". :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Acho que hoje em dia vê-se muito o que aqui falas. Especialmente com a crise, hoje em dia para conseguir um trabalho um cliente, seja o que for, vale tudo.

    ResponderEliminar
  4. Art and Life,
    Oh, mas eu não estou a falar só nas relações profissionais, essas são as que menos me preocupam, pois já são na sua grande maioria "relações fictícias, baseadas em algo artificial, plástico e frágil".

    São as relações pessoais cheias de espírito graxista, as que mais me atormentam! Estas não se justificam de maneira nenhuma, estas são as que mais nos reduzem...
    :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Mammy eu tento evitar nas relações pessoais, sinceramente cada vez a paciência é menos. Infelizmente nem sempre é possivel:/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…