Avançar para o conteúdo principal

Violência Doméstica

Imagem retirada da Internet
Ontem, vi um programa na televisão que falava de violência doméstica. É incrível a quantidade de casos que ainda existem por este Portugal fora!
Pessoas que vivem amedrontadas dentro da própria casa com medo daquele/a que escolheram para dividir a sua vida e que, em muitos casos ainda amam (ou pensam que amam).
Mas a violência doméstica não é só o murro, o pontapé, o palavrão e o insulto, é também o desamor com que muita gente vive, é viver-se separado, apesar de sob o mesmo tecto, é ser-se um dentro de casa e outro fora dela, é coabitar onde não há partilha genuína, onde não há autenticidade ou cumplicidade e onde a mentira reina.
Tantos e tantos casais vivem, anos a fio, na mesma casa sem que se conheçam realmente, escondendo a intimidade de cada um, debaixo de desculpas como "manter o mistério" ou "preservar o outro de o ver menos atraente". Mas o que é o amor afinal? Não é gostar do outro no seu todo, com todas as suas qualidades e defeitos? Ou acaba quando nos deparamos com algo que não preenche os requisitos do nosso par ideal?
E há pessoas, que com medo de se mostrarem inteiras, mantêm vidas duplas, triplas, quadruplas... São umas em casa, outras com os amigos, outras com os amantes e ainda outras com o mundo. Quem são elas na realidade? Se juntarmos todas estas múltiplas personalidades, encontraremos alguém? Ou encontramos apenas o vazio?
A violência de não se ser o que se é, de não se assumir quem se é, não será pior que a violência física? Além de se violentar o outro não se estará, também, a violentar-nos a nós próprios, a atentarmos contra a nossa integridade enquanto pessoas? Não estaremos a despersonalizarmo-nos em prol de um amor que na verdade não passa de uma mentira, de uma ilusão, de uma ficção?

Podem chamar-me egoísta à vontade, pois acho, e continuarei sempre a achar, que pior do que o que fazemos aos outros, é o que fazemos a nós próprios e se não assumimos quem somos estamos a negar a razão da nossa existência. E essa é ou não é a maior das violências?

Comentários

  1. Muito bom este seu parecer!
    Pessoalmente acho muito pior a violência psíquica do que uma bofetada dada no calor de uma discussão (não dou desculpa a nenhuma delas)
    Abracinho meu

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão. Faz confusão como as pessoas deixam-se viver assim, nesta condições...
    Bj** e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…