Avançar para o conteúdo principal

Definitivamente, o meu filho é mesmo meu filho!

Se dúvidas houvessem sobre o J. ser meu filho, elas acabariam, como que por magia, ao verem-nos ir às compras.

Ontem, tivemos que ir comprar sapatos para o rapaz. Primeiro, foram só ele e o pai, comprar ténis, depois eu juntei-me a eles para comprar as botas de Inverno e algumas camisolas que estavam em falta. 

O pai, que gosta de ir às compras, estava todo entusiasmado a procurar camisolas naqueles montes de roupa que eu abomino, enquanto eu bufava por todos os lados com o calor que estava na loja e devido à minha falta de paciência... O J. via-se em todos os espelhos que encontrava e dançava ao estilo do Michael Jackson para se distrair da seca que estava a apanhar...
Quando lhe púnhamos uma camisola à frente para ver se servia, não conseguia estar quieto. (A mesma impaciência que já se tinha apoderado de mim, estava a tomar conta dele...)
Felizmente, saímos da loja com duas camisolas na mão, mas precisávamos de mais e ainda faltavam as botas...

No caminho para a loja seguinte, o miúdo pergunta:
-Não podemos ir à livraria?
-Não, hoje viemos comprar roupa!
(Como eu preferia ir para livraria com ele e ficarmos a deliciarmo-nos no meio dos livros infantis...)

Mal entrámos noutra loja, o J. diz:
- Quero sentar-me!
(Também eu queria...)
Ao que eu lhe respondi para se sentar e esperar enquanto nós procurávamos mais camisolas e as botas...

O pai, com uma calma e paciência invejáveis, procurava as camisolas por entre os cabides, eu procurava tudo à pressa para sair dali o quanto antes, o J. revirava-se no banco enquanto esperava...

Quando lhe demos umas botas para experimentar, afirmou que estavam todas boas, tanto as maiores como as mais pequenas... Ele queria era despachar aquilo!

O pai ainda estava disposto a ir procurar mais camisolas, mas nós já estávamos pelos cabelos e à sugestão dele de irmos a mais lojas, o J. responde que já estava farto e eu (com uma grande vontade de dizer o mesmo) digo que noutro dia viria às compras com mais calma...

É por estas e por outras, que se desfazem todas as dúvidas possíveis de não ser eu a mãe dele...
O rapaz pode ser a cara chapada do pai, ser distraído como ele, ter gestos e expressões que são autênticas fotocópias do pai, mas a aversão por compras é decididamente resultado da contribuição dos meus genes na sua concepção! Pode não ser uma daquelas características que não nos deixam cheios de orgulho, mas eu revejo-me completamente nela!
Ah! E o crescimento à velocidade da luz, que nos faz ter que lhe comprar roupa de 3 em 3 meses, também ajuda a provar que o meu contributo, para esta grande obra de arte que é o meu filho (podem procurar à vontade, que não vão encontrar nesta afirmação nem um vislumbre de modéstia!) foi mais do que carregá-lo no útero durante 9 meses, pois, para quem não sabe, os meus 1,80 cm de altura foram acompanhados por muita roupinha curta sempre pronta a ser substituída por tamanhos muito acima dos indicados para a minha idade!

Comentários

  1. Uma mulher que detesta ir às compras? não conheço mais nenhuma senão tu.

    ResponderEliminar
  2. Pois é, eu sei que é uma característica muito pouco feminina, mas não gosto mesmo...
    :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Eu também odeio ir as compras, principalmente nas grandes superficies, parece que me falta o ar e detesto a época dos saldos aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii


    solidária contigo


    beijo

    ResponderEliminar
  4. ahahah Mas que paciente e gastador ele é.

    ResponderEliminar
  5. Felina
    Obrigada pela solidariedade!

    S*
    Tal mãe, tal filho!

    Bjs

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…