Avançar para o conteúdo principal

Juro Que Não Queria, Mas Teve Mesmo Que Ser...

É verdade, eu estava um bocadinho renitente em vir aqui falar da greve, mas este assunto está a começar a fazer-me aquela comichãozita no céu-da-boca, por isso vou ter mesmo que dizer umas coisitas!

Perdoem-me os grevistas e os antigrevistas, mas acho, sinceramente, que esta greve é inútil! Fizeram-se tantas greves ultimamente e qual foi o resultado? Nenhum! Está tudo igual ou pior!

Grevistas amigos, acham mesmo que o governo se ressentiu, um bocadinho que seja, com as últimas greves da função pública, dos transportes ou mesmo com as gerais?
Eu, na minha profunda ignorância, penso que não!
(Atenção: sou a favor do direito à greve, sempre!)

Queridos antigrevistas, acham mesmo que o facto de não terem feito greve os protegeu de alguma coisa? Que lhes assegurou o emprego, que produziram alguma coisa de extraordinário nos departamentos quase vazios?
Mais uma vez, na minha profunda ignorância, acho que não!

Será que não percebem que hoje em dia e nas condições em que estamos, a greve não serve de grande coisa? E que a não-greve também não...

E agora, de certeza, que me querem perguntar se eu fiz greve, já que estou para aqui a criticar quem a fez e quem não a fez...

Não fiz greve, porque não posso, estou desempregada, mas se pudesse, talvez não a fizesse, porque acho que não iria servir para nada! Acho que, nos dias de hoje (e com muita pena minha) é uma forma de luta inútil! E ainda digo mais, se eu acreditasse que mudaria alguma coisa, por mais pequena que fosse, era bem capaz de ir ao Centro de Emprego dizer para não me pagarem o dia de hoje por eu estar em greve (acreditem que sou suficientemente parva para isso e muito mais, quando acredito numa causa!).

Se, em vez de greves, umas atrás das outras, de manifestações empestadas de gente que quer é fazer porcaria (claro que com as devidas excepções) e ter desculpa para beber uns copos, saíssemos todos da praia ou do conforto do lar e fôssemos às urnas votar (nem que votássemos em branco), não seria mais interventivo? Não seria a melhor maneira de mostrarmos o nosso verdadeiro descontentamento com os sucessivos governos que temos tido?

E porque será que, em Portugal, são sempre os mesmos partidos a ganhar as eleições e esses partidos são os que têm mais dinheiro, que dão mais jantaradas, que oferecem as bandeirolas mais coloridas, que têm os candidatos que dão mais beijinhos e aparecem mais vezes na televisão?

Não será, porque quando há a ideia do luxo, do contacto com gente famosa, do mediatismo, da farra, o povo português fica deslumbrado? Dêem-lhe festarolas, copos, boa comida em grandes quantidades, futebol e um brindezinho da treta, que o povo vota todo contente e acredita que estes gajos é que são fixes, estes gajos é que vão fazer de nós um povo à maneira, cheio de LCDs, de telemóveis, de carros caros, de jóias pirosas e roupa de marca estrangeira (porque o estrangeiro é que é bom!).

(Pois é, a minha triste ignorância, leva-me a pensar todas estas coisas horríveis!)

E agora, pensem comigo, por favor, pois a minha loirice, às vezes, impede-me de raciocinar com clareza:
Se as roupas, os carros, as televisões, as jóias e até a comida que consumimos são estrangeiras, porque raio querem que produzamos mais, porque raio querem que trabalhemos mais meia hora por dia? Vamos produzir coisas para quem comprar? Se até nós rejeitamos o que é nosso, se até nós achamos que o produto estrangeiro é melhor do que o nosso... Quem acham que vai acreditar que temos coisas boas se nem nós próprios acreditamos?

Não pensem que, com isto, estou a chamar o povo português de estúpido, pois não estou! O povo português não é nada estúpido, antes pelo contrário... Especialmente, quando acha que vai tirar algum proveito das situações, especialmente quando pensa que pode ficar em vantagem sobre os restantes, que vai ficar mais rico e ser mais admirado!

