Avançar para o conteúdo principal

Fome

Há uns tempos atrás, quando ia para o trabalho, encontrava várias vezes um senhor idoso a pedir esmola à saída do comboio. Dei-lhe dinheiro, não sempre, mas em algumas ocasiões...
Este senhor impressionou-me pela sua fragilidade, por isso falei sobre ele, cá em casa. Contei que ele me parecia sofrer de várias doenças devidas à idade e que não teria dinheiro para comer quanto mais para os vários medicamentos que provavelmente tinha que tomar. O J. foi particularmente sensível a esta história e começou a arranjar soluções para o ajudarmos. Foi à despensa buscar um litro de leite, umas bolachas e um garrafão de água e disse:
-Mãe, vamos levar isto ao senhor! Assim, já tem alguma coisa para comer... 
Enterneceu-me a preocupação dele, mas como eu não sabia o dia da semana que poderíamos encontrar o senhor na estação (pois ele não aparecia a dias certos) acabámos por nunca lhe levar os alimentos. Foi pena, pois acho que o J. ia gostar de sentir que podia fazer alguma coisa para o ajudar.

Nas férias desse ano, fomos a Roma. 
Roma é uma cidade belíssima, cada pedra em que tropeçamos é um monumento. Mas Roma também é uma lição de vida, porque à porta das igrejas mais luxuosas encontramos uma dezena de pedintes...
Por incrível que pareça, o caminho para o Vaticano seria o local ideal para elaborarmos um catálogo completo de pedintes. Lá, podemos encontrar  todo o tipo de "restos humanos", desde pessoas com tumores enormes, com membros amputados, a velhos e mulheres com crianças ao colo sob um sol abrasador, há de tudo...
Um muro alto separa o luxo extremo da "sede real da Igreja Católica" da realidade em que vivemos e separa-a efectivamente, pois o Império Católico não mostra a mais pequena sensibilidade sobre o que passa para além daquele muro...

Vaticano

A riqueza da Basílica de São Pedro choca, especialmente, perante o que temos que ver até lá chegar...
Se desprovêssemos a Basílica de São Pedro do ouro que a adorna (sem termos que ir buscar mais à imensa riqueza da Igreja) daria para acabar com a fome de muitas daquelas pessoas...
Claro, que não sou tão ingénua ao ponto de pensar que todos os pedintes que vimos na rua são pessoas com uma verdadeira necessidade de mendigar. No entanto, acredito que muitos casos são, realmente, de extrema pobreza...
E fico impressionada, indignada (e mais umas tantas outras coisas acabadas em ada, como por exemplo, lixada), quando vejo entidades tão poderosas como a Igreja Católica, que se dizem bondosas e altruístas, a fazerem praticamente nada para combater a fome no mundo e a ostentarem tanto luxo e riqueza!

Basílica de São Pedro (interior)
Para entrarmos na Basílica de São Pedro, temos que tampar os ombros e as pernas. Eu, por saber disto,  levei uma écharpe grande para me tapar...
Antes de entrarmos o pai do J. criticou o facto de eu a usar. Ele achava que era uma parvoíce e que eu não devia fazê-lo, se não concordava com isso. Ao contrário dele, eu acho que, quando queremos entrar na toca do lobo, devemos vestir a pele do lobo e não a do cordeiro, para evitar que sejamos comidos.
Foi o que fiz e confesso que foi um acto um pouco hipócrita da minha parte, mas a minha hipocrisia não é nada se a compararmos com a do Vaticano que rodeia um local, que deveria ser de culto, com artigos de merchandising para engrossar a, já enorme, fortuna do Vaticano. Se somarmos a isto, as caixas de esmolas e as velas de moedinhas, conseguimos, então, compreender melhor a imensa importância que a Igreja dá a fazer dinheiro. Dinheiro este que não é só usado para ajudar os pobres, mas especialmente para encher os  próprios bolsos.

Esta nossa estadia em Roma, no fundo, serviu para o meu filho perceber que o mundo está cheio de desigualdades e que para existirem igrejas cheias de ouro, tem que existir muita gente com fome...
Ele zangou-se comigo, várias vezes, por eu não dar esmola a todas as pessoas que vimos a pedir, mas como eu sou egoísta, prefiro guardar algum dinheiro para poder viajar e mostrar-lhe as coisas boas, mas também as más deste mundo e, com isto, contribuir para fazer dele uma pessoa um bocadinho melhor por estar alerta para a realidade, por mais dura que esta possa parecer...


Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …