Avançar para o conteúdo principal

Da Blogosfera

Sou uma novata nestas andanças da blogosfera. Este blogue ainda não fez seis meses e, antes de o criar, não costumava andar a visitar blogues. Usava o computador para trabalhar, estudar e para pesquisar coisitas na Net, nada mais.
Entretanto, fiquei desempregada, abri uma conta no Facebook, outra no Twitter, outra no Google + e criei este blogue numa noite de insónias.
O que inicialmente serviu para me distrair, começou a tomar proporções maiores e interessei-me em tentar conhecer os mais variados tipos de blogues.

Esta, foi uma boa descoberta que me tem proporcionado ter uma visão mais alargada, apesar de um pouco simplista dada a minha ignorância na matéria, deste vasto mundo que é a blogosfera.
Nesta viagem bloguótica, tenho encontrado uns blogues maravilhosos, outros nem por isso; autores que escrevem brilhantemente e outros nem tanto... Nos textos dos autores que escrevem bem, por vezes, deparo-me com coisas interessantíssimas, outras vezes, deparo-me com ideias tão tristes, que desvirtuam a própria escrita. Em contrapartida, há autores que, não possuindo o brilhantismo da escrita, têm ideias geniais...
Enfim, por aqui há de tudo!

(Uma coisa que me tem feito um pouco de confusão é o sucesso dos blogues inteiramente dedicados a futilidades. Não sei se será porque as pessoas precisam das futilidades para se abstraírem da dura realidade que vivem, se será porque são mesmo fúteis. Entre uma e outra, prefiro acreditar na primeira opção!)

Sou leitora assídua de vários blogues, uns por gostar do que lá está escrito, outros por simpatizar com os autores, outros pelas duas razões e outros ainda só para ver "que raio de porcaria vão inventar desta vez". Confessar isto pode parecer-vos um pouco suicida, mas de facto não é, pois nunca comento o que acho uma porcaria, não sou daquelas leitoras que desatam a insultar o blogger, ou porque acham que o que disse é uma mentira descarada, ou porque não gostam dele por qualquer razão, ou ainda porque não têm mais nada para fazer senão azucrinar os outros.
Na realidade, é por ler muita coisa e, apenas comentar algumas que defendo sempre, com unhas e dentes, a liberdade de expressão. Acho que todos têm o direito de dizerem o que quiserem, desde que não prejudiquem ninguém e nós, leitores, só lemos o que queremos; se não gostamos, ou não lemos, ou discutimos o assunto civilizada e construtivamente.
Pessoalmente, gosto de discutir quando acho que vale a pena, quando acho que as diferenças entre mim e o interlocutor não são enormes, quando acho que depois da discussão se vai "fazer luz" para ambos os lados. Se não acho nenhuma destas coisas, remeto-me ao silêncio e, podem ter a certeza, quando eu me remeto ao silêncio, se não for porque não vi, não tive tempo ou não me apeteceu comentar, é porque estou convicta que não vale mesmo a pena perder tempo com aquilo que, para mim, é idiotice.

E é por tanto acreditar na liberdade de expressão e em que toda a opinião é válida, mesmo quando diferente da nossa, que vos informo:
Aqui, não me verão dizer mal só por dizer, criticar sem nenhum fim construtivo não é comigo, pois a maledicência é um feito de quem possui um carácter menor (e agora podem chamar-me convencida à vontade), o meu está um bocadinho acima. Ah pois está!

Comentários

  1. Gostei muito deste post e não podia concordar mais contigo. Deve ser por isso que leio cada vez menos blogs, também não tenho tido muito tempo, coisa que acho que em breve vai mudar.Bom fim-de-semana!!

    ResponderEliminar
  2. Dizes que andas por cá a pouco tem po, mas já tens a prespesctiva toda da coisa.
    Também não entendo a razão que pessoas publicam isto e aquilo que vestem ou os cremes que querem comprar, na volta vestem-se todos na feira da terra onde vivem e depois dizem que vestem tudo de marca dos pes a cabeça.... enfim.
    O meu modesto blogue nao fala mal nem bem de outros blogues, fala do que me apetece e nada mais, quem gosta gosta, quem não gosta não é obrigado a ler.
    Continua, cheguei aqui hoje e estou a gostar do que tenho lido

    ResponderEliminar
  3. Tenho a mesma exacta opinião!

    E se há coisa que não suporto são blogues futeis... por isso nem perco tempo com eles... mas também não me ponho a apontar-lhes o dedo, porque isso seria dar-lhes importância que não têm!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…