Avançar para o conteúdo principal

A Língua do Michael Jordan

O ídolo
(imagem retirada da Internet)
Um dia destes, enquanto assistia a um treino do meu filho, reparo que ele está sempre de língua de fora...
Ele não é daqueles miúdos que põem a língua de fora quando escrevem ou quando fazem qualquer coisa que lhes exija um pouco mais de concentração, por isso estranhei!
No intervalo que o treinador lhes dá para irem beber água, ele chega-se ao pé de mim e diz:
-Viste, mãe, estive de língua de fora como o Michael Jordan?
(Para quem não conhece, o Michael Jordan, o mocinho aqui ao lado, foi um dos melhores jogadores de basquetebol do mundo e uma das suas características era jogar com a língua de fora.)

O meu filho estava todo orgulhoso a imitar o Michael Jordan, sentia-se o melhor jogador do mundo à custa da sua linguinha ao vento, mas eu (estúpida!) estraguei a sua alegria, com esta minha triste saída:
-Pois, mas se não pões a língua para dentro ainda a mordes se te derem um encontrão, além de pareceres um tontinho...

Arrependi-me da parte do tontinho, não era necessária, ele teria percebido a mensagem se eu não a tivesse dito... 

Ao que ele me respondeu com um ar, um tanto ou quanto, assustado e desiludido:
-Pronto, agora ponho a língua para dentro!

Por vezes, esta mãe não tem mesmo tento na língua...

Comentários

  1. Pois eu sempre pus a língua de fora quando escrevo, quando faço trabalhos manuais e coisas que quero fazer bem... tal como o meu pai quando conduzia e cavava a terra!
    Deixa lá, ele depois vai perceber que estavas a tentar evitar que ele se magoasse...

    ResponderEliminar
  2. ÓH lá lhe estragaste o sonho de fazer igualzinho ao idolo. Não podemos ser perfeitas certo? mas mães seremos sempre e queremos o melhor para eles. Bj**

    ResponderEliminar
  3. Deixa lá... depressa se esquece e vai valorizar encestar tão bem como o Michael Jordan ou como o Scottie Pippen...
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Puuutzzzz, acabou com o menino...tadinho....
    Meldels....eu já fiz isso, mas sorte minha que não era minha mãe que notou, havia sido um amigo meu que sabia do Jordan....
    Caso fosse minha mãe, acho que teria a mesma reação kkkkk

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

No Meu Colo

É incrível que quando vens de manhã deitar-te a meu lado, o abraço que me dás continue a ser com aqueles braços pequeninos de há anos. O estado semi-adormecido em que me encontro não distingue os anos que já passaram. Sinto as tuas mãos pequeninas a apertarem instintivamente o meu braço, como se ainda não conseguissem controlar a força ou o movimento; como se, ainda, tivessem os dedos gordinhos e minúsculos.  Abro os olhos e estás grande, mas a expressão do teu rosto é igual à do bebé que me cabia no colo. De certa forma, continuas a caber-me no colo...  O meu peito abraça-te, não os braços. E com o peito podemos abraçar o mundo. Cabe-nos tudo cá dentro. E tu, mesmo quando não estás, estarás sempre aqui dentro. No meu peito. E no meu colo. De certa forma, continuarás sempre a caber-me no colo. 

O Tuga é Fixe!

Sim, o tuga é fixe. E bondoso. Tão bondoso que até quando tira a selfie em frente ao velho monumento, o faz com cara de anjo e dentes arreganhados. Não interessa o calhau que lhe serve de fundo, interessa apenas o sorriso repleto de bondade. Resplandecente de bondade.  A benevolência é tal que está sempre pronto a dar o pedaço de pão ao pobre, a fazer o voluntariadozinho junto dos coitadinhos, a salvar o cão que lhe matou o filho, a levar o refugiado para casa... Coração imenso, grandioso. Só tem um bocadito de medo de votar diferente nas urnas, não vá um estranho para o poder e lhe troque as voltas. E mude alguma coisa no país que o faça deixar de saber onde está o coitadinho, como se pode desviar do pobre, se cortaram as unhas ao cão ou quem é o refugiado. E tem medo de exigir que os governos governem e que a igualdade se torne realidade. (É que estas coisas acabadas em "ade" sempre foram tão perigosas... Assim como a liberdade que, ao fim de quarenta anos, ainda não