Avançar para o conteúdo principal

Pastores

Imagem retirada da Internet

A questão da popularidade tem-me intrigado o bastante para dedicar algum do meu tempo precioso a reflectir sobre as suas causas e consequências. Juntado a isto, o facto de estar desempregada e, por isso, ler muitas notícias e muitas cretinices, por exemplo no Facebook, fico meio alienada e dá-me para pôr o cérebro a funcionar, que, no final, resulta em "maravilhosas" dissertações como a que se segue:


A popularidade das figuras públicas, das figuras que, à força, pretendem ser públicas (como os meninos dos reality shows) e a popularidade dos ilustres anónimos que fazem carneiros, ups, desculpem, amigos, com muita facilidade, desconcertam-me. 

O facto de serem populares, a algumas pessoas (normalmente as que negam gostar de serem populares, por falsa modéstia) atribui-lhes um estatuto de credibilidade e excelência excessivo e podem dizer a maior das patacoadas que todos os seus tristes fãs dizem ámen e fazem-lhes vénias ou, então, como acontece no caso dos concorrentes da Casa dos Segredos, quando fazem qualquer coisa normalíssima, são imediatamente crucificados e expostos ao ridículo.
Qual é o problema de os meninos coçarem o rabo, tirarem macacos do nariz ou dizerem parvoíces? Toda a gente já coçou o rabo, tirou macacos do nariz e disse parvoíces. Ou não?
Pronto, têm razão, eles dizem parvoíces demais! É verdade! Mas não é necessário crucificarem-nos... Ou é? São parvos, ok, o que temos a fazer, se nos incomodam, é não ver a TVI quando eles estão por lá... Pois é, agora já não estão, mas estão nas capas de todas as revistas de fofoquices até esgotarem a bela imagem que lhes criaram, até já ninguém conseguir olhar para as suas fronhas catitas ou até a maledicência a seu respeito estar completamente esgotada! Não comprem as revistas, se não os querem ver. Mas a verdade é que as pessoas gostam de os ver, gostam de ter alguém com quem gozar, gostam de intrigas e tricas maléficas, gostam de alimentar polémicas e mostrarem que "não é nada comigo, não é nada comigo. Eu estou muito acima de tudo isto!".
Tretas!

Será que o público, tanto de uma das categorias de pessoas como da outra, não consegue encontrar o meio-termo entre a besta e o bestial? Será impreterivelmente necessário colocarem-nas num pedestal ou classificarem-nas abaixo de lixo?
Não consigo compreender a necessidade de se amar ou de se odiar tanto os ídolos... Não é possível atribuírem-lhes um estatuto mais humano, com defeitos e qualidades, com handicaps e dons?

E com isto, estou a voltar à história dos Carneiros, que tanto me afligem, mas hoje quero mesmo é focar-me nos pastores que, na realidade, não me afligem muito menos...

Neste país, basta dizer-se uma coisinha de jeito, que seja aprovada por alguém de renome, para o pessoal ficar todo: "Ahhhh!!!! Que inteligência suprema! Tchhhhh!!! Que maravilha!"
Depois, podem dizer-se todas as barbaridades, e mais algumas, que se continua a ser alguém "muito inteligente".
Ou então, diz-se uma parvoíce qualquer e passa-se a ser o estúpido para o resto da vida e, tudo o que se diz de seguida, já não é ouvido ou é adoravelmente gozado.
E depois, há quem saiba, tão bem, jogar com tudo isto a seu favor: A maravilhosa e profissionalíssima comunicação social, os esplendorosos governantes, o comentador televisivo de alto gabarito, o escritor reputado, a miúda/o mais gira da turma e tantos outros ilustres...

Para além de manipularem a opinião pública, acham-se os maiores, acreditam piamente que são os maiores e beijam-se e abraçam-se num deleite egocêntrico depressivo... E ai de quem lhes diz que estão errados, ai de quem lhes aponta uma gaffe, ai de quem os confronta com uma opinião contrária, ai do pessoalzinho que se atreve a olhá-los nos olhos por mais de dois segundos...
Este pessoalzinho é inevitavelmente e prontamente tramado! Caem-lhes em cima os pastores e os carneiros, que lhes fazem um moche magistral para depois se juntarem numa orgia intelectual repugnante!

Aos pastores e aos carneiros só lhes tenho mesmo a dizer:
Vão-se mas é catar (e pastar), seus idiotas!

Comentários

  1. Concordo inteiramente contigo. Mas é o país pequenino que temos. Infelizmente...

    ResponderEliminar
  2. É precisamente a minha opinião.

    Embora, não vejo esse programa, nem a TVI, nem revistas cor-de-rosa. Por incrível que pareça, só tive conhecimento desse programa na blogosfera.

    Beijinhos e bom fim-de-semana :)

    ResponderEliminar
  3. Concordo contigo. Mentalidades.
    Bj** e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  4. E faço tuas as minhas palavras!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  5. Paula,
    O país podia era ser só pequenino em tamanho, sem que a mentalidade lhe fosse proporcional.
    :(
    Bjs

    Ana,
    Eu vi o primeiro episódio e jurei para nunca mais, mas fui sabendo do que se passava em comentário no Facebook.
    Bjs

    Tanita,
    Bom fim de semana e as melhoras do pequenito!
    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…