Mas o povo português também é um dos melhores a trabalhar quando emigrado... Pois é, quando emigrado!
Quando tem chefias que dão o exemplo, quando tem chefias que organizam o trabalho de maneira a tornar cada um dos trabalhadores mais produtivo, quando a própria chefia é mais produtiva... Porque o problema aqui não é da classe trabalhadora, do povo, mas é das chefias, dos governantes, dos exemplos que vêm de cima...
E quem coloca os governantes no poder? Nós, o povo!
E porque não elegemos governantes de jeito? Porque, simplesmente, não vamos votar...
Temos uma percentagem de abstenção assustadora, porque é mais fixe ir curtir uma prainha do que ir para as bichas nas mesas de voto... Se, pelo menos, oferecessem umas "bejecas" ou umas "sandochas de coiratos" ainda valia a pena levantar o rabo da toalha de praia ou do sofá, mas assim...

E salvo SEMPRE as devidas excepções, que se não fossem elas, estaríamos muito, mas muito pior...

Mensagens populares deste blogue

Marcadores: Capítulo 5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Por entre livros e árvores

Estou sentada no sofá do supermercado junto aos livros.

Incrivelmente este supermercado tem um sofá para quem vê livros. Confesso que sou uma parasita das livrarias, daquelas que lêem muitos pedaços de literatura e raramente compram alguma coisa. Namoro livros durante meses, às vezes anos e só os compro quando já se criou uma certa intimidade entre mim e eles, ou entre mim e os seus autores.
Também compro por impulso, mas é mais raro agora que tenho menos dinheiro para consumismos.

Hoje, levo comigo para o sofá o Lobo Antunes e o Rodrigo Guedes de Carvalho. Vou lendo pedaços de um e de outro. Salto capítulos, reviro os livros e escolho páginas aleatórias na tentativa de entrar nas histórias e nas palavras. Mergulho em parágrafos que me marcam, afundo-me em frases que me fazem eco. Volto à superfície.

Por momentos, desvio o olhar dos livros para perceber o que se passa à minha volta. Entram e saem pessoas do supermercado. Há um homem que passa de guarda-chuva em punho como se fosse uma…

Marcadores: Capítulo 4

Levantou a cabeça. Olhou-me como se fosse pela primeira vez. Senti os olhos a percorrerem-me o rosto. Contornou-me os olhos, a boca, o nariz e parou o olhar para além de mim. É estranha a sensação de nos desenharem com os olhos, vermos-nos estampados na mente dos outros, recortados, colados e redesenhados. Deixamos de ser nós para passarmos a ser uma ideia de nós. Ana desenhou-me, mas abandonou a obra a meio para se colocar a uma distância de segurança. Foi para além de mim e por lá ficou.  - Desculpe tê-lo incomodado. Não devia ter vindo contagiá-lo com a minha tristeza. Estava aqui sossegado a beber a sua cerveja, melhor do que uísque, e vim trazer-lhe tristezas. A minha vida não tem estado fácil… Desculpe-me. É melhor ir-me embora. - Não, deixe-se estar. Estou a gostar de estar consigo. Além disso, não está em condições de ir sozinha para casa. Pelo menos, por agora. – disse-lhe, enquanto observava os dedos que tentavam desfolhar o marcador em forma de flor mais ou menos a meio do li…

Marcadores: Capítulo 1

Sentei-me na mesma mesa do canto. Pedi uma cerveja, acendi um cigarro e fiquei a olhar o mar. A esplanada estava quase vazia. Às três da tarde é normal não haver muita gente por aqui. Está muito calor. É a hora de que mais gosto, porque o vazio do espaço e a paisagem cheia ajudam-me a rascunhar palavras no meu caderninho. Escrevo frases soltas, sem grande nexo, que depois uso nos meus livros. O mar, lá em baixo, no fim da falésia a bater nas rochas e a brisa ligeira, cá em cima, a refrescar-me a mente, libertam as palavras que tenho presas em mim. Preciso de as soltar para voltar ao ténue equilíbrio que me mantém vivo. Trouxeram-me amendoins salgados. Sabem que são os meus aperitivos preferidos para acompanhar a cerveja. Bebo-a com mais gosto e com mais sede. Bebo golos pequenos, o gás faz-me arrotar se a tentar beber de um trago. Por isso, depenico a cerveja, e os amendoins, da mesma forma que sempre depeniquei a vida. Ela surgiu no cimo das escadas que nos leva até à esplanada. Sent…