Avançar para o conteúdo principal

Das Alturas

Como já disse aqui, eu meço 1,80 cm, mas ainda não disse que o pai do meu filho mede 1,75 cm, ou seja, eu sou mais alta do que ele 5 cm. Não é muito, mas é o bastante para se notar à distância!

E perguntam-me vocês porque estarei eu a falar destas coisas de alturas...
E eu respondo-vos, porque, durante muito tempo, tive complexos de ser tão alta!

Em pequena, nunca fui pequena e pode-vos parecer estranho, mas isto mexe com a auto-estima de uma pessoa, quanto mais com a de uma criança... 
Sempre fui a mais alta em todo o lado e por isso, as pessoas só me viam em profissões como jogadora de basquetebol (para o qual nunca tive jeitinho nenhum, apesar de gostar muito deste desporto) ou modelo (a qual ainda tentei, sem grande êxito, pois não faz muito o meu estilo andar a disputar as atenções dos outros com ninguém, nem gosto de passar fome e eu teria que passar MUITA fome para ficar com o aspecto escanzelado pretendido, porque a minha constituição óssea é larga)... 

Por estas razões e outras tantas, vivi uma grande parte da minha vida encolhida para parecer mais pequena...

E eis que chega a adolescência, a fase de todos os complexos, a que eu aderi em pleno! Continuei encolhida, porque a "mulher portuguesa quer-se pequenina e magrinha como a sardinha" e quanto ao pequenina, a única coisa que eu podia fazer era encolher-me e... encolhi-me...
Algumas pessoas diziam-me: 
-Eu queria ser tão alta como tu!
Não, não queriam... Estavam redondamente enganadas, porque ser grande num país de pequeninos é tão mau como ser pequenino num país de grandes! 
As mulheres vêem-nos como "cavalonas" ou invejam-nos porque os seus homens olham para nós (tal como toda a gente olha, porque damos nas vistas por causa de termos uma altura pouco comum) e os homens sentem-se intimidados, porque uma mulher grande é olhada por supostos rivais e porque, como qualquer macho latino que se preze a afirmar a posse sobre a sua fêmea, é muito mais difícil, senão impossível, por o braço por cima de uma mulher mais alta do que eles, do que pô-lo cima de uma mais baixa. 

Então, o que nos resta, a nós mulheres grandes, fazer?
Estarmo-nos a lixar para a maneira como nos olham e seguirmos em frente!
Quanto a arranjar par, podemos procurar homens maiores do que nós (o que é bastante difícil neste Portugal dos Pequenitos) ou procuramos umas "aves raras" que gostem de mulheres que nunca mais acabam...
Eu consegui arranjar o segundo tipo de homem (depois de muita procura, é certo!) e dou-me por muito satisfeita, até porque ele tem força suficiente para me pegar ao colo (coisa que aprecio bastante), apesar de ficar de rastos nas horas que se seguem...

E os complexos?
Esses foram-se... Porque a adolescência já vai longe, porque as mulheres não se medem aos palmos e porque é sempre melhor cultivarmos um bom conteúdo, do que ficarmos preocupados com a embalagem...

Hoje, já não me encolho e até acho piada ao casal assimétrico e invulgar que formamos...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…