Avançar para o conteúdo principal

Violência Doméstica

Imagem retirada da Internet
Ontem, vi um programa na televisão que falava de violência doméstica. É incrível a quantidade de casos que ainda existem por este Portugal fora!
Pessoas que vivem amedrontadas dentro da própria casa com medo daquele/a que escolheram para dividir a sua vida e que, em muitos casos ainda amam (ou pensam que amam).
Mas a violência doméstica não é só o murro, o pontapé, o palavrão e o insulto, é também o desamor com que muita gente vive, é viver-se separado, apesar de sob o mesmo tecto, é ser-se um dentro de casa e outro fora dela, é coabitar onde não há partilha genuína, onde não há autenticidade ou cumplicidade e onde a mentira reina.
Tantos e tantos casais vivem, anos a fio, na mesma casa sem que se conheçam realmente, escondendo a intimidade de cada um, debaixo de desculpas como "manter o mistério" ou "preservar o outro de o ver menos atraente". Mas o que é o amor afinal? Não é gostar do outro no seu todo, com todas as suas qualidades e defeitos? Ou acaba quando nos deparamos com algo que não preenche os requisitos do nosso par ideal?
E há pessoas, que com medo de se mostrarem inteiras, mantêm vidas duplas, triplas, quadruplas... São umas em casa, outras com os amigos, outras com os amantes e ainda outras com o mundo. Quem são elas na realidade? Se juntarmos todas estas múltiplas personalidades, encontraremos alguém? Ou encontramos apenas o vazio?
A violência de não se ser o que se é, de não se assumir quem se é, não será pior que a violência física? Além de se violentar o outro não se estará, também, a violentar-nos a nós próprios, a atentarmos contra a nossa integridade enquanto pessoas? Não estaremos a despersonalizarmo-nos em prol de um amor que na verdade não passa de uma mentira, de uma ilusão, de uma ficção?

Podem chamar-me egoísta à vontade, pois acho, e continuarei sempre a achar, que pior do que o que fazemos aos outros, é o que fazemos a nós próprios e se não assumimos quem somos estamos a negar a razão da nossa existência. E essa é ou não é a maior das violências?

Comentários

  1. Muito bom este seu parecer!
    Pessoalmente acho muito pior a violência psíquica do que uma bofetada dada no calor de uma discussão (não dou desculpa a nenhuma delas)
    Abracinho meu

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão. Faz confusão como as pessoas deixam-se viver assim, nesta condições...
    Bj** e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…