Avançar para o conteúdo principal

Carneiros

Não gosto de carneiros! Não estou a falar dos animais, esses como-os, sem grande satisfação, é certo, pois em tempos, passei um dia inteiro a ajudar um veterinário a vaciná-los e cada vez que os como, cheiram-me sempre ao borreguinho vivo, branquinho e fofinho. 

Os carneiros de que não gosto são aqueles que seguem cegamente um suposto ídolo e que dizem "ámen" a todas as idiotices por eles proferidas. Não gosto dos carneiros políticos, dos religiosos e muito menos dos carneiros sociais!

Porém, não os excluo totalmente, pois penso que têm alguma utilidade, especialmente para os que seguem, enaltecendo-lhes o ego e fazendo-os sentirem-se importantes. Também não gosto que me sigam cegamente, gosto, logicamente, que me elogiem, que gostem de mim, do que digo, do que escrevo, mas também gosto que me critiquem, que contestem as minhas ideias, que contraponham as minhas teorias, enfim, que tenham opiniões diferentes da minha. E penso assim, porque não me julgo dona da verdade (nem tenho pretensões a isso) e não acho que haja alguma teoria completamente isenta de uma contra teoria! Gosto tanto que aprendam comigo como de aprender com os outros e penso que me daria muito menos prazer se fosse de outra forma!

É óbvio que as nossas ideias vêm sempre um pouco do que lemos, do que ouvimos, do que estudamos, do que discutimos, mas também vêm do nosso próprio raciocínio, da nossa visão pessoal das coisas, por isso são as NOSSAS ideias e não meras citações.

É essa ausência de ideias próprias que me aflige nos carneiros! 
Se despendermos um tempinho a observá-los, chegamos à conclusão que os carneiros não pensam e que é por não pensarem que repetem as ideias dos seus ídolos, que vomitam sem nexo, sem coerência, sem sentido crítico...

Acho triste existir pessoas que apenas usam a cabeça para a levarem ao cabeleireiro ou para a decorarem com chapéus! Acho triste que não vejam mais nenhuma utilidade nela e que precisem dos outros para darem a impressão que raciocinam.
Não vejo mal nenhum em partilharem-se opiniões e em estar-se de acordo, mas desconfio sempre quando uma determinada pessoa concorda sempre com outra determinada pessoa... 

Por vezes, quando discutimos com um carneiro, vemo-lo a defender uma teoria ferozmente, até ao momento em que aparece o seu ídolo a concordar connosco e, nesse preciso instante, o carneiro muda de opinião e passa instantaneamente a estar de acordo com o que rejeitava à partida. E muda de ideias não porque, através do seu raciocínio, tenha chegado à conclusão que estávamos certos, mas porque o sujeito digno da sua admiração concorda connosco. Chegam a ser deprimentes!

Dantes, esta carneiragem só me deprimia, mas actualmente começa mesmo a assustar-me, porque cada vez mais este país está a tornar-se numa imensa pastagem, cheia de carneiros e com um ou dois pastores ignóbeis, que os obrigam a pastar sem que possam desviar o olhar de um pasto seco, bolorento, mal cheiroso e desenxabido! E os cães... esses, que ainda se ouviam ladrar de vez em quando, estão a ficar afónicos!

Imagem retirada da Internet

Mensagens populares deste blogue

#metoo ou eu também já vi muita coisa

Já fui bastante assediada, especialmente até aos trinta, trinta e poucos. Acho que, por isso, fui desenvolvendo uma capacidade que me permite notar situações de assédio, ou de simples interesse sexual, à distância. Não só quando sou eu a visada, mas também quando são outras pessoas. Normalmente, reparo no(a) assediador(a) e no(a) assediado(a).

Vou contar-vos uma história que aconteceu comigo quando eu tinha uns quinze ou dezasseis anos.
Nessa altura eu frequentava amiúde as matinés de uma discoteca aqui da terra. Era miúda e era assim que passávamos as tardes chatas de domingo.
Um dia estava com uma amiga à porta da dita discoteca e houve um puto, mais ou menos da minha idade, que me fez uma proposta: pagava-me uma bebida lá dentro se eu curtisse com ele naquela tarde. Eu, que durante a adolescência tinha fama de antipática e petulante (creio que esta última característica se devia essencialmente à minha altura e timidez que, juntas, me faziam parecer uma pessoa petulante), mandei-o à…

Marcadores #5

Ana entrou no quarto, sentou-se na beira da cama, acariciou o rosto da mãe e perguntou: - Como te sentes hoje? - Mais ou menos. Agora, não tenho dores. - Ao menos isso... Queres que te traga alguma coisa? - Não, obrigada. Fica só aqui comigo a conversar. - Fico pois! – disse enquanto massajava a mão da mãe para a aquecer. Ana visitava Cármen diariamente. Aparecia geralmente ao fim do dia, porque trabalhava até tarde. Detestava só sair do trabalho depois do sol-posto, especialmente agora que a mãe precisava tanto dela. - Dormiste bem? – perguntou sem lhe lagar a mão gelada. - Sim, tenho a sensação – parou para respirar - que consegui dormir algumas horas seguidas – continuou a custo. Acariciou a mão da filha como se ainda fosse uma mão pequenina que poderia guardar dentro da sua. Observou-lhe o rosto com ternura e articulou as palavras devagarinho: - Filha, nunca mais me falaste do teu trabalho. Como está a correr? Ana resumiu as últimas semanas de trabalho. Falou dos colegas, que ainda não es…

Um Pavor de Pai Natal

O J. que nunca gostou de Pais Natal foge cada vez que encontra um nos Centros Comerciais. Hoje, quando andávamos às compras, rezando para que não encontrássemos nenhum à esquina, pergunta-me: - Alguma vez me tentaste obrigar a sentar ao colo de um Pai Natal? - Não, claro que não. Ainda mais eu que sempre tive medo de palhaços e te compreendo tão bem por não gostares de Pais Natal. - A sério? Sempre tiveste medo de palhaços? - pergunta, sentindo o seu medo menos solitário. - Sim, sempre tive medo de palhaços e mascarados. Fazia-me impressão não  lhes conseguir ver as expressões faciais. - Mas houve uma vez que te mascaraste de palhaço... - Sim, mas isso já foi mais tarde. Além disso, não tinha medo de mim, como é lógico. - E o pai? Tentou sentar-me ao colo de algum Pai Natal? - Não, que me lembre, não. Mas o pai não te ia fazer isso... Nenhum de nós te ia obrigar a sentar ao colo do Pai Natal. Podíamos ter perguntado se querias, mas obrigar-te não, de certeza. Porque perguntas isso? -…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…