Avançar para o conteúdo principal

Definitivamente, o meu filho é mesmo meu filho!

Se dúvidas houvessem sobre o J. ser meu filho, elas acabariam, como que por magia, ao verem-nos ir às compras.

Ontem, tivemos que ir comprar sapatos para o rapaz. Primeiro, foram só ele e o pai, comprar ténis, depois eu juntei-me a eles para comprar as botas de Inverno e algumas camisolas que estavam em falta. 

O pai, que gosta de ir às compras, estava todo entusiasmado a procurar camisolas naqueles montes de roupa que eu abomino, enquanto eu bufava por todos os lados com o calor que estava na loja e devido à minha falta de paciência... O J. via-se em todos os espelhos que encontrava e dançava ao estilo do Michael Jackson para se distrair da seca que estava a apanhar...
Quando lhe púnhamos uma camisola à frente para ver se servia, não conseguia estar quieto. (A mesma impaciência que já se tinha apoderado de mim, estava a tomar conta dele...)
Felizmente, saímos da loja com duas camisolas na mão, mas precisávamos de mais e ainda faltavam as botas...

No caminho para a loja seguinte, o miúdo pergunta:
-Não podemos ir à livraria?
-Não, hoje viemos comprar roupa!
(Como eu preferia ir para livraria com ele e ficarmos a deliciarmo-nos no meio dos livros infantis...)

Mal entrámos noutra loja, o J. diz:
- Quero sentar-me!
(Também eu queria...)
Ao que eu lhe respondi para se sentar e esperar enquanto nós procurávamos mais camisolas e as botas...

O pai, com uma calma e paciência invejáveis, procurava as camisolas por entre os cabides, eu procurava tudo à pressa para sair dali o quanto antes, o J. revirava-se no banco enquanto esperava...

Quando lhe demos umas botas para experimentar, afirmou que estavam todas boas, tanto as maiores como as mais pequenas... Ele queria era despachar aquilo!

O pai ainda estava disposto a ir procurar mais camisolas, mas nós já estávamos pelos cabelos e à sugestão dele de irmos a mais lojas, o J. responde que já estava farto e eu (com uma grande vontade de dizer o mesmo) digo que noutro dia viria às compras com mais calma...

É por estas e por outras, que se desfazem todas as dúvidas possíveis de não ser eu a mãe dele...
O rapaz pode ser a cara chapada do pai, ser distraído como ele, ter gestos e expressões que são autênticas fotocópias do pai, mas a aversão por compras é decididamente resultado da contribuição dos meus genes na sua concepção! Pode não ser uma daquelas características que não nos deixam cheios de orgulho, mas eu revejo-me completamente nela!
Ah! E o crescimento à velocidade da luz, que nos faz ter que lhe comprar roupa de 3 em 3 meses, também ajuda a provar que o meu contributo, para esta grande obra de arte que é o meu filho (podem procurar à vontade, que não vão encontrar nesta afirmação nem um vislumbre de modéstia!) foi mais do que carregá-lo no útero durante 9 meses, pois, para quem não sabe, os meus 1,80 cm de altura foram acompanhados por muita roupinha curta sempre pronta a ser substituída por tamanhos muito acima dos indicados para a minha idade!

Comentários

  1. Uma mulher que detesta ir às compras? não conheço mais nenhuma senão tu.

    ResponderEliminar
  2. Pois é, eu sei que é uma característica muito pouco feminina, mas não gosto mesmo...
    :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Eu também odeio ir as compras, principalmente nas grandes superficies, parece que me falta o ar e detesto a época dos saldos aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii


    solidária contigo


    beijo

    ResponderEliminar
  4. ahahah Mas que paciente e gastador ele é.

    ResponderEliminar
  5. Felina
    Obrigada pela solidariedade!

    S*
    Tal mãe, tal filho!

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…