Avançar para o conteúdo principal

Babadices de Pai

O pai do J. sofre do mesmo problema que eu: Baba-se a rodos!
Enquanto eu me babo das gracinhas da criança, o pai baba-se a ver o menino jogar basquetebol! 

No outro dia, quando vieram de um treino, o homem chegou-me a casa com baba até aos joelhos. O miúdo não é nenhuma estrela do NBA, nem sequer é um prodígio daqueles que nunca falham um cesto, mas deixa o pai num estado deplorável. Safa-se a jogar, mas nada do outro mundo, porém tem uma garra impressionante e invejável. Tivesse eu metade da garra que ele tem e já tinha subido o Evereste com uma perna às costas! Ele corre atrás da bola até às últimas consequências, nas lutas com os outros pela posse de bola, só lhe falta agarrá-la com os dentes, à mínima oportunidade de voar, lá está ele a bater asas, não desiste nem que o atirem ao chão, pode cair, rebolar, ou tropeçar, mas acaba sempre de mão estendida na direcção da bola. Chega a ser comovente!
Claro que o rapazinho tem uns dias melhores e outros piores, mas os melhores deixam o pai knock-out!

Nesses dias, quando chegam do treino, o pai aproveita o bocadinho em que o filho toma banho, para me vir contar como correu... E todo ele é orgulho... A boca traz um sorriso rasgado, os olhos seguram uma lagrimazita com grande dificuldade e a baba escorre-lhe em cascata (chego ao ponto de duvidar se não será melhor ir buscar um balde ou calçar as galochas)...

Ando a pensar seriamente em oferecer-lhe um babete no Natal... Que acham?

Comentários

  1. Os nosso filhos são para nós um motivo de orgulho nem que seja por um simple gesto que façam. Agora com um motivo desses deixa lá o teu marido babar-se, mas o melhor mesmo é comprares um babete, assim

    ResponderEliminar
  2. Olha, era uma prenda engraçada e que encaixava na perfeição no papá. :D

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…