Avançar para o conteúdo principal

Juro Que Não Queria, Mas Teve Mesmo Que Ser...

É verdade, eu estava um bocadinho renitente em vir aqui falar da greve, mas este assunto está a começar a fazer-me aquela comichãozita no céu-da-boca, por isso vou ter mesmo que dizer umas coisitas!

Perdoem-me os grevistas e os antigrevistas, mas acho, sinceramente, que esta greve é inútil! Fizeram-se tantas greves ultimamente e qual foi o resultado? Nenhum! Está tudo igual ou pior!

Grevistas amigos, acham mesmo que o governo se ressentiu, um bocadinho que seja, com as últimas greves da função pública, dos transportes ou mesmo com as gerais?
Eu, na minha profunda ignorância, penso que não!
(Atenção: sou a favor do direito à greve, sempre!)

Queridos antigrevistas, acham mesmo que o facto de não terem feito greve os protegeu de alguma coisa? Que lhes assegurou o emprego, que produziram alguma coisa de extraordinário nos departamentos quase vazios?
Mais uma vez, na minha profunda ignorância, acho que não!

Será que não percebem que hoje em dia e nas condições em que estamos, a greve não serve de grande coisa? E que a não-greve também não...

E agora, de certeza, que me querem perguntar se eu fiz greve, já que estou para aqui a criticar quem a fez e quem não a fez...

Não fiz greve, porque não posso, estou desempregada, mas se pudesse, talvez não a fizesse, porque acho que não iria servir para nada! Acho que, nos dias de hoje (e com muita pena minha) é uma forma de luta inútil! E ainda digo mais, se eu acreditasse que mudaria alguma coisa, por mais pequena que fosse, era bem capaz de ir ao Centro de Emprego dizer para não me pagarem o dia de hoje por eu estar em greve (acreditem que sou suficientemente parva para isso e muito mais, quando acredito numa causa!).

Se, em vez de greves, umas atrás das outras, de manifestações empestadas de gente que quer é fazer porcaria (claro que com as devidas excepções) e ter desculpa para beber uns copos, saíssemos todos da praia ou do conforto do lar e fôssemos às urnas votar (nem que votássemos em branco), não seria mais interventivo? Não seria a melhor maneira de mostrarmos o nosso verdadeiro descontentamento com os sucessivos governos que temos tido?

E porque será que, em Portugal, são sempre os mesmos partidos a ganhar as eleições e esses partidos são os que têm mais dinheiro, que dão mais jantaradas, que oferecem as bandeirolas mais coloridas, que têm os candidatos que dão mais beijinhos e aparecem mais vezes na televisão?

Não será, porque quando há a ideia do luxo, do contacto com gente famosa, do mediatismo, da farra, o povo português fica deslumbrado? Dêem-lhe festarolas, copos, boa comida em grandes quantidades, futebol e um brindezinho da treta, que o povo vota todo contente e acredita que estes gajos é que são fixes, estes gajos é que vão fazer de nós um povo à maneira, cheio de LCDs, de telemóveis, de carros caros, de jóias pirosas e roupa de marca estrangeira (porque o estrangeiro é que é bom!).

(Pois é, a minha triste ignorância, leva-me a pensar todas estas coisas horríveis!)

E agora, pensem comigo, por favor, pois a minha loirice, às vezes, impede-me de raciocinar com clareza:
Se as roupas, os carros, as televisões, as jóias e até a comida que consumimos são estrangeiras, porque raio querem que produzamos mais, porque raio querem que trabalhemos mais meia hora por dia? Vamos produzir coisas para quem comprar? Se até nós rejeitamos o que é nosso, se até nós achamos que o produto estrangeiro é melhor do que o nosso... Quem acham que vai acreditar que temos coisas boas se nem nós próprios acreditamos?

Não pensem que, com isto, estou a chamar o povo português de estúpido, pois não estou! O povo português não é nada estúpido, antes pelo contrário... Especialmente, quando acha que vai tirar algum proveito das situações, especialmente quando pensa que pode ficar em vantagem sobre os restantes, que vai ficar mais rico e ser mais admirado!

Mas o povo português também é um dos melhores a trabalhar quando emigrado... Pois é, quando emigrado!
Quando tem chefias que dão o exemplo, quando tem chefias que organizam o trabalho de maneira a tornar cada um dos trabalhadores mais produtivo, quando a própria chefia é mais produtiva... Porque o problema aqui não é da classe trabalhadora, do povo, mas é das chefias, dos governantes, dos exemplos que vêm de cima...
E quem coloca os governantes no poder? Nós, o povo!
E porque não elegemos governantes de jeito? Porque, simplesmente, não vamos votar...
Temos uma percentagem de abstenção assustadora, porque é mais fixe ir curtir uma prainha do que ir para as bichas nas mesas de voto... Se, pelo menos, oferecessem umas "bejecas" ou umas "sandochas de coiratos" ainda valia a pena levantar o rabo da toalha de praia ou do sofá, mas assim...

E salvo SEMPRE as devidas excepções, que se não fossem elas, estaríamos muito, mas muito pior...

Mensagens populares deste blogue

A sesta

Às vezes ainda sinto o cheiro do colchão forrado a plástico impermeável azul do infantário. Volto à sala dos quatro anos, onde, na semi-obscuridade, tento dormir.
Vejo as persianas descidas quase até acima e conto os quadradinhos de luz que saem das duas últimas filas dos estores que ficaram por fechar. Fixo os olhos na luz e na vontade de sair para rua num dia bonito de Verão. Estou aprisionada naquela sala transformada em dormitório infantil e sinto, hoje, a mesma impaciência que sentia pelo fim da hora da sesta.

A Preciosa e a Isabel cochicham junto à porta, enquanto controlam quem ainda não dorme. Estão sentadas nas cadeiras minúsculas e rodeadas por um clarão de luz. Invejo-as por ninguém as obrigar a dormir, por estarem ali na conversa, ao contrário de mim que estou aprisionada no colchão com a cara colada ao plástico azul. Tento descolar-me do colchão, mas o movimento da minha cabeça denunciar-me-ia às educadoras.
Olho para o meu colega do lado, também de quatro anos, que dorme…

"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

O Desprezo É A Melhor Arma

Não sou pessoa de dar desprezo a ninguém. Gosto de discutir, trocar ideias e pontos de vista e, por fim, de chegar a um consenso. Resolver a questão, arrumá-la ou atirá-la para trás das costas, porque a conversa nos iluminou os pensamentos difusos. Mas há pessoas, com as quais isso não é possível. Facto este, que me chateia particularmente... Gostava de conseguir esclarecer assuntos que acabam por ficar no ar e que geram mal-entendidos. Mas nem sempre consigo. Muitas vezes, não consigo. Ou porque a outra parte não está para aí virada, ou, pura e simplesmente, porque a única coisa que está disposta a ouvir é a sua própria voz. Tenho que admitir que, nestes casos, a melhor arma é o desprezo. Se o principal objectivo do nosso interlocutor é magoar-nos, enxovalhar-nos ou obrigar-nos a admitir que a razão nunca o abandona, não há matéria para discussão, nem vontade... Resta, apenas, o desperdício do nosso latim, atirado, com força, contra uma parede maciça, que acaba por o fazer evaporar …

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!