Avançar para o conteúdo principal

Menino Triste

Há um menino, que vejo todos os dias à porta da escola do J., que tem um olhar de uma tristeza, que me corta o coração...
Ele conhece-me e sorri para mim, esboça-me um sorriso tão triste, quanto o seu olhar... Apetece-me abraçá-lo, eu que não gosto de abraços, fico cheia de vontade de o abraçar e dizer-lhe "não fiques triste, eu gosto de ti", mas não abraço e não digo... Fico ali só a sorrir-lhe e a recalcar a minha vontade... Que triste que eu sou!

Quando o pai chega, ele desvia os olhos de mim, como se fosse uma vergonha olhar para outro lado que não o chão, e o braço do pai, pesado, sobre os seus pequenos ombros encaminha-o para longe da escola, dos olhares, dos amigos, de mim... Ele afasta-se, mas a sua tristeza cola-se-me à alma...
Sei que este menino é agressivo com os colegas, sei que se mete em brigas com muita facilidade e penso no que raio se passará para ele sentir aquela tristeza toda e deixá-la apoderar-se dele...

Cada vez que o vejo, tenho esperança que o seu sorriso já não seja tão triste... 

Mas todos os dias, o sorriso que me reserva é um grito mudo que me rasga por dentro e, em jeito de resposta, eu tento dizer-lhe baixinho, só com o olhar:

Gosto de ti!

Comentários

  1. Amanhã diz-lhe por palavras, baixinho a ele :)

    ResponderEliminar
  2. Continua a dizer-lhe com o teu olhar ou em voz baixa como diz a Tanita, acredito que o teu olhar possa fazer toda a diferença na vida dele.
    Deixa que te diga que só nesse gesto se vê como és bonita por dentro Mammy.

    ResponderEliminar
  3. A maior causa dessas situações são a falta de amor e carinho. Ou pelo menos, a demonstração dos mesmos.

    ResponderEliminar
  4. Gypsy,
    Concordo contigo, penso que é isso que passa com ele...

    Tanita, Mar, Naná,
    Vontade não me falta, mas penso que poderá ser mal interpretado, por isso prefiro ficar-me pelo olhar. Acho que ele consegue perceber o que lhe quero dizer. Assim espero...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Coitadinho desse miudo, provavelmente ele é assim na escola, pois é assim em casa que lidam com ele, espero que não.
    Continua a sorrir para ele, ve se o teu menino não quer ser amiguinho dele

    ResponderEliminar
  6. Já experimentaste falar com uma educadora, ou alguém da escola? Na volta não serve de nada, mas ficamos sempre a pensar que podíamos fazer qualquer coisa.

    ResponderEliminar
  7. Não serve mesmo de nada, eu sei quem são os pais dele e, apesar de não saber o motivo concreto da tristeza, imagino.
    Mas obrigada pela dica!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…