Avançar para o conteúdo principal

Idade dos Porquês

Imagem retirada DAQUI
O J. está sempre a fazer perguntas e estamos a pensar seriamente em oferecer-lhe uma enciclopédia, pois já não temos capacidade para responder a tantas perguntas.

Sempre pensei que "a idade dos porquês" era por volta dos 3/4 anos, mas a dele tem-se prolongado e com 7 anos, continua a querer saber tudo e mais alguma coisa.

Sim, eu tenho alguma "culpa no cartório", pois habituei-o a perguntar e sempre tentei satisfazer as suas dúvidas. Neste momento, começa a tornar-se bem difícil responder a perguntas tão complexas como as que ele nos faz.
O cérebro dele trabalha a uma velocidade alucinante e a cada frase nossa, segue-se uma quantidade de porquês, aos quais nem nós sabemos responder. (Talvez tenhamos mesmo que recorrer a uma enciclopédia...)

Penso que esta capacidade de se interrogar será uma qualidade, mas não sei se o mundo estará preparado para isso, pois quem pergunta é entendido como quem não sabe e quem não sabe é mal visto.
Eu explico o quero dizer com isto:
Cada vez mais, se exige um conhecimento sólido sobre os mais variados assuntos e as pessoas tendem a inventar quando não sabem, porque admitir o desconhecimento é tão mal interpretado como admitir um erro. Sob o meu ponto de vista, é positivo admitir tanto o que não se sabe, quanto o erro, mas a sociedade de um modo geral, não concorda comigo e eu própria já fui mal interpretada por isso e sei que ele também será.
As pessoas têm medo de perguntar e têm medo de quem pergunta, porque sentem-se testadas e postas em causa.

Porque haverá tanta dificuldade em dar a conhecer aos outros o nosso desconhecimento? E porque haverá tanta dificuldade em aceitar o desconhecimento dos outros?
Ninguém sabe tudo, mas ter a honestidade de o demonstrar e a capacidade de aceitar isso nos outros, parece um calvário para a maioria das pessoas. E tal como o J. , volto a perguntar "porquê?".
Só a capacidade de nos interrogarmos, nos pode fazer evoluir... A Humanidade evoluiu assim, colocando questões e tentando encontrar-lhes respostas. Porque não podemos fazer o mesmo connosco, individualmente ou colectivamente? O que temos a perder? A admiração dos outros? De que serve admirarem-nos por algo que não nos pertence ou por algo que é falso?
Perguntar não é socialmente bem aceite, no entanto é através desta acção que conseguimos saber mais. Será que, realmente, queremos saber mais, quando nos abstemos de perguntar?

A mim, parece-me que não, parece-me que preferimos fingir que sabemos a saber verdadeiramente... Preferimos que os outros pensem que somos um poço de cultura e de conhecimento, a lutarmos para nos superarmos, para nos enriquecermos intelectualmente. E se não lutamos por nós, ficamos mais pobres, pobres de espírito, que é muito pior do que não ter dinheiro...

Eu vou tentar responder sempre ao J. e vou continuar a incentivá-lo a perguntar sobre tudo o que ele quiser, perpetuando, assim, a "idade dos porquês" até que seja ele a abandoná-la por sua própria iniciativa (ou não!), porque a maior pobreza que uma pessoa pode viver é a de não querer evoluir, é deixar-se estagnar a pensar que se chegou à meta do seu ser. E vou incentivá-lo, sabendo que ele vai sofrer, mas acreditando que este é um sofrimento que vale a pena!

Comentários

  1. Na minha opinião, quem pergunta revela a inteligência de assumir que não sabe, mas quer saber!
    Enfim...
    Beijo grandes

    ResponderEliminar
  2. Como eu gostava que a maioria pensasse como tu, Benedita...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. O mais importante é ter a certeza que as nossas atitudes estao certas, também podes ensinar no seu devido tempo que nem sempre os que as outras pessoas pensam ou dizem está certo...

    Bom ano para ti e os teus

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Mammy, as perguntas continuarão até ele encontrar as fontes de conhecimento dele, até ele se aperceber que os pais não são os únicos que o ensinam. Ainda a procissão não vai no adro. O meu, com 9 anos, também me faz imensas perguntas às quais respondo "Não sei" amiúde. E ele insiste e insiste. E cria as teorias dele, das quais discordo muitas vezes. E daí geram-se discussões e trocas de pontos de vista (sobre gormitis, os criminosos do CSI, as pessoas que causaram a crise, o governo que só quer subir impostos e ficar com o dinheirinho...).mantém-no assim curioso, é bom :)

    ResponderEliminar
  5. Felina,
    E estão muitas vezes erradas e outras vezes, não estando erradas, não interessam nem ao menino Jesus...
    ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Pseudo,
    É tão importante tentarmos responder-lhes como deixá-los formar as suas próprias teorias, que resultam das descobertas que eles vão fazendo ao longo da vida, e discordarmos, e eles discordarem...
    :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. É verdade, quando nos perguntam alguma coisa e não sabemos o que responder, porque não dizemos simplesmente que não sabemos?

    ResponderEliminar
  8. Eu gosto de perguntar.. Qaundo não sei pergunto. Não tenho vergonha, fico esclarecida e aprendo :)

    ResponderEliminar
  9. As crianças são tramadas ;) Deve haver várias enciclopédias próprias para crianças da idade dele que provavelmente o vão ajudar ;)

    Beijinho*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…