Avançar para o conteúdo principal

Sensibilidade

Eu não sou nenhuma especialista em crianças, mas sei distinguir uma criança de oito anos de uma de seis e sei perceber que as necessidades de uma, diferem das necessidades de outra, que a de oito tem uma capacidade de discernimento e compreensão que a de seis ainda não tem. Para isto, não é preciso ser-se nenhum expert em educação ou pedagogia, basta ter-se alguma sensibilidade.

É incrível como pessoas, que estudam para serem professoras, conseguem andar, anos a fio, a trabalhar sem se aperceberem que não podem exigir o mesmo a uma criança de seis anos que exigem a uma de oito. E pior, andam todos esses anos, convictas que são elas que estão certas, porque foram elas que estudaram e são elas que possuem o canudo que as certifica como especialistas na matéria. Mas o curso pode dar-lhes muitos conhecimentos, muita teoria, mas não lhes dá aquilo, que não têm por natureza - a sensibilidade. Esta, ou se tem ou não se tem. E se não se tem, há que procurar trabalhá-la dentro nós, especialmente se precisamos dela para fazer o nosso trabalho e, quem trabalha com crianças, definitivamente precisa ter alguma sensibilidade, caso contrário, nunca deixará de fazer um trabalho medíocre. 

O que mais confusão me faz nisto tudo, é estas pessoas, "doutoradas em educação", virem-me dizer que elas é que sabem como devem agir com o meu filho e ver, no semblante dos filhos delas, a tristeza da incompreensão e uma postura que reflecte uma exigência descabida à sua idade. E vangloriarem-se do trabalho miraculoso que fizeram com o meu filho, que na realidade não foi feito por elas, foi feito pela paixão que ele tem pela matéria em causa e pela maturidade que a idade lhe foi dando. Mas, a sensibilidade que escasseia, também as impede de verem isso e, de peito emproado, dizem "Como vê, o meu método é que está correcto" e vão felizes e contentes para casa, na certeza que a elas se deve aquilo que o seu método, isento de sensibilidade, apenas soube atrasar.

Comentários

  1. O pior erro é não saber ver, olhar e perceber. E no fim admitir que se errou e mudar de métodos!
    Infelizmente, cada vez há mais pessoas carregadas de certezas sobre o que fazem, quando na realidade são mesmo medíocres, como disseste.

    ResponderEliminar
  2. As educadoras deviam dar mais ouvidos aquilo que os pais têm para dizer. Afinal, quem conhece melhor as crianças?
    :)

    ResponderEliminar
  3. Naná,
    A questão é que a pessoa em causa até mudou um pouco o método, mas não o assume e garante que continua a utilizar o mesmo, que é o que pensa ser correcto.
    E não se apercebe que se mantivesse o método que defende completamente inalterado, por maior que fosse a paixão do meu filho pela matéria, ele teria desistido por sucumbir à frustração de não conseguir fazer o mesmo que os miúdos (seus colegas, de oito anos na altura e nove agora) conseguem.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Paula,
    Neste caso, não foram as educadoras, mas também se aplicará a algumas, com certeza.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. MUitas vezes n pressa de tornar uma massa homogénea dentro da sala para ser mais fácil leccionar metemos todo no mesmo triturador e o sumo é igual. ou não, somente parece igual. nao importa os ingredientes importa sim o produto
    kis .=) e um beijo À tua mãe , minha colega de profissão mulher da minha altura quiçá da mesma idade, quiçá aposentada como eu

    kis .=)

    ResponderEliminar
  6. Avogi,
    Mas se não tivermos em conta os ingredientes, a massa homogénea sabe mal!
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. A sensibilidade é precisa para cada momento da vida, e mais ainda quando se trabalha com pessoas. Sou professora e este é um dos meus lemas. Gostava tanto que todos os pais viessem realmente falar comigo para colaborar e não apenas para se queixarem. TPC a mais (tadinho) os colegas são maus (e eles são sempre santos) etc. Aconteceu-me dar os parabéns a uma mãe pela educação do filho que me disse: agradeço mas tenho pena de receber parabéns por algo que devia ser comum e não extraordinário. Ah pois é!

    ResponderEliminar
  8. Profg,
    É verdade, a educação deve ser dada pelos pais, tem que ser dada pelos pais, mas acho que muitos pensam que essa é uma função da escola e atribuem essa responsabilidade aos professores.
    Eu nunca permitirei que o meu filho seja educado pela escola, ele deve ser educado por mim e pelo pai, no entanto os professores não deixam de ter um papel muito importante na vida e na formação das crianças e, é por isso que penso que a falta de sensibilidade pode prejudicar um crescimento saudável e que se não houver comunicação entre pais e professores não se consegue que as crianças tenham a segurança para se exprimirem e darem o seu melhor. É preciso que os professores entendam com quem estão a lidar, porque cada criança é diferente da outra e cada pessoa "funciona" de maneira diferente e os pais são quem, melhor do que ninguém, podem dar essa informação aos professores.
    E o trabalho em conjunto é sempre muito mais produtivo do que quando cada um "puxa para seu lado", não é? ;)
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue