Avançar para o conteúdo principal

Momento Narcisista Invertido (ou talvez não)

Se eu prometi, cumpri! (Ups, hoje é para demolir o meu ego e não para o enaltecer...)

Vou começar por um defeito soft... Sou paranóica (sentiram a suavidade da coisa?), quando meto uma ideia na cabeça, fico a matutar nela até à exaustão (que o diga aqui o meu companheiro de casa sénior, que se farta de sofrer comigo!)

Sou demasiado honesta (a cair mesmo para o parvo!), não regateio preços, não tento pagar o menos possível por um bem ou serviço, se achar que o preço é justo e não minto bem (sou mesmo uma péssima mentirosa), se tenho que dizer alguma mentira fico com ela na cabeça para sempre (e, voltando ao defeito soft, entro em paranóia!). Sinto-me para lá do pessimamente, se duvidam do meu carácter por causa da mais pequenina mentirinha que me veja obrigada a dizer (chego eu mesma a duvidar dele). (Porrada em mim!)

Esta honestidade é um dos meus piores defeitos, pois nem das mentiras piedosas ou fantasiosas sou muito adepta. Por vezes, choco as pessoas com uma frontalidade que magoa ("não havia nexexidade", como dizia o Herman)... Não digo ao meu filho que o Pai Natal existe, nem que as pessoas, quando morrem, vão para o céu, digo a verdade, o que faz de mim uma malvada sem coração!

Neste meu papel de mãe, falho muito... Não sou muito afectuosa (não sou uma besta, mas, às vezes, ando lá perto!) e sou muito dada a explicações demasiado complexas sobre tudo e mais alguma coisa, desde a origem do Universo, até à razão de um simples castigo. Estas explicações devem-se ao facto de eu própria questionar tudo (o meu cepticismo pode ser apelidado de fundamentalista), não acredito em verdades universais e duvido das ideias mais básicas, enfim, sou uma chata!

Estão quase a sair daqui para irem visitar outro blogue?
Vão, mas não, sem antes, lerem o resto, pois assim irão muito mais satisfeitos por se livrarem de mim...

Sofro de falta de paciência... Não tenho paciência para gente chata (parece uma contradição, não parece? Mas esta chatice difere um pouco da minha... ou talvez, nem tanto assim...), pessoas que se estão sempre a queixar ou que contam todos os pormenores de tarefas simples como fazer a cama, bloqueiam-me automaticamente os ouvidos, ou seja, deixo de conseguir ouvir o que dizem, no exacto momento em que me começam a enervar. Também não tenho muita paciência para esperar, seja lá do que for...

Por fim, não posso deixar de vos dizer que sou loira (não sei muito bem o que isto quer dizer, mas é um grande defeito, de certeza!).

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Espaços vagos

O luto não se faz só pelas pessoas que nos faltam e que se vão pelo fim da vida. Faz-se também e amiúde por aquilo que vamos perdendo: a paz, a realização pessoal, os sítios em que nos sentimos bem e que temos de abandonar, os ambientes, os cheiros. Perdemos bocados de nós à medida que vamos ganhando outros ou transmutando os que tínhamos.

Há uma necessidade de luto não só na morte, mas na vida. É preciso o silêncio, a auto-comiseração, a dor profunda que nos permite emergir renovados e abertos ao que vem a seguir. Se não deixamos ir aquilo que nos sai da pele e da alma, dificilmente conseguimos arranjar espaço para aquilo que se segue. Somos limitados em espaço, temos pouco terreno para muitas coisas e enchemos o que temos com aquilo que nos preenche de verdade.
Ao contrário do que nos parece, a perda faz-nos bem. Faz-nos evoluir, torna-nos mais fortes e permite-nos valorizar tanto o que se foi, quanto o que virá. Só os espaços vagos se podem ocupar e se não os ocupamos com aquilo qu…