Avançar para o conteúdo principal

Civismo

Será que ainda existe? Ou não passa de mais uma espécie de animal em vias de extinção? 

Vejo, repetidas vezes, casos que me arrepiam... Automobilistas a insultarem-se obscenamente, gente a cuspir para o chão, cocós de cães espalhados pelos passeios, pessoas a atropelarem-se nas filas para as caixas das lojas, casas-de-banho públicas nojentas (com xixi espalhado pelos sítios mais estranhos), enfim, uma quantidade de indícios de que esta talvez seja uma sociedade bárbara ou, possivelmente, animalesca...

Onde é que nós vivemos afinal? Será na selva ou num país dito civilizado? 

Está-me cá a parecer que deve ser na selva... E o civismo deve ser mesmo um animal em vias de extinção...
Aqui, nesta selva, ainda se vêem alguns casos (poucos!) de civismo, que estão circunscritos a reservas naturais, onde também existem (ainda!) alguma humanidade, respeito pelo próximo e outros bichos estranhos parecidos...

Que tal se começássemos a seguir um programa de reprodução desta espécie, de forma a não se extinguir totalmente, em vez de continuarmos a educar os nossos filhos como se de uns perfeitos animais se tratassem?
É que este problema não é só dos adultos, as crianças estão cada vez mais insolentes, arrogantes e algumas chegam mesmo a atingir o limiar da estupidez...

Deve ser uma questão de moda... Como a arrogância tem sido interpretada como sinónimo de sucesso profissional, à custa de belos exemplos como o do José Mourinho, alguns pais devem pensar que se treinarem os seus filhos para serem umas bestas, um dia, eles serão ricos e bem-sucedidos como ele...
Desenganem-se amigos! O José Mourinho só ficou arrogante depois de já ser rico!

...Ou então, deu-se uma inversão de valores, enquanto eu estava a dormir e, quando acordei, isto estava tudo virado de avesso...

...Ou então, eu tenho sido uma invisual neste assunto e aconteceu um milagre que me fez passar a ver estas coisas através de uns olhos aterrorizados...

...Ou então, eu estou a ficar demasiado esquisitinha... 

Comentários

  1. Bom vir aqui...
    Olha...eu também penso assim...e nos neus 50 aninhos nunca o civismo me pareceu tão morto!

    Um bom domingo, BShell

    ResponderEliminar
  2. As pessoas olham cada vez mais para o seu umbigo e esquecem os outros.

    ResponderEliminar
  3. Hoje em dia, civismo é coisa que não abunda. E o resultado, é a "belez" de mundo em que vivemos...
    Triste, muito triste.

    ResponderEliminar
  4. Pensei que era só eu que pensava assim...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…