Avançar para o conteúdo principal

Carneiros

Não gosto de carneiros! Não estou a falar dos animais, esses como-os, sem grande satisfação, é certo, pois em tempos, passei um dia inteiro a ajudar um veterinário a vaciná-los e cada vez que os como, cheiram-me sempre ao borreguinho vivo, branquinho e fofinho. 

Os carneiros de que não gosto são aqueles que seguem cegamente um suposto ídolo e que dizem "ámen" a todas as idiotices por eles proferidas. Não gosto dos carneiros políticos, dos religiosos e muito menos dos carneiros sociais!

Porém, não os excluo totalmente, pois penso que têm alguma utilidade, especialmente para os que seguem, enaltecendo-lhes o ego e fazendo-os sentirem-se importantes. Também não gosto que me sigam cegamente, gosto, logicamente, que me elogiem, que gostem de mim, do que digo, do que escrevo, mas também gosto que me critiquem, que contestem as minhas ideias, que contraponham as minhas teorias, enfim, que tenham opiniões diferentes da minha. E penso assim, porque não me julgo dona da verdade (nem tenho pretensões a isso) e não acho que haja alguma teoria completamente isenta de uma contra teoria! Gosto tanto que aprendam comigo como de aprender com os outros e penso que me daria muito menos prazer se fosse de outra forma!

É óbvio que as nossas ideias vêm sempre um pouco do que lemos, do que ouvimos, do que estudamos, do que discutimos, mas também vêm do nosso próprio raciocínio, da nossa visão pessoal das coisas, por isso são as NOSSAS ideias e não meras citações.

É essa ausência de ideias próprias que me aflige nos carneiros! 
Se despendermos um tempinho a observá-los, chegamos à conclusão que os carneiros não pensam e que é por não pensarem que repetem as ideias dos seus ídolos, que vomitam sem nexo, sem coerência, sem sentido crítico...

Acho triste existir pessoas que apenas usam a cabeça para a levarem ao cabeleireiro ou para a decorarem com chapéus! Acho triste que não vejam mais nenhuma utilidade nela e que precisem dos outros para darem a impressão que raciocinam.
Não vejo mal nenhum em partilharem-se opiniões e em estar-se de acordo, mas desconfio sempre quando uma determinada pessoa concorda sempre com outra determinada pessoa... 

Por vezes, quando discutimos com um carneiro, vemo-lo a defender uma teoria ferozmente, até ao momento em que aparece o seu ídolo a concordar connosco e, nesse preciso instante, o carneiro muda de opinião e passa instantaneamente a estar de acordo com o que rejeitava à partida. E muda de ideias não porque, através do seu raciocínio, tenha chegado à conclusão que estávamos certos, mas porque o sujeito digno da sua admiração concorda connosco. Chegam a ser deprimentes!

Dantes, esta carneiragem só me deprimia, mas actualmente começa mesmo a assustar-me, porque cada vez mais este país está a tornar-se numa imensa pastagem, cheia de carneiros e com um ou dois pastores ignóbeis, que os obrigam a pastar sem que possam desviar o olhar de um pasto seco, bolorento, mal cheiroso e desenxabido! E os cães... esses, que ainda se ouviam ladrar de vez em quando, estão a ficar afónicos!

Imagem retirada da Internet

Comentários

  1. Eu também detesto... mas o pior é que tenho uma amiga que é assim... se no minuto X defendo Y, ela concorda totalmente comigo, mas se no minuto Z defendo W, ela volta a concordar comigo, mesmo quando W é o oposto de Y...
    às vezes chego a fazer o teste de propósito só para ver como ela é capaz de se contrariar...

    ResponderEliminar
  2. Não há mesmo paciência para estas pessoas. Mas será que sentem orgulho de serem assim? e onde está a opinião delas? os seus valores? se calhar não os têm ou não os sabem usar.

    ResponderEliminar
  3. Tanita,
    Acho que não têm mesmo opinião, porque não estão para se dar ao trabalho de pensar. Pensar implica algum esforço e é muito mais fácil repetir o que os outros dizem do que pôr a cabeça a funcionar!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…