Avançar para o conteúdo principal

Que Escola?

Imagem retirada DAQUI

Quando chegou a altura do J. ir para a escola, pensámos muito em que instituição o havíamos de matricular. Se teríamos capacidade para o inscrever numa escola que leccionasse um ensino alternativo que não fosse o oferecido pela escola pública. 
Não tenho nada contra as escolas públicas, antes pelo contrário, gosto delas por permitirem que uma grande heterogeneidade de pessoas se encontrem e contactem, ensinando as crianças a lidarem com um grande leque de personalidades, modos e filosofias de vida. 

Acho a maior parte das escolas particulares demasiado elitistas, longe da realidade e cheias de meninos mimados que saem de lá sem terem, praticamente, nenhum contacto com pessoas diferentes deles. 
Quando pensámos em matricular o J. numa outra escola, que não a pública, foi essencialmente porque não gostamos do sistema de ensino, porque este não valoriza as características individuais de cada aluno e, especialmente, porque este não ensina as crianças a pensar e apenas as incentiva a decorar conceitos sem que haja a necessidade de os entender. 
Pretendíamos que o J. frequentasse uma escola que lhe abrisse os horizontes, que lhe desse um panorama das escolhas que ele poderia fazer tanto profissionalmente, como culturalmente, mas que não o fechasse numa redoma de vidro que o excluiria da realidade. 
É óbvio que não encontrámos a escola dos nossos sonhos. Ela não existe senão nas nossas cabeças, por isso optámos por ele frequentar a escola pública e tentamos que sejamos nós a abrir-lhe os horizontes, dando-lhe a conhecer a maior oferta cultural possível, através de exposições, teatro, música, vistas a monumentos, a museus e a outros países, proporcionando-lhe diferentes experiências que vão desde a cozinha internacional até aos rituais e costumes de cada cultura.

Confesso que não tem sido fácil, pois é preciso ter algum dinheiro para usufruirmos de algumas dessas ofertas, mas tem sido muito recompensador, pois o J. valoriza a sua experiência de vida, orgulhando-se de conhecer e apreciar coisas que a maior parte das crianças da sua idade nem sonham que existem.
Não desejamos, com isto, criar um menino-prodígio, queremos apenas mostrar-lhe o mundo e dizer-lhe que pode seguir o caminho que quiser, sabendo que existem imensos por onde pode enveredar. Talvez lhe estejamos a dificultar a escolha, porque quando temos apenas dois caminhos é mais fácil escolher do que quando temos inúmeros, mas pensamos que a escolha, ou escolhas, que fará será em consciência e não por desconhecer que existem outras hipóteses. E o mundo não será, para ele, um lugar estranho, mas um lugar familiar em que se sentirá em casa e onde se poderá mover sem medos. 

Pode parecer-vos que sou uma sonhadora e com ideias demasiado utópicas... Provavelmente, estão certos!

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…