Avançar para o conteúdo principal

Mau Comportamento

Imagem retirada da Internet
Hoje em dia, fala-se muito do comportamento das crianças. Ouve-se dizer por aí, que os miúdos portam-se muito mal, que nunca estão quietos, que não conseguem estar sentados, que falam pelos cotovelos, que respondem mal aos professores, etc., etc....

Concordo com tudo isso, mas não posso deixar de me interrogar se eles se portarão pior do que os miúdos de há alguns anos atrás, ou se nós é que já não somos tão tolerantes, ou se não estaremos apenas mais atentos do que estavam os nossos pais e avós.
As crianças continuam a ser crianças, mas será que nós permitimos que elas sejam realmente crianças? Quantas crianças têm, actualmente, tempo para brincarem livremente? Quando digo livremente, quero dizer sem actividades orientadas e/ou programadas. Uma em cada cinco, uma em cada dez? Não faço ideia dos números, mas parece-me que não serão muitas. Não estaremos a exigir demais das nossas crianças? Não quereremos nós que elas adquiram uma quantidade enorme de competências para as quais elas ainda não estão preparadas? Não quereremos nós que elas saibam, inglês, música, ginástica, informática e que se portem bem em todas essas actividades, enquanto o que precisam realmente é de brincar?
O "nós" a que me refiro, somos os "nós" pais, os "nós" professores, os "nós" sociedade...

Para olharmos para os maus comportamentos das crianças de hoje, com olhos de ver, não nos podemos esquecer que, há alguns anos atrás, as crianças eram muito mais reprimidas pela presença dos adultos do que são as de agora. Talvez por isso os enfrentassem menos... Ter-lhes-iam mais respeito ou seria o medo que as impediria de os enfrentar?
As crianças de antigamente faziam menos asneiras, do que as de hoje ou tinham mais tempo e espaço para as fazerem sem ninguém saber?

Atenção, não quero, com isto, defender os maus comportamentos nem das crianças de agora, nem das de antigamente, não estou contra nem a favor de nenhuma das duas, só quero tentar entender se o mau comportamento aumentou realmente e, se aumentou, o que é que o motiva.

Penso haver alguns factores, que provocam os maus comportamentos, que são flagrantes e os quais enuncio:
-A falta de educação
-A falta de tempo para brincarem livremente
-A falta de actividades ou brincadeiras que lhes permitam gastar energias
-Os problemas psicológicos 
-Os problemas familiares

Começando pela falta de educação que, para mim, é o mais preocupante, não o vejo como um problema das crianças, vejo-o sim como um problema da sociedade. Como poderá uma criança ser educada, se os seus pais não sabem o que isso é?
Muitas pessoas não tiveram educação, como poderão elas transmiti-la aos filhos? Nesta nossa sociedade, a falta de respeito pelo outro impera, e se a educação não é mais do que o respeito pelo outro e o respeito não existe na sociedade como podemos querer que as crianças o tenham enraizado?

O segundo factor é incontornável. A falta de tempo para brincarem livremente obriga as crianças a acumularem energias que terão que libertar, mais cedo ou mais tarde, e enche-as de pequeninas frustrações e contenções, que todas juntas, são um peso enorme nas suas vidas, provocando reacções bruscas a estímulos aparentemente insignificantes e, consequentemente, provocando os tão odiados maus comportamentos.
Se não brincam livremente como podem elas ter capacidade de concentração no que quer que seja?

A falta de actividades ou brincadeiras que lhes permitam gastar energias está ligada ao segundo factor, mas por si só, também condiciona o comportamento das crianças. Estas, muito mais do que os adultos, precisam gastar energias e, actividades de sala de aula, em que estão sentadinhas o tempo todo, ou de tempos livres em que jogam Playstation ou vêem televisão, e em que apenas precisam de mexer os dedos, em nada contribuem para esse gasto de energia. Como no caso do segundo factor, essas energias terão que ser libertadas e, por vezes, são-no nas ocasiões menos próprias e através de "explosões" comportamentais.

Os problemas psicológicos podem ser dos mais variados e, quando não são entendidos como tais, podem ser confundidos com a falta de educação. Muitas vezes, estes são os mais difíceis de resolver e os que provocam mais maus comportamentos. Alguns psicólogos catalogam-nos de hiperactividade e receitam medicamentos às crianças. Serão, todos eles, verdadeiros casos de hiperactividade?

Por último, os problemas familiares, que podem gerar problemas psicológicos, ou reflectirem, apenas, os exemplos que as crianças têm em casa. Por exemplo, pais agressivos têm filhos agressivos com maior facilidade do que pais mais calmos, porque os filhos tendem a seguir os exemplos dos pais. Poderão as crianças ter a perspicácia necessária para analisarem os exemplos dos pais e perceberem se os devem ou não seguir?

E agora só mais uma perguntinha: 
Poderemos exigir, às crianças, que se comportem bem sem identificarmos e resolvermos, primeiro, os problemas que causam os maus comportamentos?
Eu acho que não e, por isso, os pais que dizem à boca cheia "ai do meu filho que se porte mal, se o fizer vou pô-lo de castigo" ou "não se podem admitir maus comportamentos, eles têm que saber comportar-se nas aulas, eles têm que aprender a estarem sossegados e a respeitarem as regras" sem antes sequer tentarem descobrir as causas desses maus comportamentos, assustam-me.

É óbvio que não se podem admitir maus comportamentos, mas nunca os mudaremos se não formos ao cerne da questão, se não resolvermos os problemas pela raiz.
Com soluções rápidas e aparentemente eficazes, como as dos castigos e ralhetes, só vamos conseguir uma falsa eliminação dos maus comportamentos, pois se a causa não for banida o problema continua lá e continua lá a crescer. Os maus comportamentos não existem só porque sim, existem porque algo se passa com a criança que pode, ou não, ter origem nela própria, mas tem obrigatoriamente que ser identificado e resolvido, caso contrário um dia, olharemos para os nossos filhos e veremos neles pessoas frustradas, revoltadas e, pior que tudo isso, infelizes.


Ah, não me esqueci dos maus comportamentos próprios das várias fases de um crescimento saudável, mas esses são de outro tipo, não deste.

Mensagens populares deste blogue

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…