Avançar para o conteúdo principal

Epá, Será Que Estou a Ficar Importante?




A Benedita, do blogue Aqui me Confesso!..., ofereceu-me este selo, que eu recebo toda contentinha e orgulhosa (pelo selo em si e por me ter sido oferecido por ela!). 
Gracias, Benedita!

Depois de o receber, devo:
  1. Responder às perguntas;
  2. Passar a 10 blogues.
Eu sou: Eu, definitivamente eu!

Gosto Musical: Variado. Gosto de grunge, heavy metal, punk, jazz, música clássica, brasileira, portuguesa, etc. Só não gosto muito de fado (shame on me!), deste tipo musical só consigo ouvir o Carlos do Carmo com real prazer.

Comida: Indiana.

Desenho: O Corto Maltese. Também adoro os desenhos do Keith Haring.

Amores da minha vida: O meu filho, o pai dele, a minha família, a minha égua.

Coisas que não gosto: São imensas, se me pusesse para aqui a enumerá-las vocês nunca mais cá vinham. No entanto, o número de coisas de que gosto é muito maior.

Opinião sobre o panorama sócio-político em Portugal: Rrrrrrrssssss$#"&(%/=)??»)(&&%$#"%!!!!!!!!

O que mais odeio: Gente parva.

Humor: Ahahahahahahahahahah!!!!!!!!

Frases mais ditas por mim: Quem é o menino mais lindo?

Informações pontuais sobre mim:

Nome: Mammy 

Signo: 
Caranguejo

Estás apaixonada? Estou!

Já fugiste de casa? Sim, quando tinha seis anos. Sentei-me do lado de fora da porta de casa, com a escova de dentes em punho, depois de ter dito aos meus pais "Vou-me embora!".

Ris-te de coisas bobas? Rio-me muito, das coisas bobas e das coisas não-bobas, estando incluídas algumas coisas sérias!

Já beijaste na chuva? Já beijei nos lugares mais estranhos...

Já tiveste o coração partido? Sim!

Já partiste o coração de alguém? Talvez!

Estás com saudades de alguém neste momento? Do meu avô!

Já pensaste em matar-te? Já!

O teu cabelo odeia-te? Acho que não. Nunca lhe perguntei...

Tens medo do escuro? Não.

Tens alguma tatuagem? Tenho. E um piercing...

Música: 

Lembraste dele quando ouves uma certa música? Lembro-me dele até no silêncio!

Já foste a um concerto da tua banda favorita? Já!

Qual a tua música favorita? Já disse no selo passado... Mas tenho mais algumas... Por exemplo: Otherside dos Red Hot Chili Peppers.

Cinema e Televisão:

Amas filmes românticos? Gosto, mas não é o tipo de filmes que mais aprecie.

Comédia ou terror? Comédia, só se for muito boa. Terror, nem pensar!

Qual a tua série preferida? Nenhuma.

Qual é o teu filme preferido? Muitos, mas o  Into the Wild é o meu filme, mais pela história do que pela qualidade do filme, apesar desta também ser bem boa.

Literatura:

Gostas de ler? Muito.

Qual foi o livro que marcou a tua vida? Foram dois. O Perfume e A Insustentável Leveza do Ser.

Qual o livro que odiaste ler? Ainda não o li. Quando vejo que não estou a gostar de ler um determinado livro, paro de ler antes de o acabar. 

10 Blogues:

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…