Avançar para o conteúdo principal

Amamentação

A Adelaide de Sousa, que é mãe de um menino de dois anos e meio, optou por amamentar o filho durante o tempo que ele quiser. 
(Poderão ver a reportagem da SIC AQUI)
Admiro a sua determinação, é necessário ter coragem para andar de maminha-sempre-pronta durante tanto tempo.
Eu dei de mamar ao meu filho até aos nove meses e já não foi nada fácil, quanto mais até "não se sabe bem quando" como a Adelaide. 
O período em que amamentei não foi, o que algumas mães chamam, "período maravilhoso" ou "melhor altura da maternidade", foi até bastante duro. Para terem noção do que me custou amamentar, posso dizer-vos que o meu peito gretava com tanta facilidade que, uma vez, depois de dar de mamar ao J., ele bolçou sangue, e o sangue era meu. Foi um susto que nem imaginam, porque pensei que era dele e que tinha algum problema no estômago.

(A única coisa realmente maravilhosa era estar com ele ao colo e vê-lo com um ar tão sereno e consoladinho).
Apesar de não ter sido um mar de rosas, sempre tentei levar a amamentação avante. Tirava leite quando estava no trabalho, mantinha-o refrigerado e congelava-o quando chegava a casa para, no dia seguinte, enviar para o infantário e, assim, ele beber do meu leite em vez do de lata. 
Algumas pessoas achavam esta minha atitude fundamentalista ou demasiado criteriosa, mas nunca me importei e continuei a fazê-lo enquanto achei que era benéfico.

Hoje, continuo a pensar que fiz bem, porque ao tirar o leite a meio da tarde, aliviava o peito e mantinha a produção de leite mais ou menos inalterada. Fazia-o por ele, mas também por mim. Fiz isto todos os dias até ele ter, mais ou menos, seis meses, depois disso, deixei de tirar leite e ele só bebia do meu quando estava comigo.
Com a introdução do leite artificial, ele deixou, progressivamente, de querer mamar. E, foi desta forma pacífica que deixei de amamentar... sem choros, sem tristezas, sem pena.

Confesso que me fazem confusão as mães que não querem dar de mamar aos filhos para não estragarem o peito, mas não me fazem menos confusão as que a eternizam. É claro que cada caso é um caso e cada mãe sabe de si e do seu rebento, mas se me permitem, há que encontrar o meio-termo para o bem de todos e, dar de mamar até ao um ano, no máximo, parece-me saudável tanto para a mãe como para o filho. 

E vocês o que acham?
Amamentar "nem pensar", amamentar qb, ou amamentar forever?

Comentários

  1. Eu amamentei em exclusivo até aos seis meses, a conselho do pediatra. Depois amamentei ainda até cerca dos 13 meses, quando deixei por sugestão do pediatra e da minha nutricionista: ambos me disseram que continuar a amamentar após um ano não trazia grande valor acrescentado à nutrição do meu filho.
    Custou-me mais a mim que a ele, confesso.
    Como tu tirava leite no trabalho, de manhã e à tarde e congelava para que ele pudesse beber do meu leite até aos 6 meses.
    Para mim amamentar foi uma experiência excelente porque tirando o impacto inicial dos primeiros 15 dias, em que me custava bastante, depois tornou-se uma coisa natural e sem stress!
    Com base numa dica que me deram, deixava-o mamar apenas 7 minutos em cada mama e isso ajudou-me a aquilo não fosse um martírio como vi acontecer com algumas mães que nem saíam de casa porque depois tinham que estar 45 minutos a 1h a dar de mamar...
    Comigo correu bem, mas acredito que para algumas mães a amamentação seja bastante complicada e difícil...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…