Avançar para o conteúdo principal

Do Desporto

Lembro-me que, na minha infância, os clubes e as associações desportivas incentivavam as crianças a praticarem desporto. Publicitavam a sua prática motivando as crianças, mostrando-lhes o prazer que poderiam ter com o exercício físico. 

Hoje, já não vejo isso, vejo clubes a espalharem panfletos dirigidos aos pais, não aos filhos, aliciando-os a inscreverem os pequenos em actividades que proporcionarão aos pais, não aos filhos, terem sucesso no desporto, através de uma pretensa carreira brilhante dos seus rebentos e da presença em eventos desportivos repletos de "estrelas-maravilha" do meio.

Hoje, há clubes que seleccionam as crianças logo à partida, que não lhes dão a possibilidade de experimentarem uma actividade se não tiverem os requisitos mínimos por eles estabelecidos, que lhes cortam as pernas e os excluem baseados em critérios tão ridículos como as características físicas de cada um. 
Não poderá uma criança gorda tornar-se num óptimo jogador de futebol, ou um miúdo baixo num esplêndido jogador de basquetebol? Não poderá o gordo emagrecer e o baixo crescer? São crianças e o seu estado é transitório, poderão manter ou não estas características depois de crescerem. Conheço pessoas que foram gordas, toda a sua infância e que, em adultos, têm corpos atléticos, conheço outras que foram sempre baixinhas até aos 12/13 anos e que, na adolescência, deram um pulo e tornaram-se altíssimas. Haverá o direito de os excluir por características que podem ser apenas transitórias? 

Não poderá o miúdo gordo, apesar da gordura, ser bom no futebol, se se conseguir mexer bem e souber marcar uns bons golos? Não poderá o baixo, apesar de pequeno, ser óptimo no basquetebol se conseguir levar a bola de um campo ao outro por entre os adversários mais altos? 
Faço estas perguntas com toda a ignorância desportiva que me acompanha, mas esta selecção excessiva assusta-me. Assusta-me roubarem-se sonhos e privarem-se as crianças de actividades que lhes dão prazer, assusta-me que as ponham a fazer desportos para único benefício e prazer dos clubes e dos pais, assusta-me a exclusão prematura por critérios pouco credíveis, assusta-me o desporto deixar de ser encarado desportivamente e passar a ser uma obrigação com um percurso tão rígido quanto o académico, assusta-me que se impeçam as crianças de serem crianças, assusta-me que neste mundo, no qual o meu filho está crescer, ainda exista uma Humanidade que não é realmente Humana...
Assusta-me!

Comentários

  1. O desporto move milhões, o que contas não surpreende, esse mundo está cheio de empresários sem escrúpulos que andam a ver se encontram o próximo Ronaldo para ganhar milhões. É triste porque não pensam que no meio dessa salgalhada toda estão crianças.

    ResponderEliminar
  2. Art And Life,
    Se fossem só os empresários não estaríamos tão mal...
    O pior é alguns pais esquecem-se da importância que tem os filhos divertirem-se nas actividades que frequentam e só pensarem em prepará-los para um futuro, por vezes, demasiado utópico.
    Bjs

    Cacarol,

    ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Tudo gira à volta do dinheiro... els nao querem pessoas... querem máquinas de fazer dinheiro...

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…